Diferenças entre edições de "Memórias do Cárcere (filme)"

1 byte adicionado ,  19h55min de 15 de setembro de 2020
→‎Sinopse: Correção gramatical.
(→‎Sinopse: Correção gramatical.)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
 
== Sinopse ==
Em 1935, o Governo de [[Getúlio Vargas]] esmagou a revolta militar da [[Aliança Nacional Libertadora]], conhecida como [[Intentona Comunista]], e aplicou medidas que suspendiam as garantias das liberdades individuais de todos os brasileiros. Graciliano Ramos, escritor afamado e dirigente público de Ensino em [[Alagoas]] simpatizante [[comunista]] que trabalhava no Palácio do Governo, acabou sendo preso em março de 1936 sem haver um processo formal de acusação. Depois de um tempo nos quartéis, cárceres públicos onde presenciou a ordem de deportação de [[Olga Benário Prestes]] e Elisa, e num hospital em que podia receber as visitas de advogado e da esposa Heloísa, ele foi enviado à remota Colônia Penal da [[Ilha Grande (Angra dos Reis)|Ilha Grande]]. Ali, apesar de muito doente devido a uma [[úlcera]] mal curada, continuou a escrever e consegueconseguiu sobreviver aos 10 meses de confinamento<ref>[http://acervo.oglobo.globo.com/fatos-historicos/cannes-aclama-memorias-do-carcere-9900154 Acervo de O Globo Acessado em 28-11-15] </ref> em condições precárias e sofrendo crueldades, com a ajuda de alguns funcionários e dos demais prisioneiros de sua seção, ladrões e revoltosos políticos, e que esperavam serem retratados nos livros do escritor.
 
== Elenco ==
36

edições