Diferenças entre edições de "Li-Meng Yan"

2 bytes removidos ,  17h00min de 20 de setembro de 2020
(Ajuste)
(→‎Repercussão: ajustes)
 
== Repercussão ==
São três as supostas evidências levantadas pelos cientistas autores do estudo que sustentariam a conclusão de que o vírus teria sido intencionalmente criado em laboratório. Uma delas é a semelhança com uma cepa de coronavírus de morcegos que infecta também [[pangolim|pangolins]] descobertosdescoberta e estudadosestudada por laboratórios militares. Os críticos dessa conclusão alegam que a semelhança na verdade seria uma evidência contra essa conclusão, já que seria muito mais fácil utilizar cepas de coronavírus que já são adaptadas em infectar humanos. As outras duas evidências se concentram na presença da proteína [[spike (proteína)|spike]]. Eles dizem que a versão dessa estrutura contem características que sugerem o desenvolvimento intencional em laboratório. Especialistas contrários a essa conclusão alegam que a seleção natural explica melhor do que a seleção artificial o desenvolvimento dessa proteína na estrutura do vírus.<ref name=Sordi>{{Citar web |ultimo=Sordi |primeiro=Jaqueline |url=https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/2020/09/18/lupa-na-ciencia-cientistas-chineses-coronavirus-criado-laboratorio/ |titulo=Lupa na Ciência: Em artigo polêmico, cientistas chineses defendem que novo coronavírus foi criado em laboratório |data=2020-09-18 |acessodata=2020-09-20 |website=[[Agência Lupa]] |lingua=pt-BR}}</ref>
 
Outro foco de críticas se concentra no financiador por trás do estudo, a [[Rule of Law Society]], uma organização (não científica) sem fins lucrativos fundada pelo ex-estrategista-chefe da Casa Branca [[Steve Bannon]], que já foi condenado por fraude. O fato do estudo não ter sofrido revisão por pares e de ter sido publicado em um repositório de acesso aberto como o [[Zenodo]] ao invés de um periódico científico reputado fortalece o coro de críticas.<ref name=Renner>{{Citar web |ultimo=Brouillette |primeiro=Monique |ultimo2=Renner |primeiro2=Rebecca |url=https://www.nationalgeographic.com/science/2020/09/coronavirus-origins-misinformation-yan-report-fact-check-cvd/ |titulo=Why misinformation about COVID-19’s origins keeps going viral |data=2020-09-18 |acessodata=2020-09-20 |website=[[National Geographic (revista)|National Geographic]] |lingua=en}}</ref>. [[Carl Bergstrom]], um dos cientistas que criticaram a publicação alegou que esses fatores lançam dúvidas sobre a credibilidade do artigo.<ref name=Sordi/> Li-meng Yan se defende das acusações afirmando que suas descobertas foram censuradas nas publicações científicas mais relevantes.<ref name=Renner/>
6 520

edições