Diferenças entre edições de "Jorge de Altinho"

450 bytes removidos ,  19h46min de 27 de setembro de 2020
tirei retórica, coloquei links
(tirei retórica, coloquei links)
 
 
<!-- 'BIOGRAFIA' REMOVIDA POR VIOLAR DIREITOS AUTORAIS. NÃO COPIE 'NADA' PARA A WIKIPÉDIA -->
Nascido Jorge Assis de Assunção, na Rua Antonio Carlos Ferreira, 66, bairro de Salgadinho, de [[Olinda]]-PE. Filho de Anízio Brasilino de Assunção e Maria Assis de Assunção, batizado na Igreja de São Judas Tadeu, no mesmo bairro.
 
Seu pai na época era proprietário de um posto de combustível, no bairro da Encruzilhada, em Recife. Decidido à uma vida mais tranqüila mudou-se com a família para o município de Altinho, onde passou a negociar com secos e molhados.
Seu primeiro disco seria gravado em 1980, pela Emi-Odeon, com 12 músicas de sua autoria. O sucesso surgiria em 1982, quando gravou o seu segundo álbum, o antológico disco do chapéu, que, por ter sido prensado o vinil em uma fábrica e a capa em outra, o disco chegou primeiro e a repercussão foi tamanha que as pessoas levavam o disco para depois pegar a capa na loja. Alguns improvisaram a capa com cartolina, o que lhe valeu destaque e um fato curioso: ter sido o primeiro artista brasileiro a vender discos sem as capas.
 
Com mais experiência, lança em 1983, o disco Canto Livre, que trazia como grande novidade elementos novos para a reoxigenação doo forró. Uma vez que o famoso Jackson do Pandeiro já havia experimentado o clarinete e Luiz Gonzaga o piston. Como tinha formação musical filarmônica e ouvindo a orquestra do maestro Camarão, de Caruaru, resolveu resgatar a cultura interiorana que são as filarmônicas que geralmente se apresentam nas festas das igrejas interioranas acompanhando procissões, eventos cívicos, etc. Dessa fusão, adicionou o sax, o piston e trombone, a sanfona, triângulo e zabumba, instrumentos básicos que compõem a música nordestina. Assim, sem perder a originalidade ele foi pioneiro em introduzir os metais no forró.
 
A partir daí foi contratado pela RCA Victor, hoje BMG Ariola, onde ficou por 10 anos e gravou 16 discos, passando por algumas gravadoras como: Emi-Odeon, Sony, RGE, Paradox e Warner Continental etc.
 
Ao longo de sua carreira ganhou o respeito e a estima de muitos amigos, como o saudoso [[Chacrinha]], que o convidou a participar de dezena de programas, resultando em vários discos de ouro e o carinho de colegas a exemplo de [[Luiz Gonzaga]], [[Dominguinhos]], [[Alcione (cantora)|Alcione]], [[Fagner|Raimundo Fagner]], [[Zé Ramalho]], todos com participações especiais em seus discos.
 
Hoje, com 41 álbuns entre vinis e CD's, o artista reúne uma invejável bagagem musical, pois percorreu todo o Norte e Nordeste Brasileiro, cantando e encantando em clubes, exposições, festas de padroeiros, vaquejadas, aniversário de cidades, sempre com o mesmo entusiasmo do início da carreira, levando sempre uma mensagem de otimismo e um recado de amor, com a marca de seu balanço envolvente e com sua voz inconfundível.
 
Eis Jorge, que um dia foi de Olinda, de Caruaru, de Altinho e que hoje é do mundo, afinal, suas obras pertencem ao universo dos amantes da boa música popular brasileira. Assim é Jorge, imutável pelo talento, corajoso como o sertanejo, detalhista, exigente em sua arte e sobretudo, o cancioneiro que fez o forró ganhar o mundo.
 
== Discografia <ref>http://www.jorgedealtinho.com.br/discografias.asp</ref>==
278

edições