Diferenças entre edições de "Supercut"

Sem alteração do tamanho ,  17h48min de 1 de outubro de 2020
m
sem resumo de edição
m (v2.02b - Corrigido usando WP:PCW (Link igual ao texto do link))
m
 
Lorde gravou "Supercut" em três diferentes locações nos [[Estados Unidos]]. Ela começou a gravar no [[Electric Lady Studios]] em [[Greenwich Village]], [[Nova Iorque]], com assistência de Barry McCready e Jack Antonoff. Antonoff também trabalhou com Lorde no Rough Customer Studios em Brooklyn Heights, Nova Iorque. A gravação foi concluída no [[Westlake Recording Studios]] em [[Los Angeles]], [[Califórnia]], com assistência de Ben Sedano e Greg Eliason. Serban Ghenea misturou a canção no MixStar Studios com assistência do engenheiro John Hanes. A faixa foi masterizada por Randy Merrill no Sterling Sound em Nova Iorque. Outro pessoal incluiu [[Joel Little]], bem como [[Frank Dukes]], [[Jean-Benoît Dunckel]] e Malay, que forneceram produção adicional à canção.<ref>''Melodrama'' (CD). [[Lorde (cantora)|Lorde]]. Estados Unidos: [[Lava Records|Lava]]/[[Republic Records]]. 2017. B0026615-02.</ref>
 
"Supercut" é composta na tonalidade de [[dó maior]] com um andamento de 124 batidas por minuto. Os vocais de Lorde abrangem um intervalo de A<sub>3</sub> a E<sub>5</sub> e sua [[Progressão harmónica|progressão harmônica]] segue uma sequência básica de C–Am–F<sup>sus2</sup>–F.<ref>{{Citar web|titulo=Supercut|url=https://www.musicnotes.com/sheetmusic/mtd.asp?ppn=MN0176298|obra=Musicnotes.com|data=2017-07-06|acessodata=2019-09-24|primeiro=Dunckel|ultimo=Jean-Benoit|primeiro2=Antonoff|ultimo2=Jack|primeiro3=Little|ultimo3=Joel|primeiro4=Yelich-O'Connor|ultimo4=Ella|primeiro5=Ho|ultimo5=James|ultimo6=Lorde}}</ref> É uma canção de [[synth-pop]] e [[eletropop]], com influências de outros gêneros como [[dance music]], [[electro house]], [[electronica]] e [[New wave (música)|new wave]] em sua produção.<ref>{{Citar web|titulo=Review: Lorde, Melodrama|url=https://www.slantmagazine.com/music/lorde-melodrama/|acessodata=2019-09-24|lingua=en-US|primeiro=Sal|ultimo=Cinquemani}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=Review: Lorde is stronger than she seems on 'Melodrama'|url=https://www.latimes.com/entertainment/music/la-et-ms-lorde-melodrama-review-20170616-story.html|obra=Los Angeles Times|data=2017-06-16|acessodata=2019-09-24|lingua=en-US}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=In A World Of Playlists, Lorde’s Melodrama Commands Your Attention|url=https://www.thefader.com/2017/06/16/lorde-melodrama-green-light-perfect-places-review-roundtable|obra=The FADER|acessodata=2019-09-24|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=Review: Lorde and the 'Melodrama' of innocence lost|url=https://www.chicagotribune.com/entertainment/music/greg-kot/sc-ent-0616-music-lorde-melodrama-20170616-column.html|obra=chicagotribune.com|acessodata=2019-09-24|primeiro=Greg|ultimo=Kot}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=Lorde’s Highly-Anticipated ‘Melodrama’ Encapsulates the Pangs of Love {{!}} Arts {{!}} The Harvard Crimson|url=http://www.thecrimson.com/article/2017/6/30/lorde-melodrama-review/|obra=www.thecrimson.com|acessodata=2019-09-24|lingua=en}}</ref><ref name=":1">{{Citar web|titulo=Lorde: Melodrama Review|url=https://www.pastemagazine.com/articles/2017/06/lorde-melodrama-review.html|obra=pastemagazine.com|data=2017-06-26|acessodata=2019-09-24|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=Melodrama|url=http://www.noripcord.com/reviews/music/lorde/melodrama|obra=No Ripcord|acessodata=2019-09-24|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=Album review: Lorde’s ‘Melodrama’ sounds maddeningly shapeless - Las Vegas Weekly|url=https://lasvegasweekly.com/ae/music/2017/jun/22/album-review-lordes-melodrama-sounds-shapeless/|obra=lasvegasweekly.com|acessodata=2019-09-24}}</ref> De acordo com Ava Muir do ''Exclaim'', "Supercut" é carregada por um "pulso assombrosamente infeccioso".<ref>{{Citar web|titulo=Lorde Melodrama|url=http://exclaim.ca/music/article/lorde-melodrama|obra=exclaim.ca|acessodata=2019-09-24|lingua=en-ca}}</ref> Emily Reid, da ''[[Paste (revista)|Paste]]'', a considerou uma "fusão de pop dos anos 80 com uma batida de ''electro-house''".<ref name=":1" /> A letra da canção gira em torno da lembrança de tempos felizes de uma relação prévia; o verso de abertura inclui a linha "In my head, I play a supercut of us" (Na minha cabeça, eu vejo um ''supercut'' nosso). Em uma análisaanálise do álbum, Lindsay Zoladz do ''The Ringer'' disse que a canção é associada na [[cultura popular]] com os "momentos 'perfeitos' de um relacionamento capturados em [[Instagram|Instagrams]] cortados e filtrados que nós vemos depois que ele acaba".<ref>{{Citar web|titulo=Lorde Works in Mysterious Ways|url=https://www.theringer.com/2017/6/19/16043030/lorde-second-album-melodrama-26fefc74a1e|obra=The Ringer|data=2017-06-19|acessodata=2019-09-25|lingua=en|primeiro=Lindsay|ultimo=Zoladz}}</ref>
 
Em uma entrevista ao ''The Spinoff'', Lorde disse que "Supercut" era uma "canção irmã" de "[[Ribs]]" de seu álbum de estreia ''[[Pure Heroine]]'' (2013). Ela se lembra de sair de uma festa tarde em uma noite e andando de táxi por [[Auckland]] escutando [[Graceland (álbum)|''Graceland'']] (1986) de [[Paul Simon]]. Enquanto no carro, ela ouvia "batidas loucas" vazando para a rua. Ela queria sentir como se alguém estivesse "dançando através das paredes de uma festa". Ao finalizar a gravação da faixa, Lorde a ouviu quando saía do ''pub'' The Spotted Pig depois da meia noite e se sentiu da forma que costumava se sentir quando fazia música quando era mais nova. Ela sentiu uma reação emocional, já que estava aliviada por falar sobre seus sentimentos pela primeira vez. Lorde também disse que "Supercut" é uma das duas canções do álbum onde fala com alguém. A maior parte da canção foi construída utilizando a bateria e então "os vazios foram preenchidos" com o piano.<ref>{{Citar web|titulo=The Spinoff Exclusive: Lorde explains the backstory behind every song on her new album|url=https://thespinoff.co.nz/music/19-06-2017/the-spinoff-exclusive-lorde-explains-the-backstory-behind-every-song-on-her-new-album/|obra=The Spinoff|data=2017-06-19|acessodata=2019-09-25|primeiro=Henry|ultimo=Oliver}}</ref>
"Supercut" foi recebido com aclamação por [[Crítico de música|críticos de música]], com muitos a considerando um ponto alto em ''Melodrama'' e elogiando sua letra.<ref>{{Citar web|url=https://www.vulture.com/2017/06/lorde-melodrama-supercut-best-track.html|obra=|acessodata=2019-09-25|titulo=Here's Why Lorde's 'Supercut' Is Melodrama's Best Track|data=16-06-2017|publicado=''Vulture''|ultimo=Guan|primeiro=Frank|lingua=en|titulotrad=Aqui está o porquê de "Supercut" de Lorde ser a melhor faixa de Melodrama}}</ref> Sua produção foi comparada à da cantora sueca [[Robyn]]. Mike Neid, do [[Idolator]], escreveu que a faixa "[entrega] uma das letras mais graciosamente criadas do álbum", e a considerou uma "liberação alegre que oferece uma lasca de esperança para novos começos".<ref>{{Citar web|titulo=Lorde's Gripping, Intense 'Melodrama': Album Review|url=https://www.idolator.com/7664835/lorde-melodrama-album-review|obra=idolator|data=2017-06-16|acessodata=2019-09-25}}</ref> Escrevendo para o ''[[The Independent]]'', Roisin O'Connor elogiou as "peculiaridades" incomuns da canção em sua produção, que ajudam a "expôr como sua música funciona em seu interior". O'Connor também disse que Lorde "respeita o pop pelo que ele é e pelo que ele é capaz".<ref>{{Citar web|titulo=Lorde, Melodrama, album review: Unconventional pop that still bangs|url=http://www.independent.co.uk/arts-entertainment/music/reviews/lorde-melodrama-album-review-how-to-listen-tour-tickets-green-light-liability-a7792266.html|obra=The Independent|data=2017-06-16|acessodata=2019-09-25|lingua=en}}</ref> Chris Willman, da ''[[Variety]]'', considerou a canção uma "mini obra-prima" do álbum e um "grande momento teatral de revelação tardia", como se o álbum fosse sequenciado em um formato teatral.<ref name=":0" />
 
"Supercut" foi incluída em diversas listas de fim de ano de críticos de música. A ''[[Stereogum]]'' posicionou a canção em segundo lugar em sua lista de fim de ano, dizendo que a letra é "genial, e a musicalidade uma miragem propulsora" e o efeito geral é "esmagador e causa formigamento".<ref>{{Citar web|titulo=The Top 40 Pop Songs Of 2017|url=https://www.stereogum.com/1971280/the-top-40-pop-songs-of-2017/franchises/the-week-in-pop/|obra=Stereogum|data=2017-12-14|acessodata=2019-09-25}}</ref> Lindsay Zoladz do ''The Ringer'' também incluiu a canção em segundo lugar em sua lista, descrevendo-a como "uma precisa destilação das maneiras que a internet muda e deforma como experimentamos a vida". Zoladz também a considerou uma "grande música pop no espírito" da era [[Body Talk Pt.1|''Body Talk'']] (2010) de Robyn e sentiu "algo libertador" na conclusão da faixa.<ref>{{Citar web|titulo=The Best Songs of 2017|url=https://www.theringer.com/music/2017/12/4/16732624/best-songs-2017-cardi-b-lorde-justin-bieber-kesha-st-vincent|obra=The Ringer|data=2017-12-04|acessodata=2019-09-25|lingua=en|primeiro=Lindsay|ultimo=Zoladz}}</ref> A ''[[NME]]'' incluiu "Supercut" no número 29 em sua lista de fim de ano,<ref>{{Citar web|titulo=Best Songs of the Year 2017|url=https://www.nme.com/blogs/nme-blogs/nmes-best-tracks-year-2017-2161431/3|obra=NME|data=2017-11-27|acessodata=2019-09-25|lingua=en-US|ultimo=NME}}</ref> enquandoenquanto a ''Vulture'' a incluiu na quarta posição. Dee Lockett, da publicação, disse que a faixa era um "quebra-cabeça disforme onde sua beleza era amplificada por seus defeitos."<ref>{{Citar web|url=https://www.vulture.com/2017/12/the-10-best-songs-of-2017.html|obra=|acessodata=2019-09-25|titulo=The 10 Best Songs of 2017|data=5-12-2017|publicado=''Vulture''|ultimo=Guan|primeiro=Frank|lingua=en|titulotrad=As 10 Melhores Canção de 2017}}</ref>
 
=== Resposta de Baio ===
* John Hanes – engenharia de mistura
* Randy Merrill – masterização
* Barry McCready – assistânciaassistência de engenharia
{{col-3}}
* Ben Sedano – assistência de engenharia
60 586

edições