Diferenças entre edições de "Ângela Diniz"

75 bytes adicionados ,  00h56min de 18 de outubro de 2020
 
== Biografia ==
Ângela Diniz casouera filha de Newton Viana Diniz e Maria do Espírito Santo Fernandes Diniz. Casou-se aos 17 anos com o engenheiro Milton Villas Boas, 31 anos, com quem teve três filhos. O relacionamento durou apenas 9 anos e, quando terminou, o casal fez um acordo judicial de [[desquite]], já que o [[divórcio]] não era permitido à época. No acordo, Ângela recebeu uma pensão mensal e uma mansão em Belo Horizonte, porém, a guarda dos três filhos ficou com Milton<ref name=":3">{{citar periódico |url=https://acervo.oglobo.globo.com/busca/?busca=ibrahim+sued+angela+diniz |titulo=A Imagem de Ângela Diniz |data=5 de Janeiro de 1977 |acessodata=6 de Outubro de 2020 |publicado=O Globo |ultimo=Sued |primeiro=Ibrahim}}</ref><ref name=":0" />.
 
Em junho de 1973, José Avelino dos Santos (vulgo Zé Pretinho), então caseiro e vigia da casa de Ângela, foi assassinado à noite com um tiro no rosto. O corpo foi encontrado no lado de fora da casa, próximo à janela, e tinha uma faca na mão e a braguilha aberta com sinais de ejaculação. Inicialmente, Ângela assumiu a culpa, alegando legítima defesa. Entretanto, as investigações demonstraram que havia uma terceira pessoa na casa, e descobriu-se que Ângela era amante do milionário mineiro Arthur Vale Mendes, conhecido como Tuca Mendes, herdeiro do grupo [[Mendes Júnior]]<ref name=":0">{{citar periódico |url=http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=004120&pasta=ano%20197&pesq=%22%C3%A2ngela%20diniz%22&pagfis=134193 |titulo=A Pantera de Belô |data=1973 |acessodata=6 de Outubro de 2020 |publicado=Manchete |ultimo= |primeiro= |edicao=1106}}</ref><ref name="tdp" />. No depoimento, Ângela disse que teria assumido a culpa para proteger Tuca, pois ele era casado e o relacionamento dos dois ainda não era de conhecimento geral. Tuca alegou que havia visto um vulto do lado de fora da casa, foi verificar o que era e a pessoa o atacou, por isso ele reagiu, matando-o<ref name=":0" />. As circunstâncias reais do crime jamais foram esclarecidas. À época, surgiram boatos que Ângela e José Avelino teriam um relacionamento, Tuca descobriu e matou-o<ref name="tdp" />. Porém, pessoas próximas a Ângela negaram o caso, afirmando que ela seria racista demais para se relacionar com um negro<ref>{{citar web |ultimo= |primeiro= |url=https://www.radionovelo.com.br/praiadosossos/downloads/ep4-tres-crimes.pdf |titulo=Episódio 4 - Três crimes |data= |acessodata=6 de Outubro de 2020 |publicado=Rádio Novelo}}</ref>. Outra hipótese é que Tuca teria encontrado José Avelino se masturbando escondido do lado de fora da casa, observando Ângela, e matou-o. Ao final, Tuca Mendes foi condenado a dois anos com [[sursis]], isto é, com suspensão condicional da pena e liberado<ref name="tdp">{{citar web |url=https://core.ac.uk/download/pdf/268338975.pdf|título=Lugar de Fala, Enquadramento e Valores no Caso Ângela Diniz|acessodata=16 de setembro de 2020 |autor=Revista Anagrama: Revista Científica Interdisciplinar da Graduação}}</ref>.
No Natal de 1974, Ângela visitou seus filhos em Belo Horizonte, e ao retornar ao Rio de Janeiro, decidiu trazer consigo sua filha, sem avisar a família do seu ex-marido. Milton Villas Boas deu queixa de sequestro. Mesmo Ângela retornando a menina a Belo Horizonte uma semana depois, Milton manteve o processo e Ângela foi condenada a seis meses de prisão pelo sequestro da sua filha<ref name=":3" />.
 
Em 1975, por meio de uma denúncia anônima, Ângela foi presa sob a acusação de esconder mais de cem gramas de maconha em sua residência. Para poder responder ao processo em liberdade, ela admitiu ser viciada em drogas<ref name="tdp" /><ref name=":3" />.
 
==O Crime==
935

edições