Diferenças entre edições de "Francisco Xavier de Mendonça Furtado"

Sem alteração do tamanho ,  17h50min de 28 de outubro de 2020
m
sem resumo de edição
m (perDa, não "perca")
m
 
Foi governador geral do [[Estado do Grão-Pará e Maranhão]] de [[1751]] a [[1759]] e [[Ministério da Marinha (Portugal)|secretário de Estado da Marinha e do Ultramar]] entre [[1760]] e [[1769]].
 
Ajudou na conspiração que levou à condenação à morte do padre [[Gabriel Malagrida]] e para a [[expulsão dos Jesuítas de Portugal]] pois a questão com [[Companhia de Jesus]] com Pombal começara no Brasil, pois ela denunciava a exploração da mão-de-obra indígena,<ref>{{citar web | url=http://pedrojosemyblog.wordpress.com/2014/04/12/o-marques-de-pombal-estrangeirado-macom-e-jansenista/ | título=Marquês de Pombal: Estrangeirado, Maçom e Jansenista, Ribeiro Martins, 2 de Abril de 2014 | publicado=pedrojosemyblog.wordpress.com }}</ref>, o que incomodava a governação [[absolutismo|absoluta]] proposta nessa altura por si e perda de rendimento para o [[Estado]].
 
Como governador geral do Estado do Grão-Pará e Maranhão, recebeu duas importantes diretrizes para a sua ação de governo:
Estas duas linhas de governo faziam emergir três questões indissociáveis: a “liberdade dos índios”, a abolição do governo temporal das aldeias controladas pelos missionários; e o incentivo à produção e ao comércio da capitania.
 
Segundo as cartas informativas que enviou para o Rei, os colonos não dispunham de recursos para a importar [[escravidão|escravos]] da [[África]].<ref>{{citar web | url=http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3307&secao=333 | título= A expulsão dos Jesuítas do Grão-Pará e Maranhão | publicado=www.ihuonline.unisinos.br }}, acesso em 05 de outubro de 2016.</ref>.
 
Em 6 de Julho de 1752, foi informado de que fora designado como chefe plenipotenciário da missão demarcatória dos limites fronteiriços da bacia Amazônia, decorrentes do [[Tratado de Madrid (1750)|Tratado de Madrid]].<ref>"O caso do poder jesuítico na Amazônia", de Gustavo Ferreira Glielmo, disponível na internet em 05 de outubro de 2016.</ref> Em 1759, regressa a Portugal.
15 051

edições