Diferenças entre edições de "Marilyn Monroe"

2 bytes adicionados ,  14h05min de 3 de novembro de 2020
m
sem resumo de edição
m (Foram revertidas as edições de Marcella.nnunes para a última revisão de Nyvak, de 18:40, 2020 outubro 18 (UTC))
Etiqueta: Reversão
m
=== Ascensão ao estrelato (1953) ===
[[Imagem:Marilyn Monroe Niagara.png|miniatura|direita|240px|Interpretando Rose Loomis em ''Torrentes de Paixão'' (1953), que colocava como destaque o seu apelo sexual.]]
Marilyn estreou em três filmes lançados em 1953, além de revitalizar a sua carreira, tornou-a num importante [[símbolo sexual]] e um dos artistas mais rentáveis de Hollywood.<ref name="Churchwell6165">{{harvnb|Churchwell|2004|p=61–65}}</ref><ref name="Lev168">{{harvnb|Lev|2013|p=168}}</ref> O primeiro foi o [[film noir|filme ''noir'']] gravado em [[Technicolor]] ''[[Torrentes de Paixão]]'', no qual interpretou uma intrigante [[mulher fatal]] que planejava assassinar o seu marido, interpretado por [[Joseph Cotten]].<ref name="Churchwell233">{{harvnb|Churchwell|2004|p=233}}</ref> Naquela época, Marilyn e seu maquiador pessoal, Allan "Whitey" Snyder, tinham desenvolvido um tipo de maquiagem que se tornou muito associado a ela; sobrancelhas arqueadas e escuras, pele pálida e lábios vermelhos e brilhantes.<ref name="Churchwell2562">{{harvnb|Churchwell|2004|p=25, 62}}</ref> De acordo com historiadores, ''Torrentes de Paixão'' foi um dos filmes mais abertamente sexuais da sua carreira e incluiaincluía cenas em que o seu corpo estava apenas coberto por um lençol ou uma toalha, considerado até então chocante por espectadores contemporâneos.<ref name="Banner195196">{{harvnb|Banner|2012|p=195–196}}</ref> Uma de suas cenas famosas é um trecho onde Marilyn é filmada de costas enquanto caminha e balança os quadris, a mesma foi muito utilizada no ''marketing'' da obra.<ref name="Churchwell62"/>
 
Após a repercussão de ''Torrentes de Paixão'', clubes de mulheres protestaram, alegando que o mesmo era "imoral".<ref name="Spoto221">{{harvnb|Spoto|2001|p=221}}</ref><ref name="Banner205">{{harvnb|Banner|2012|p=205}}</ref> Entretanto, a ''[[Variety]]'' revisou e considerou seu roteiro apenas como "clichê" e "mórbido", enquanto o ''[[The New York Times]]'' opinava que "as cataratas e Marilyn eram a razão para ver [o filme]" e "mesmo que ela não seja uma atriz perfeita no momento, ela pode ser sedutora até quando anda".<ref>{{citar web|língua2=en|data=22 de janeiro de 1953|url=http://www.nytimes.com/movie/review?res=940DE0DF163FE53ABC4A51DFB7668388649EDE|título=Niagara Falls Vies With Marilyn Monroe|publicado=[[The New York Times]]|acessodata=30 de dezembro de 2015}}</ref><ref>{{citar web|língua2=en|data=31 de dezembro de 1952|url=http://variety.com/1952/film/reviews/niagara-1200417447/|título=Review: ‘Niagara’|publicado=[[Variety]]|acessodata=30 de dezembro de 2015}}</ref> A atriz continuou a atrair atenção por onde passava com suas roupas em eventos publicitários, uma das mais comentadas foi a premiação da ''[[Photoplay]]'' em janeiro de 1953, onde ganhou um prêmio por ser a maior "estrela em ascensão" no cinema.<ref name="Churchwell234">{{harvnb|Churchwell|2004|p=234}}</ref> Ela usava um [[Lamê|vestido lamê]] dourado e colado ao corpo, o que fez a veterana [[Joan Crawford]] criticá-la na imprensa, descrevendo o seu comportamento como "impróprio para uma atriz e senhora".<ref name="Banner205206">{{harvnb|Banner|2012|p=205–206}}</ref>
=== Últimos filmes e dificuldades (1960–62) ===
[[Imagem:Marilyn Monroe Misfits.jpg|miniatura|250px|direita|Monroe com Clark Gable e Montgomery Clift em ''Os Desajustados'' (1960). Foi a última produção de Monroe e Gable.]]
Após uma pausa até final de 1959, ela voltou a estrelar na comédia musical ''[[Adorável Pecadora]]'' que fala sobre uma atriz e um milionário que se apaixonam quando se apresentam numa peça satírica.<ref name="Churchwell71">{{harvnb|Churchwell|2004|p=71}}</ref> Ela escolheu [[George Cukor]] para contracenar, mas Miller decidiu reescrever todo o roteiro pois havia considerado o resultado final um tanto "fraco".<ref name="Spoto410415">{{harvnb|Spoto|2001|p=410–415}}</ref> Além disso, a atriz só aceitou fazer parte do elenco porque tinha que continuar o contrato com a Fox, já que tinha feito apenas um filme dos quatro prometidos.<ref name="Spoto410415"/> Durante o desenvolvimento da obra, a sua produção chegou a ser adiada diversas vezes por ausências frequentes de Marilyn.<ref name="Churchwell71"/> Naquela época, ela também teve um caso com [[Yves Montand]], seu par na produção, cujo envolvimento foi amplamente divulgado pela imprensa e usado na campanha publicitária do filme.<ref name="Churchwell72">{{harvnb|Churchwell|2004|p=72}}</ref> Após o seu lançamento, em setembro de 1960, ''Adorável Pecadora'' não foi recebido favoravelmente pelo público, tampouco pela crítica.<ref name="Solomon139">{{harvnb|Solomon|1988|p=139}}</ref> Bosley Crowther do ''[[The New York Times]]'' notou que a atriz parecia "um pouco desarrumada" e que "faltava... o seu antigo dinamismo",<ref>{{citar web|língua2=en|autor=Bosley Crowther|data=9 de setembro de 1960|url=http://www.nytimes.com/movie/review?res=9A01E1DA1F3EEF3ABC4153DFBF66838B679EDE|título=Movie Review - Let's Make Love (1960)|publicado=[[The New York Times]]|acessodata=2 de janeiro de 2016}}</ref> enquanto Hedda Hopper do ''[[Chicago Tribune]]'' o descrevia como "o filme mais vulgar que ela já fez".<ref>{{citar web|língua2=en|autor=Hedda Hopper|data=25 de agosto de 1960|url=http://archives.chicagotribune.com/1960/08/25/page/138/article/hedda-finds-marilyns-new-film-most-vulgar/|título=Hedda Finds Marilyn's Film 'Most Vulgar'|publicado=[[Chicago Tribune]]|acessodata=2 de janeiro de 2016}}</ref> Logo em seguida, o escritor [[Truman Capote]] estava planejando colocá-la para intepretarinterpretar Holly Golightly numa [[Breakfast at Tiffany's|adaptação cinematográfica]] de ''[[Breakfast at Tiffany's (livro)|Breakfast at Tiffany's]]'', mas o papel acabou indo para [[Audrey Hepburn]], já que os produtores temiam que Marilyn complicasse a produção.<ref name="Banner335">{{harvnb|Banner|2012|p=335}}</ref>
 
O último filme concluído por Marilyn foi a produção de [[John Huston]], ''[[Os Desajustados (1961)|Os Desajustados]]'', projet que Miller tinha escrito para fornecer a Marilyn um papel dramático.<ref name="Churchwell266">{{harvnb|Churchwell|2004|p=266}}</ref> Ela interpretou uma mulher recentemente divorciada que se tornava amiga de três ''cowboys'' idosos, interpretados por [[Clark Gable]], [[Eli Wallach]] e [[Montgomery Clift]]. As filmagens foram realizadas no deserto de [[Nevada]], entre julho e novembro de 1960 e, como de costume, tiveram complicações.<ref name="Spoto429430">{{harvnb|Spoto|2001|p=429–430}}</ref> Naquela época, o casamento de quatro anos entre Marilyn e Miller havia acabado definitivamente, com ele iniciando um novo relacionamento logo de seguida.<ref name="Churchwell266"/> Além disso, Marilyn não gostava da ideia dele ter baseado o seu papel em partes da sua própria vida e achou que a sua parte no elenco era bastante inferior aos papéis masculinos.<ref name="Banner352">{{harvnb|Banner|2012|p=352}}</ref> Ela também lutava contra o hábito que Miller tinha em reescrever cenas durante a noite antes das filmagens.<ref name="Spoto435445">{{harvnb|Spoto|2001|p=431–435}}</ref> A saúde de Marilyn também complicava o desenvolvimento da trama. Ela sentia dores causadas por [[pedra na vesícula|pedras na vesícula]] e a sua dependência de drogas era tão grave que a maquiagem geralmente tinha que ser aplicada enquanto ela ainda estava sob o efeito de [[barbitúricos]].<ref name="Spoto435445"/><ref name="Banner353356">{{harvnb|Banner|2012|p=353–356}}</ref>''Os Desajustados'' só foi lançado em fevereiro de 1961, tornando-se um fracasso de bilheteria.<ref name="Banner361">{{harvnb|Banner|2012|p=361}}</ref> Os comentários também estavam divididos, Bosley Crowther chamou de "completamente em branco e insondável" a interpretação de Monroe.<ref>{{citar web|língua2=en|autor=Bosley Crowther|data=2 de fevereiro de 1961|url=http://www.nytimes.com/movie/review?res=9C06E0D71739EE32A25751C0A9649C946091D6CF|título=Movie Review - The Misfits (1961)|publicado=[[The New York Times]]|acessodata=2 de janeiro de 2016}}</ref> Apesar das críticas que recebeu na época de seu lançamento, o [[British Film Institute]] (BFI) o nomeou um "clássico" em 2015.<ref>{{citar web|língua2=en|autor=Geoff Andrew|data=17 de junho de 2015|url=http://www.bfi.org.uk/news-opinion/news-bfi/features/film-fate-helped-make-classic-misfits|título=The Film That Fate Helped Make a Classic: The Misfits|publicado=[[British Film Institute]]|acessodata=2 de janeiro de 2016}}</ref>
60 586

edições