Diferenças entre edições de "Maria Luísa Mendonça"

2 bytes adicionados ,  21h08min de 3 de novembro de 2020
m
sem resumo de edição
m
Tornou-se nacionalmente conhecida pela interpretação da personagem [[intersexo]] "Buba" na [[telenovela]] Renascer, da [[Rede Globo]], em [[1993]]. É conhecida também por suas vilãs desequilibradas, desajustadas e sensuais. No teatro, estreou em 1987 na peça [[Vestido de Noiva]], de [[Nelson Rodrigues]], aos 17 anos. Fez em seguida Os Gigantes da Montanha, de [[Pirandello|Luigi Pirandello]] em 1991; [[Romeu e Julieta]], de [[Shakespeare]] em 1993; Valsa Nº 6, de [[Nelson Rodrigues]] em 1994 e Futebol, de Alberto Renault em 1995. Ela foi a protagonista do filme [[Corazón iluminado]], de [[Héctor Babenco|Hector Babenco]], que estreou no [[Festival de Cannes]] em 1998. A atuação de Maria Luísa foi muito bem recebida pela crítica e ela recebeu prêmios em alguns festivais internacionais. Em 2003, voltou a trabalhar com Babenco no filme [[Carandiru (filme)|Carandiru]]. Em 2002, estrelou a aclamada montagem Os Sete Afluentes do Rio Ota, dirigida por [[Monique Gardenberg]].
 
Em 2004, apresentou o programa Contos da Meia Noite da [[TV Cultura]].<ref>{{citar web|url =http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq0802200416.htm|titulo ="Contos da Meia-Noite" coloca texto na TV |website =Folha Uol|acessodata =2017-12-28}}</ref> Dirigiu em 2005, Essa Nossa Juventude, de Kenneth Lonergan, com tradução e produção suas e [[Caio Blat]], [[Cauã Reymond]] e [[Simone Spoladore]] no elenco.<ref>{{citar web|url =http://www.ofuxico.com.br/noticias-sobre-famosos/paulo-vilhena-estreia-essa-nossa-juventude-em-sao-paulo/2005/11/11-12562.html|titulo =A primeira produção teatral da atriz Maria Luisa Mendonça, Essa Nova Juventude,|website =Ofuxico|acessodata =2017-12-28}}</ref> Em 2011, esteve em Na Selva das Cidades, peça de [[Bertolt Brecht|Bertolt Bretch]], dirigida por [[Aderbal Freire Filho]]. Apresentou o programa Revista do Cinema Brasileiro, uma produção independente, em co-produção com a [[TV Brasil]].<ref>{{citar web|url=http://oglobo.globo.com/revista-da-tv/maria-luisa-mendonca-assume-comando-da-revista-do-cinema-brasileiro-no-ar-na-tv-brasil-2687884|titulo=Maria Luísa Mendonça assume o comando da 'Revista do cinema brasileiro', no ar na TV Brasil|data=21 de agosto de 2011|acessodata=30 de junho de 2013|obra=[[O Globo]]|publicado=[[Globo.com]]}}</ref> Em 2012, voltou a intepretarinterpretar um texto de [[Nelson Rodrigues]] e fez a Zulmira de A Falecida. Em seguida, foi novamente dirigida por [[Monique Gardenberg]], na peça O Desaparecimento do Elefante, de [[Haruki Murakami]]. Atualmente, está em cartaz como [[Blanche DuBois]] na montagem de Rafael Gomes para [[A Streetcar Named Desire (teatro)|Um Bonde Chamado Desejo]], de [[Tennessee Williams]], papel que lhe rendeu aclamação unânime da crítica e os principais prêmios brasileiros de teatro.
 
Desde 2015, Maria Luísa atua como Isabel, filha transgressora de um militar na série da [[HBO]], [[Magnífica 70]].<ref>{{citar web|url=http://oglobo.globo.com/cultura/revista-da-tv/magnifica-70-estreia-em-2015-com-retrato-da-boca-do-lixo-13698498|título=‘Magnífica 70’ estreia em 2015 com retrato da Boca do Lixo|autor=Liv Brandão|data=23 de agosto de 2014|publicado=[[O Globo]]|acessodata=29 de agosto de 2014}}</ref> Em 2016, inaugurou em [[Ipanema]], a exposição "Eu Me Registrarei Sob Um Nome Falso", a primeira com suas telas e artes visuais, a atriz já trabalhava com artes pláticasplásticas há 18 anos. No mesmo ano, roda três longa-metragens, sendo eles O Olho e a Faca, de Paulo Sacramento; o longa As Mortes de Horácio de Mathias Mangin, e Todo Clichê do Amor, de [[Rafael Primot]]. Na TV, ela retorna em 2017, na série de terror [[Vade Retro]].<ref>{{citar web|url =http://www.heloisatolipan.com.br/arte/maria-luisa-mendonca-abre-sua-primeira-exposicao-individual-e-mostra-nova-faceta-eu-trabalho-com-pintura-de-acao-e-entro-dentro-da-tela/|titulo =Maria Luisa Mendonça abre sua primeira exposição individual e mostra nova faceta: “Eu trabalho com a pintura de ação e entro na tela” |website =Heloisa Politan|acessodata =2017-12-28}}</ref>
 
Em 2018, obtêm destaque ao retornar as novelas, em [[Segundo Sol]], na trama do horário nobre, ela interpreta a reprimida e neurótica socialite Karen, uma mulher acostumada ao luxo e vaidades, mas que após a falência da corrupta família, muda de comportamento e se torna uma mulher forte e independente.
60 593

edições