Diferenças entre edições de "Acordo Sykes-Picot"

Sem alteração do tamanho ,  23h43min de 26 de novembro de 2020
m
sem resumo de edição
m (Página marcada que carece de mais fontes)
m
 
 
==Detalhes==
O Acordo estabeleceu a partição antecipada do espólio do [[Império Otomano]] no [[Oriente Médio]], dois anos antes do fim da [[Primeira Guerra Mundial]]. Tal divisão deveria contemplar os interesses estratégicos das grandes potências [[imperialista]]s na região - notadamente, com referência ao [[petróleo]] e ao [[Canal de Suez]]. Com o fim da Primeira Guerra o mapa do Oriente Médio foi efetivamente redesenhado, com base no acordo Sykes-Picot. A divisão arbitrária dos antigos territórios otomanos, segundo "linhas traçadas na areia", tem sido, desde então, fonte de instabilidade e conflitos na região. O acordo foi negociado em novembro de 1915 pelo diplomata francês [[François Georges-Picot]] e pelo britânico [[Mark Sykes]].
O acordo foi negociado em novembro de 1915 pelo diplomata francês [[François Georges-Picot]] e pelo britânico [[Mark Sykes]].
 
O Reino Unido recebeu o controle dos territórios correspondentes, ''[[grosso modo]]'', à [[Jordânia]] e ao [[Iraque]], bem como uma pequena área em torno de [[Haifa]]. A França ganhou o controle do sudeste da [[Turquia]], da [[Síria]], do [[Líbano]] e do norte do Iraque. As duas potências ficaram livres para definir as fronteiras dentro daquelas áreas.