Diferenças entre edições de "Trem de Prata"

31 bytes removidos ,  23h33min de 18 de dezembro de 2020
Desfeita a edição 60019732 de PHG96/ Removeu informação relevante e referenciada sobre a concorrência com a ponte aérea e adicionou texto sem confirmação na fonte.
(Desfeita a edição 60019732 de PHG96/ Removeu informação relevante e referenciada sobre a concorrência com a ponte aérea e adicionou texto sem confirmação na fonte.)
Com isso, o serviço ferroviário de passageiros da [[Rede Ferroviária Federal]] ficou comprometido, pois o Santa Cruz era um dos trens mais utilizados, apesar dos atrasos e problemas na conservação da via férrea. O Santa Cruz era muito utilizado por agências de viagem que vendiam pacotes de viagens de trem entre o Rio de Janeiro e [[Corumbá]], sendo que o seu cancelamento causou prejuízos econômicos. Após tentativas malsucedidas de se retomar o serviço, ocorridas em 1992, a Rede Ferroviária Federal resolveu retomar a operação dos trens em parceria com a iniciativa privada. Em 13 de agosto de 1993, foi lançado o edital de licitação 033/SR-3/93,<ref>[http://books.google.com.br/books?id=ywQ_swflb7MC&pg=PA84&lpg=PA84&dq=Cons%C3%B3rcio+trem+de+prata&source=bl&ots=YH63wHsZ0v&sig=yLXhJxr0oy3um5w5PQWlmdFabOI&hl=pt-BR&ei=zZXrSZcCk4S3B6SU3cgF&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=10#PPA84,M1]</ref> através da qual a iniciativa privada ficaria responsável pela organização do serviço e venda de passagens, cabendo à Rede Ferroviária Federal a locação de 25 carros [[The Budd Company|Budd]], além de locomotivas.
 
Depois de quase quatro anos, com o barateamento das passagens aéreas, o Trem de Prata deixou de circular em 1998. OA consórcioutilização responsávelda pela[[ponte suaaérea operaçãoRio–São acabouPaulo]] desistindopassou daa parceriaficar commais acessível que a RFFSAviagem devidoferroviária, além aosdos problemas com atrasos e a, falta de manutenção adequada das linhas férreas, que emcausavam raraspor vezes causavamaté mesmo a interrupção de viagens, que eram completadas por ônibus, embora já perto do destino final.<ref>{{citar web|url= http://www.sescsp.org.br/sesc/revistas_sesc/pb/artigo.cfm?Edicao_Id=31&breadcrumb=1&Artigo_ID=333&IDCategoria=600&reftype=1|título= Ainda fora dos trilhos|publicado= SESC-SP|arquivourl= https://archive.is/q0VI#selection-574.0-574.1|arquivodata= 9/9/2012|urlmorta= sim}}</ref>
 
O último Trem de Prata partiu na noite de 29 de novembro de 1998 da antiga estação Barra Funda (da EFSJ), chegando à estação Barão de Mauá (Leopoldina) na manhã de 30 de novembro. <ref>[http://www.estacoesferroviarias.com.br/cronologia/tremdeprata_1998_foto.htm]</ref><ref>[https://web.archive.org/web/20120726214533/http://veja.abril.com.br/181198/p_141.html Trem fantasma]</ref>