Braille: diferenças entre revisões

11 bytes adicionados ,  15h10min de 3 de janeiro de 2021
m
sem resumo de edição
m
[[File:DSC 4050-MR-Braille.jpg|thumb|upright|Código braille esculpido em madeira onde a palavra ⠏⠗⠑⠍⠊⠑⠗ (''premier'', francês para "primeiro") pode ser lida.]]
'''Braile''' ou '''braille'''<ref>{{citar web|URL=http://www.aulete.com.br/braile|título=Braile, braille|autor=|data=|publicado=[[Dicionário Aulete]]|acessodata=12/11/2019}}</ref> é um sistema de escrita tátil utilizado por pessoas cegas ou com baixa visão. É tradicionalmente escrito em papel relevo. Os usuários do sistema Braille podem ler em telas de computadores e em outros suportes eletrônicos graças a um mostrador em&nbsp;braile atualizáveis. Eles podem escrever em braile com reglete e punção,<ref>Reglete positiva e negativa www.tece.com.br/painel/uploads/Manual%20de%20uso%20de%20produtos_regletes%20communicare%20alpha%20e%20alfabeto.pdf</ref> máquina de escrever em braille,<ref>Máquina{{Citar de escrever braille inventada por Frank Haven Hall (1892)web |url=https://www.antiquetypewriters.com/typewriter/hall-braille-writer-1/ |titulo=Hall Braille-writer 1 |acessodata=2021-01-03 |website=Antique Typewriters |lingua=en-US}}</ref> ''notetaker'' em braille ou computadores que imprimem braile em relevo.
[[Ficheiro:Exposição da CF-88 em Braile.JPG|miniaturadaimagem|[[Constituição do Brasil]] em Braille, numa edição especial feita pelo [[Senado Federal do Brasil]].]]
O Braille recebeu este nome devido ao seu criador [[Louis Braille]], que perdeu a visão em um acidente na infância. Em 1824, Braille desenvolveu aos 15 anos um código para o alfabeto francês em uma melhoria para a escrita noturna. Em 1829, ele publicou o sistema, que incluía a [[Musicografia Braille|notação musical]].<ref>Louis Braille, 1829, ''Method of Writing Words, Music, and Plain Songs by Means of Dots, for Use by the Blind and Arranged for Them''</ref><ref>{{citar periódico|título=How Braille began|url=http://www.brailler.com/braillehx.htm|periódico=http://www.brailler.com}}</ref> Em 1837, ele publicou uma segunda revisão, que foi a primeira forma binária de escrita desenvolvida na era moderna. Os caracteres Braille eram pequenos blocos retangulares chamados de células, que contêm minúsculas protuberâncias palpáveis chamadas de pontos levantados. O número e a disposição destes pontos distinguem os caracteres uns dos outros. Já que os vários alfabetos Braille originados como códigos de transcrição de sistemas de escrita impressa, os mapeamentos (conjuntos de designações de caracteres) variam de língua para língua.
Uma célula Braille completa inclui seis pontos levantados dispostos em duas linhas laterais, cada uma com três pontos.<ref name="Raised Dots2">{{citar web|url=http://www.afb.org/info/living-with-vision-loss/braille/what-is-braille/123|título=The dot positions are identified by numbers from one through six|último =|primeiro =|data=|website=AFB.org|acessodata=19 de junho de 2016}}</ref> As posições dos pontos são identificadas por números de um a seis.<ref name="Raised Dots2" /> São 63 soluções possíveis para usar um ou mais pontos. Uma única célula pode ser usada para representar uma letra do alfabeto, um número, um sinal de pontuação ou mesmo uma palavra inteira.<ref name="Raised Dots2" />
 
Em face do software do leitor de tela, o uso do Braille tem diminuidodiminuído. Entretanto, por ensinar ortografia e pontuação, a educação em Braille continua a ser importante para o desenvolvimento de habilidades de leitura entre crianças cegas ou com baixa visão (a alfabetização em Braille está relacionada com maior taxa de emprego).<ref>[{{Citar web |url=https://www.nfb.org/Imagessites/www.nfb.org/files/images/nfb/Publicationspublications/bm/bm98/bm980204.htm RYLES, Ruby. ''|titulo=The Impact of Braille Reading Skills on|acessodata=2021-01-03 Employment, Income, Education, and Reading Habits'']|website=www.nfb.org}}</ref>.
 
== História ==
Algumas contrações e abreviaturas às vezes tornam o braille difícil de aprender. Isto acontece especialmente no caso de pessoas que ficam cegas numa idade mais avançada, visto que a única forma de aprender braile é memorizar todos os sinais. Por esse motivo, há vários "graus" de braille.
 
O braille por extenso, ou '''grau um''', só utiliza os sinais que representam o alfabeto e a pontuação, os números e alguns poucos sinais especiais de composição que são especifíosespecíficos do sistema. Corresponde letra por letra, à impressão visual que é observável num texto comum. Este grau é o mais fácil de se aprender, visto que há menos sinais para memorizar. Por outro lado, o braille grau um é o mais lento para ser transcrito e lido, e o produto final, impresso, é mais volumoso. Visto que a maioria do braille produzido hoje é transcrito e produzido por voluntários, em organizações não lucrativas, o grau um é usado raramente.
 
O braille '''grau dois''' é uma forma mais abreviada do braille. Por exemplo, em inglês, cada um dos 26 sinais que representam o alfabeto têm um significado duplo. Se o sinal é usado em combinação com outros padrões dentro de uma palavra, representa apenas uma letra, mas se estiver isolado representa uma palavra comum. Isto ocorre similarmente no braille português. Assim, por exemplo, o sinal para ''n'' isolado representa não, ''abx'' representa abaixo, ''abt'', absoluto, ''ag'', alguém, e assim por diante. Outros sinais são empregues para representar prefixos e sufixos comuns. O uso de contracções e abreviaturas reduz bastante o tempo envolvido em transcrever e ler a matéria, bem como o tamanho do volume acabado. Actualmente, portanto, este é o grau mais comum do braille. Em contrapartida, é mais difícil aprender o braille abreviado grau dois. É necessário memorizar todos os 63 sinais diferentes (a maioria dos quais tem mais de um significado, dependendo de como são usados), mas também é preciso aprender o conjunto de regras necessárias que governam quando cada sinal pode ou não ser usado.
=== Transcodificação entre ASCII e Unicode ===
 
Em computador, pode-se representar os 64 símbolos do código braille de 6 pontos em arquivos de texto não formatado, usando-se 64 caracteres do conjunto [[ASCII]]. Na tela, um texto assim codificado será visto como uma mistura de letras, números e outros sinais, a não ser que se use uma fonte de caracteres especial (como SimBraille).<ref>[http://www.duxburysystems.com/documentation/dbt11.2/the_menus/MENU_VIEW/View_SimBraille_Font.htm View: SimBraille Font] — Visualização de texto braille em fontes diferentes (SimBraille, no caso). Ver também [http://www.duxburysystems.com/documentation/dbt11.2/the_menus/MENU_VIEW/View_Print_Font.htm View: Print Font].</ref> A codificação em ASCII é compatível com a maioria das impressoras braille.<ref>[{{Citar web |url=http://www.dotlessbraille.org/displays.htm Representing|titulo=REPRESENTING andAND DisplayingDISPLAYING Braille]BRAILLE |acessodata=2021-01-03 |website=www.dotlessbraille.org}}</ref>
 
Outra forma de codificação é através do padrão [[Unicode]], que reserva 256 ''code points'' para os símbolos braille (de 6 e 8 pontos).<ref>[http://www.unicode.org/charts/PDF/U2800.pdf Unicode Braille Patterns (Range: 2800—28FF)]</ref>
 
== Mídia Braille ==
A impressão em Braille não é utilizada somente em livros e folhetos. Ultimamente ela vem sendo utilizada em cdsCDs, dvdsDVDs e blueBlue rayRay como uma nova forma de leitura. São fabricados com impressões em braile no rótulo da mídia para que haja facilidade na identificação do conteúdo.<ref>{{citar web|URL = http://www.cdagora.com.br/midia_braille.html|título = Mídia Braille|data = |acessadoem = 18/11/2014|autor = CD Agora|publicado = Sayuri Matsuo}}</ref>
 
== Dia Mundial do Braille ==