Diferenças entre edições de "Língua dinamarquesa"

sem resumo de edição
m (Foram revertidas as edições de 2804:14D:5CB1:8E0A:6C8F:3B12:4164:574 para a última versão de 2001:8A0:EFBB:7D01:444C:60B:8529:2169, de 15h02min de 19 de junho de 2019: removendo testes)
O '''dinamarquês''' (''dansk)'' é uma [[Línguas germânicas do norte|língua germânica do norte]] falada por cerca de seis milhões de pessoas, principalmente na [[Dinamarca]] e na região de [[Schleswig-Holstein]], no norte da [[Alemanha]], onde tem status de língua minoritária. Além disso, pequenas comunidades de língua dinamarquesa são encontradas na [[Noruega]], [[Suécia]], [[Espanha]], [[Estados Unidos]], [[Canadá]], [[Brasil]] e [[Argentina]]. Devido à migração e mudança de idioma em áreas urbanas, cerca de 15 a 20% da população da [[Gronelândia]] fala o dinamarquês como sua primeira língua.
 
Juntamente com as outras línguas germânicas setentrionais, o dinamarquês é um descendente do [[nórdico antigo]], a língua comum dos povos germânicos que viviam na Escandinávia durante a Era Viking. O dinamarquês, juntamente com o [[Língua sueca|sueco]], deriva do grupo de dialetos nórdicos orientais, enquanto o idioma norueguês médio, antes da influência do dinamarquês e do [[Língua norueguesa|norueguês Bokmål]], sãoé classificados como nórdicosnórdico ocidentaisocidental, juntamente com o [[Língua feroesa|feroês]] e o [[Língua islandesa|islandês]]. Uma classificação mais recente baseada na inteligibilidade mútua separa os dinamarqueses, noruegueses e suecos modernos como "escandinavos do continente", enquanto os islandeses e faroenses são classificados como "escandinavos insulares".
 
Até o século 16, o dinamarquês era um continuum de dialetos falados de Schleswig a [[Scania]] sem variedade padrão ou convenções de ortografia. Com a [[Reforma Protestante]] e a introdução da impressão, foi desenvolvida uma linguagem padrão baseada no dialeto educado de [[Copenhague]], que se espalhou através do uso no sistema de ensino e administração, embora o alemão e o latim continuassem a ser as línguas escritas mais importantes até o século XVII. Após a perda de território para a Alemanha e a Suécia, um movimento nacionalista adotou a linguagem como um símbolo da identidade dinamarquesa, e a língua experimentou um forte aumento no uso e popularidade, com grandes obras da literatura produzidas nos séculos XVIII e XIX. Hoje, os dialetos dinamarqueses tradicionais praticamente desapareceram, embora existam variantes regionais da linguagem padrão. As principais diferenças na linguagem são entre gerações, sendo a linguagem dos jovens particularmente inovadora.