Diferenças entre edições de "Eduardo Rodrigues da Costa"

m
Adicionamento de predefinição de biografia; adicionamento de fontes paroquiais; correção de erros ortográficos; correção de hiperligações.
(Pequena informação (fonte própria))
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
m (Adicionamento de predefinição de biografia; adicionamento de fontes paroquiais; correção de erros ortográficos; correção de hiperligações.)
{{Mais notas|data=agosto de 2017}}
{{Info/Biografia
[[Ficheiro:Eduardo R. Costa.jpg|esquerda|miniaturadaimagem|Eduardo Rodrigues da Costa.]]
|nome_completo = Eduardo Rodrigues da Costa
'''Eduardo Rodrigues da Costa''' ([[Lisboa]], [[Santa Catarina (Lisboa)|Santa Catarina]], [[2 de junho|2 de Junho]] de [[1860]]<ref>{{Citar web|url=http://digitarq.arquivos.pt/viewer?id=4816542|titulo=PT-ADLSB-PRQ-PLSB28-001-B26_m1027.TIF - Livro de registo de baptismos - Arquivo Nacional da Torre do Tombo - DigitArq|acessodata=2017-08-05|obra=digitarq.arquivos.pt|lingua=pt}}</ref> - [[Lisboa]], São Julião, [[7 de julho|7 de Julho]] de [[1912]]) foi um industrial e proprietário [[Republicanismo|republicano]] da sociedade aristocrata lisboeta de finais do [[século XIX]] e início do [[século XX]].
|imagem = Eduardo R. Costa.jpg
|nascimento_data = {{dni|lang=pt|2|6|1860|si}}
|nascimento_local = [[Santa Catarina (Lisboa)|Santa Catarina]], [[Lisboa]], {{PRT1830}} [[Portugal]]
|morte_data = {{nowrap|{{morte|lang=pt|7|7|1912|2|6|1860}}}}
|morte_local = São Julião (freguesia extinta), [[Lisboa]], {{PORb}} [[Portugal]]
|nacionalidade = {{PORb}} [[Portugal]]
|ocupação = [[Industrial]], [[proprietário]] e comandante dos [[Bombeiros]] Voluntários de [[Colares]]
|cônjuge = Matilde Emília de Sales (1861-1927)
|nome_pai = [[José Inácio da Costa]] (1836-1896)
|nome_mãe = Ana Paula da Conceição Costa (1837-1908)
}}
 
'''Eduardo Rodrigues da Costa''' ([[Lisboa]], [[Santa Catarina (Lisboa)|Santa Catarina]], [[Lisboa]], [[2 de junho|2 de Junho]] de [[1860]]<ref>{{Citar web|url=http://digitarq.arquivos.pt/viewer?id=4816542|titulo=PT-ADLSB-PRQ-PLSB28-001-B26_m1027.TIF - Livro de registo de baptismos - Arquivo Nacional da Torre do Tombo - DigitArq|acessodata=2017-08-05|obra=digitarq.arquivos.pt|lingua=pt}}</ref> - São Julião, [[Lisboa]], São Julião, [[7 de julho|7 de Julho]] de [[1912]]) foi um industrial e proprietário [[Republicanismo|republicano]] da sociedade [[Aristocracia|aristocrata]] lisboeta de finais do [[século XIX]] e início do [[século XX]].
 
== Biografia ==
 
[[Ficheiro:Companhia Nacional de Conservas (1888).jpg|miniaturadaimagem|''Título de uma obrigação'', da Companhia Nacional de Conservas, figurando como proprietário Eduardo Rodrigues da Costa (1888).]]
Eduardo Rodrigues da Costa era filho de [[José Inácio da Costa]] (1836-1896), [[Filantropia|filantropo]], benfeitor, [[industrial]] e [[proprietário]]&nbsp;[[republicano]]&nbsp;da sociedade [[Lisboa|lisboeta]] e [[Sintra|sintrense]] do&nbsp;[[século XIX]], natural de&nbsp;[[Colares]], vila onde nasceu e faleceu e que muito estimava, tendo sido um dos seus maiores beneméritos, possuidor de uma grande fortuna, vários imóveis e indústrias, e de sua mulher, Ana Paula da Conceição Costa (1837-1908).<ref>{{Citar web|url=http://riodasmacas.blogspot.pt/2007/11/vila-costa-em-colares.html|titulo=ViIla Costa em Colares|acessodata=2017-08-05|obra=riodasmacas.blogspot.pt}}</ref> Cresceu entre [[Lisboa]] e [[Colares (Sintra)|Colares]], na ''Villa Costa'', juntamente com seu irmão mais novo, José Inácio Paulo da Costa (1862-1912).
 
Eduardo foi um grande benemérito da Vilavila de [[Colares (Sintra)|Colares]], sócio da Real Associação de [[Bombeiro|Bombeiros]] Voluntários da [[Ajuda (Lisboa)|Ajuda]] e membro deste corpo (da qual era Comandante o Infante&nbsp;D. [[Afonso de Bragança, Duque do Porto|Dom Afonso de Bragança, Duque do Porto]], seu amigo pessoal, conhecido por seus amigos como ''O Arreda'', devido à paixão pelos veículos motorizados e pela velocidade com que conduzia pelas ruas de Lisboa), a quemEduardo ficou incumbida a chefia da nova esquadra de Colares, sendo nomeado Comandante da Associação dos Bombeiros Voluntários de Colares, iniciando-se assim uma caminhada de distintos serviços à comunidade desta vila, terra natal de seu pai, pelos quais foi condecorado.<ref>{{Citar web|url=http://www.aminhasintra.net/sintraclopedia/bombeiros-voluntarios-de-colares1|titulo=Bombeiros Voluntários de Colares|acessodata=2017-08-05|obra=www.aminhasintra.net|ultimo=Cardoso|primeiro=Luís|lingua=pt-pt}}</ref> A Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Colares remonta ao dia [[9 de Marçomarço]] de [[1890]], sendo, por essa razão, a mais antiga corporação de bombeiros do concelho de Sintra. Foi também proprietário da Companhia Nacional de Conservas, entre outras [[Indústria conserveira|indústrias conserveiras]], passada para seu nome por seu pai, ainda em vida.
 
Em 1896, herdou metade do [[espólio]] e da fortuna de seu pai, aquando do seu falecimento, juntamente com seu irmão, que herdou a outra metade. A gerência do património não foi bem sucedida por parte de ambos e a família acabou por contrair inúmeras dívidas, hipotecas e penhoras e acabaram por perder maior parte dos imóveis e indústrias. Eduardo tinha, segundo conta a família, uma personalidade de ''bon-vivant'', espirituoso e boémio, não tendo propensão para gerir o grande legado de seu pai, assim como o irmão, deixando poucos vestígios aos descendentes dodos enormenumerosos espóliobens que herdara.
 
Em consequência destes eventos, a [[24 de fevereiro|24 de Fevereiro]] de [[1912]], o seu irmão põe termo à vida, em [[Colares]], de onde se atirou de uma janela. Eduardo pouco mais durou que o irmão, tendo falecido a [[7 de julho|7 de Julho]] do mesmo ano, em Lisboa, na actualatual [[Rua da Prata]], número 40, 2.º andar, de uma [[síncope cardíaca]], com apenas 52 anos. Foi sepultado no jazigo da família, no [[Cemitério dos Prazeres]], junto dos pais e do irmão.
 
== Família e Descendência ==
Casou a [[4 de maio|4 de Maio]] de [[1881]], aos 20 anos, na Igreja Paroquial de [[Santos-o-Velho]], em [[Lisboa]], com Matilde Emília de Sales ([[Sacramento (Lisboa)|Sacramento]], [[7Lisboa]] de agosto|[[7 de Agostoagosto]] de [[1861]] - [[São Sebastião da Pedreira|São]], Sebastião da Pedreira ([[Lisboa)]], [[2 de fevereiro|2 de Fevereiro]] de [[1927]]), filha do major do Exército Ricardo António de Sales (1820-1892) e de Maria Constância da Silva Sales (1819-1897), de [[Lisboa]].<ref>{{Citar web |url=https://digitarq.arquivos.pt/viewer?id=4818613 |titulo=PT-ADLSB-PRQ-PLSB37-002-C30_m0296.TIF - Livro de registo de casamentos - Arquivo Nacional da Torre do Tombo - DigitArq |acessodata=2021-01-16 |website=digitarq.arquivos.pt}}</ref>
 
Deste matrimónio nasceram:
* Ema Georgina Sales Costa ([[Santos-o-Velho|Santos-o-Velho]], ([[Lisboa)]], 15 de Janeirojaneiro de 1882 - [[São Sebastião da Pedreira|São]], Sebastião da Pedreira ([[Lisboa)]], 25 de Dezembrodezembro de 1952), que casou com [[António Damas Mora]] (1879-1949), médico e administrador colonial, com geração;<ref>{{Citar web |url=https://digitarq.arquivos.pt/viewer?id=5931509 |titulo=PT-ADLSB-PRQ-PLSB50-002-C31_m0001.tif - Livro de registo de casamentos - Arquivo Nacional da Torre do Tombo - DigitArq |acessodata=2021-01-16 |website=digitarq.arquivos.pt}}</ref>
* Raul Leão Sales Costa ([[Santos-o-Velho|Santos-o-Velho]], ([[Lisboa)]], 12 de Fevereirofevereiro de 1883 - [[Brasil]], ?), que casou com Maria Vitória Vilaça de Sousa (1887-?), neta de [[Teodolinda Amália da Veiga|Teodolinda Amélia Leça da Veiga Vilaça]], escritora, sem geração (divórcio);<ref>{{Citar web |url=https://digitarq.arquivos.pt/viewer?id=5931508 |titulo=PT-ADLSB-PRQ-PLSB50-002-C30_m0001.tif - Livro de registo de casamentos - Arquivo Nacional da Torre do Tombo - DigitArq |acessodata=2021-01-16 |website=digitarq.arquivos.pt}}</ref>
*Eduardo Rodrigues da Costa Júnior ([[Santos-o-Velho|Santos-o-Velho]], ([[Lisboa)]], 26 de Junhojunho de 1884 - [[Benfica (Lisboa)|Benfica]], [[Lisboa]], 5 de Novembronovembro de 1963), [[Funcionário Público|funcionário público]], que casou com Ema Santos (1885-1981), com geração;
* Américo Sales Costa ([[Colares (Sintra)|Colares]], [[Sintra]], 16 de Agostoagosto de 1887 - [[Uíge]], [[Angola]], 1962), chefe de posto em Angola, que casou com Maria Carolina Barreto Borges (1890-1948), com geração (divórcio); casou segundaem vezsegundas núpcias, em [[Angola]], com Cândida Pires Sousa Cunha (1905-1998), com geração;<ref>{{Citar web |url=https://digitarq.arquivos.pt/viewer?id=5931514 |titulo=PT-ADLSB-PRQ-PLSB50-002-C34_m0001.tif - Livro de registo de casamentos - Arquivo Nacional da Torre do Tombo - DigitArq |acessodata=2021-01-16 |website=digitarq.arquivos.pt}}</ref>
* Rodolfo Sales Costa ([[Santos-o-Velho|Santos-o-Velho]], ([[Lisboa)]], 13 de Novembronovembro de 1890 - [[Pena (Lisboa)|Pena]], [[Lisboa]], 30 de Marçomarço de 1892).
 
== Referências ==
796

edições