Rio Jelum: diferenças entre revisões

11 bytes adicionados ,  22 de janeiro de 2021
Hiperligação de islâmica
(Hiperligação de Alexandre o grande)
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
(Hiperligação de islâmica)
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
== Desenvolvimento ==
 
A situação apresentada pelo Paquistão se tornou uma crise política muito complicada, pois o Paquistão, país que faz fronteira com a Índia, depende consideravelmente do sistema hídrico do rio Jhelum. A Índia tem uma posição estrategicamente vantajosa com relação ao controle do fluxo de água. O conflito na Caxemira se desenrola devido a população de origem [[Islão|islâmica]] almejar uma união com o Paquistão, à revelia do governo da Índia. O Paquistão apresenta um dilema para o mundo, pois depende consideravelmente do rio Jhelum, que ao contrário da Índia, todo o país depende totalmente do sistema hidrico do rio Jhelum. Ao longo dos anos, o rio foi uma questão diretamente ligada a Caxemira, lideres políticos, e a elite militar do Paquistão, enfatizaram que se forem forçados a abrir mão de sua reivindicação em caxemira significaria abrir mão da fontes de Jhelum e Chenab ficarão a mercê da Índia para obter água, resultando na queda do PIB em 2%.
 
O governo paquistanês desenvolveu uma agenda de reforma para o setor de energia, que inclui o aproveitamento de seus ricos recursos hídricos para geração de energia renovável. E uma parte significativa desses recursos está localizada na bacia de Jhelum-pooch. A IFC (International Finance Corporation) e os acionistas trabalharam para manter o equilíbrio entre a necessidade de fornecer eletricidade a milhões de pessoas e proteger os ecossistemas locais, incluindo estruturas sociais.
8

edições