Diferenças entre edições de "Usuário Discussão:Raimundo57br/discussão11"

=== Jan Honoré Talpe ===
 
ChegouNascido na Bélgica, chegou ao Brasil em janeiro de 1965. Na época, era padre e doutor em física pela Universidade Católica de Lovaina.
 
Em meados de 1965, conseguiu uma bolsa da [[Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo]] (FAPESP), na área de ressonância paramagnética, o que possibilitou ser contrato, em 1966, como professor física da Escola Politécnica da [[Universidade de São Paulo]] (USP).
Em 1968, após o CRUSP ser cercado pela Polícia Militar, passou a morar em uma casa próxima à USP e depois em um bairro operário, em [[Osasco]], juntamente com o Padre Antônio Soligo.
 
NoEm início19 de fevereiro de 1969, foi preso devido ao seu apoio aos movimento operário em Osasco e encaminhado ao [[Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo]] (DOPS-SP) em 28 de fevereiro de 1969, onde foi torturado com choques elétricos.
 
Depois de seis meses na prisão, perdeu seu emprego de professor na USP e foi expulso do país, em 8 de agosto de 1969.
* participou da organização do movimento de boicote ao "Brasilian Export" de 1973 e de atos pela redemocratização, como o que ocorreu em [[Paris]] no dia 15 de janeiro de 1970.
 
No dia 5 de abril de 2014, com 81 anos de idade, apesar da vigência da [[Lei da Anistia]], de 1979, e de já ter visitado o Brasil em 2005, sem qualquer embaraço, foi impedido de entrar no Brasil pela [[Polícia Federal]] do [[Aeroporto Internacional de Guarulhos]].
 
A alegação para esse impedimento foi a sua expulsão em 1969, fundamentada pelo Decreto-Lei nº 417/1969.
 
Nesse contexto, foi impetrado um [[Habeas Corpus]], com pedido de decisão liminar à Justiça Federal de Guarulhos, que foi deferida. Desse modo, Jean Talpe conseguiu ingressar no Brasil para participar do 7º Congresso Nacional dos Pequenos Agricultores de Cana-de-Açúcar (Conapa) e do 10º Simpósio dos Pequenos Agricultores de Arroz, a convite do [[Instituto Latino-americano de Estudos Socioeconômicos]] (Ilaese). Tendo sido convidado para, nesses eventos, falar sobre a Ditadura Militar.
 
Desse modo, Jean Talpe conseguiu ingressar no Brasil.
 
Meses depois, a sentença confirmou a decisão proferida liminarmente, entretanto, a [[Advocacia Geral da União]], apresentou recurso contra a decisão, afirmando que o Decreto-Lei nº 417/1969 foi reproduzido pela Lei nº 6815/80, acolhida pela [[Constituição Federal de 1988]].
A solução definitiva para que possa entrar no Brasil, sem passar por novos constrangimentos, depende do deferimento de seu pedido de anistia política pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça brasileiro.
 
No dia 08 de fevereiro de 2018, o então Ministro da Justiça, [[Torquato Jardim]], cassou a anistia política concedida à Jean Talpe<ref>[https://www.pstu.org.br/ativista-belga-expulso-pela-ditadura-consegue-vitoria-judicial/ Ativista belga expulso pela ditadura consegue vitória judicial], acesso em 01/03/2021.</ref> <ref>[https://www.pstu.org.br/ministro-da-justica-afirma-que-quem-lutou-contra-ditadura-deve-ser-punido/ Ministro da Justiça afirma que quem lutou contra a ditadura deve ser punido], acesso em 01/03/2021.</ref> <ref>[https://www.adusp.org.br/index.php/ditadura-militar/1938-policia-federal-tenta-deportar-belga-jan-talpe-de-81-anos-ex-professor-da-poli-torturado-e-banido-em-1969 Polícia Federal tenta deportar belga Jan Talpe, de 81 anos, ex-professor da Poli torturado e banido em 1969], acesso em 01/03/2021.</ref>
 
=== A fazer ===