Diferenças entre edições de "Paraty"

m
Fixed typo
(→‎Paraty: Corrigiu gramática)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição via aplic. móvel Edição via aplic. Android
m (Fixed typo)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição via aplic. móvel Edição via aplic. iOS
Essas regiões terem se tornado Patrimônio Mundial requerem cuidados para a sua preservação o que também contribui para que o acesso equitativo seja produzido, assim como ocorram mais ações de políticas públicas envolvendo a garantia de água e saneamento de forma segura a todos da localidade.
 
== Comunidades Tradicionaistradicionais ==
 
=== Caiçaras<ref>{{citar web |ultimo= |primeiro= |url=https://reporterbrasil.org.br/comunidadestradicionais/caicaras-de-paraty/ |titulo= |data= |acessodata= |publicado=}}</ref> ===
Caiçara e um povo que vive no litoral do RJ e de SP que tem uma miscigenação de indígenas, brancos e negros, a cultura deste povo veio com o encontro dos indígenas que já habitavam o local com os novos colonizadores e a população africana trazida para o continente Americano, e vivem basicamente da pesca e alguns cultivos como mandioca e milho; os caiçaras tem um respeito pela natureza, a protegem de forma que só utilizam o que e necessário para o grupo. A canoa caiçara é construída de um modo diferente que só o grupo faz, é esculpida em um tronco de árvore feita por mestres caiçaras, existem pelo menos 40 comunidades caiçaras em Paraty. Suas principais atividades são a pesca, coleta de alimentos na mata, roçado e turismo
 
  Este povo tem uma luta pelo direito de permanecer nos territórios tradicionais. Essa luta começou em 1955, quando inaugurou a estrada Cunha-Paraty (RJ), antigo caminho indígena, assim inaugurando também a conexão dos caiçaras com o resto do Brasil, trazendo os primeiros turistas e também os interessados em adquirir aquelas terras. Em 1974 com a inauguração da estrada Rio-Santos foi selada uma luta dos caiçaras para permanecerem no lugar onde viveram seus antepassados, contra a especulação imobiliária e negociando o manejo junto aos órgãos ambientais para permanecerem nas áreas de preservação ambiental.
 
  Após a expulsão de algumas das comunidades caiçaras de seus territórios tradicionais seus habitantes foram morar nas favelas de Paraty, e começaram a trabalhar como caseiros e domésticas.
 
=== Indígenas<ref>{{citar web |ultimo=OTTS |primeiro= |url=http://www.paraty.com.br/guarani/assentamento.asp {{!}} https://teses.icict.fiocruz.br/pdf/cardosoamm.pdf |titulo= |data= |acessodata= |publicado=}}</ref> ===
 
=== Quilombolas<ref>{{citar web |ultimo= |primeiro= |url=https://www.paratytours.com.br/pt-BR/passeios/cultural/roteiro-quilombol |titulo= |data= |acessodata= |publicado=}}</ref> ===
Os quilombolas são territórios étnicos-raciais com ocupação baseada na ancestralidade, no parentesco, e em tradições culturais próprias.   
 
Uma das comunidades é a nomeada Quilombo do Cabral, localizado no município de Paraty, a cerca de 10km do centro histórico, no segundo distrito de Paraty-Mirim. Está rodeado por outras comunidades tradicionais de caiçaras, aldeias indígenas Guarani, e o Quilombo do Campinho que surgiu no final do século XIX com a falência do regime escravocrata, e que nos dias de hoje ainda praticam o cultivo e o artesanato, e está aberto para visitas guiadas com o intuito de conhecermos a história dos descendentes africanos, sua luta e resistência, sua cultura, arte e gastronomia.