Jacques Boucher de Crèvecœur de Perthes: diferenças entre revisões

m
ajustes usando script
m (inseri imagem.)
m (ajustes usando script)
 
[[Ficheiro:Boucher de Perthes 2.jpg|miniaturadaimagem|Boucher de Perthes em 1833]]
'''Jacques Boucher de Crèvecœur de Perthes''' ({{AFI-fr|ʒak buʃe d(ə) kʁɛvkœʁ də pɛʁt}}; 10 de setembro de 1788 - 5 de agosto de 1868), às vezes referido como '''Boucher de Perthes''', era um arqueólogo e antiquário francês notável pela sua descoberta, em 1830, de [[Ferramenta de pedra|ferramentas de pedra]] nos [[Cascalho|cascalhoscascalho]]s do vale do [[Rio Somme|Somme]].
 
== Vida ==
 
== Arqueologia ==
Seu tempo de lazer era principalmente dedicado ao estudo do que mais tarde foi chamado de [[Idade da Pedra]] e do homem antediluviano, como ele o expressou. Por volta do ano de 1830, ele havia encontrado, nos cascalhos do vale do Somme, pederneiras que, em sua opinião, apresentavam evidências de obra humana; mas só muitos anos depois ele tornou pública a importante descoberta de um instrumento de sílex trabalhado com restos de [[elefante]] e [[rinoceronte]] nos cascalhos de [[Menchecourt]].
 
Em 1847, ele iniciou a edição de sua monumental obra em três volumes, ''Antiquités celtiques et antédiluviennes'', uma obra na qual foi o primeiro a estabelecer a existência do homem no [[Pleistoceno]] ou no início do período [[Quaternário|quaternário.]]. Suas opiniões receberam pouca aprovação, em parte porque ele já havia proposto teorias sobre a antiguidade do homem sem fatos para apoiá-las, em parte porque as figuras em seu livro foram mal executadas e incluíam desenhos de pederneira que não mostravam nenhum sinal claro de modificação intencional.
 
Em 1855, o Dr. Marcel Jérôme Rigollot de [[Amiens]] defendeu fortemente a autenticidade dos instrumentos de pederneira; mas foi só em 1858 que [[Hugh Falconer]] viu a coleção em Abbeville e induziu Sir [[Joseph Prestwich]] no ano seguinte a visitar a localidade. Prestwich então concordou definitivamente que os instrumentos de pedra eram obra do homem e que ocorriam em solo não perturbado em associação com restos de mamíferos extintos.
Em seu romance ''Viagem ao Centro da Terra'' (1864), Júlio Verne faz referência a Boucher de Perthes após o Professor Lindenbrock, Axel e Hans descobrirem cabeças humanas "antediluvianas" em uma praia próxima ao centro da Terra.
 
{{referências}}
== Referências ==
 
* Antiquités celtiques et antédiluviennes: Mémoire sur l'industrie (Vol 3) 1864 [https://books.google.com/books?id=Z68QAAAAIAAJ&printsec=frontcover&dq=Antiquites+Celtiques+Et+Antediluviennes#v=onepage&q=&f=false Livros do Google]
* [http://abob.libs.uga.edu/bobk/whiteg02.html]
* [http://www.human-nature.com/reason/white/chap7.html]
* Belén Márquez Mora, "Jacques Boucher de Perthes", na ''Enciclopédia de Antropologia'' ed. H. James Birx (2006, Publicações SAGE;{{ISBN|0-7619-3029-9}} ) ;
{{EB1911|wstitle=Boucher de Crèvecœur de Perthes, Jacques}}</img>
 
[[Categoria:Arqueólogos da França]]
[[Categoria:Mortos em 1868]]