Ilha de Villegagnon: diferenças entre revisões

m
uma palavra
m (uma palavra)
Denominada como ''ilha de Serigipe'' pelos indígenas, e como ''Ilha das Palmeiras'' pelos conquistadores portugueses, a sua atual denominação é uma homenagem ao primeiro colonizador, o almirante [[França|francês]] [[Nicolas Durand de Villegagnon]], que a invadiu em [[1555]], nela erguendo o [[Forte Coligny]], quando da tentativa de estabelecimento da [[França Antártica]].
 
Durante estaa ocupaçãoinvasão, colonos [[reforma protestante|protestantes]] [[calvinismo|calvinistas]] realizaram na ilha o primeiro culto e celebração, nas Américas, da [[Santa Ceia]], conforme as doutrinas reformadas. Pouco tempo depois estes missionários foram questionados por Villegagnon, que os obrigou a declararem os termos de sua fé e, em seguida, foram martirizados. Esta declaração de fé ficou conhecida como a [[confissão da Guanabara]]. Em [[24 de março]] de [[2007]], foi inaugurado um marco na ilha em memória destes acontecimentos.
 
Em [[15 de março]] de [[1560]], com a chegada de [[Amador de Medeiros]] com reforços oriundos da [[Capitania de São Vicente]],<ref>{{citar periódico|ultimo=Castro Coelho|primeiro=H. V.|data=|titulo=Povoadores de S. Paulo: Amador de Medeiros|url=http://www.asbrap.org.br/documentos/revistas/rev16_art6.pdf|jornal=Revista da ASBRAP nº 16|acessodata=}}</ref><ref>{{citar periódico|ultimo=Paes Leme|primeiro=Pedro|data=1871|titulo=Nobiliarquia paulistana. Genealogia das principais famílias de S. Paulo|url=https://books.google.com.br/books?id=1U8DAAAAMAAJ&dq=quem%20foi%20%22Amador%20de%20Medeiros%22&hl=pt-BR&pg=RA2-PA129#v=onepage&q=quem%20foi%20%22Amador%20de%20Medeiros%22&f=false|jornal=Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Volume 34|acessodata=}}</ref> teve lugar o ataque dos [[Portugal|portugueses]] comandados por [[Mem de Sá]], que desembarcou tropas e [[artilharia]] na Ilha. Dois dias mais tarde os franceses abandonaram o forte, procurando refúgio junto aos [[Tamoios]]. A fortaleza foi arrasada e, no dia [[17 de março]] foi celebrada a primeira missa portuguesa na ilha.
7

edições