Diferenças entre edições de "Ideologia"

m
sem resumo de edição
m (Página marcada que carece de mais fontes)
m
 
'''Ideologia''' é um termo que possui diferentes significados e duas concepções: a neutra e a [[crítica]].<ref name="CONSC">{{citar web|url=http://www.consciencia.org/sobre-a-ideologia|título=Sobre a Ideologia|língua3=pt|autor=Pompeo, Flávio Sposto|data=13 de abril de 2008|publicado=consciencia.org|acessodata=9 de janeiro de 2012}}</ref> No [[senso comum]] o termo ideologia é sinônimo ao termo [[:wikt:ideário|ideário]], contendo o sentido neutro de conjunto de ideias, de pensamentos, de [[doutrina]]s ou de visões de mundo de um indivíduo ou de um grupo, orientado para suas ações sociais e, principalmente, [[política]]s. Para autores que utilizam o termo sob uma concepção crítica, ideologia pode ser considerado um instrumento de dominação que age por meio de convencimento ([[persuasão]] ou [[dissuasão]], mas não por meio da força física) de forma prescritiva, [[alienação|alienando]] a consciência humana.
 
Para alguns, como [[Karl Marx]], a ideologia age mascarando a realidade.<ref name="UOLEDU">{{citar web|url=http://educacao.uol.com.br/sociologia/ideologia-termo-tem-varios-significados-em-ciencias-sociais.jhtm|título=Ideologia — Termo tem Vários Significados em Ciências Sociais|língua3=pt|autor=Cancian, Renato|publicado=Uol Educação|acessodata=9 de janeiro de 2012}}</ref> Os pensadores adeptos da [[Teoria Crítica]] da [[Escola de Frankfurt]] consideram a ideologia como uma ideia, discurso ou ação que mascara um objeto, mostrando apenas sua aparência e escondendo suas demais qualidades. Já o sociólogo contemporâneo [[John B. Thompson]] também oferece uma formulação crítica ao termo ideologia, derivada daquela oferecida por Marx, mas que lhe retira o caráter de ilusão (da realidade) ou de [[falsa consciência]], e concentra-se no aspecto das relações de dominação.
 
A ideologia também foi analisada pela corrente [[filosofia|filosófica]] do [[pós-estruturalismo]], a qual é apontada por muitos autores como a superação do [[marxismo]].<ref name="SCRIB">{{citar web|url=http://pt.scribd.com/doc/28140009/A-ideologia-do-genero-nao-e-marxista|título=A ideologia do gênero não é Marxista|autor=Viana, Nildo|língua3=pt|data=10 de março de 2010|publicado=Scribd|acessodata=9 de janeiro de 2012}}</ref>
 
== Concepção crítica ==
O uso crítico do termo ideologia pressupõe uma diferenciação implícita entre o que vem a ser um "conjunto qualquer de ideias sobre um determinado assunto" (concepção neutra sinônima de ideário), e o que vem a ser o "uso de ferramentas simbólicas voltadas à criação e/ou à manutenção de relações de dominação" (concepção crítica). A partir deste ponto-de-partida comum a todos os significados do termo ideologia que aderem à concepção crítica, o que se tem são variações sobre a forma e o objetivo da ideologia. A principal divergência conceitual da concepção crítica de ideologia está na necessidade ou não de que um fenômeno, para que seja ideológico, necessariamente tenha de ser ilusório, mascarador da realidade e produtor de [[falsa consciência]]. A principal convergência conceitual, por outro lado, está no pré-requisito de que para um fenômeno ser ideológico, ele necessariamente deverá colaborar na criação e/ou na manutenção de relações de dominação. Ainda, no que se refere às relações de dominação, há diferentes olhares sobre quais destas relações são alvo de fenômenos ideológicos: se apenas as relações entre classes sociais, ou também relações sociais de outras naturezas. Alguns questionamentos neste sentido possuiriam respostas diferentes a depender do autor crítico:
 
* Para que algo possa ser concebido como ideológico, deve necessariamente haver ilusão, mascaramento da realidade e falsa consciência? Marx responderia que sim. Thompson responderia que estas são características possíveis, mas não necessárias, para a existência de ideologia;