Diferenças entre edições de "Principado do Brasil"

m
sem resumo de edição
(+referências)
m
Tendo sido o Brasil uma [[Colônia (história)|colônia]] do [[Império Português]], careceu de bandeira própria por mais de trezentos anos. Não era costume, na tradição [[Vexilologia|vexilológica]] lusitana, a criação de bandeiras para suas colônias, quando muito de um brasão. Hasteava-se no território a bandeira do reino, ou do representante direto do monarca, como o governador geral ou o vice-rei.
 
A esfera armilar dourada passou a ser utilizada como símbolo de facto, da [[Companhia Geral do Comércio do Brasil]] após sua criação em 1649{{sfn|Varnhagen|1857|p=37}}, passando a ser utilizada sobre uma bandeira branca em suas navegações. Apesar de controverso, alguns autores chamam tal bandeira de "bandeira do Principado do Brasil".{{sfn|COIMBRA|2000|p=246}}{{sfn|CORREIA FILHO|1940|p=741}}{{nota de rodapé|1=Também referenciada como "bandeira da Companhia de Comércio para o Estado do Brasil", "bandeira da esfera (Comércio e Principado do Brasil)", e [[Eduardo Prado]] nomeia-a como "bandeira particular do Brasil".{{sfn|COIMBRA|2000|p=246}}}} Em discussão sobre as bandeiras históricas do Brasil, na sessão ordinária em 20 de junho de 1938, o [[Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro]] chegou ao consenso que, talapesar termodessa nãobandeira éser adequado,utilizada porpara nãonavegação haverao alvaráBrasil, ouela decretonão instituapoderia ser oficialmenteconsiderada taluma bandeira aooficial do Estado do Brasil, sendopor preferívelnão ohaver nomealvará "bandeiraou dedecreto comércioa para o Brasil"institua.{{sfn|CORREIA FILHO|1940|p=745742}}
 
Por volta de 1700, contudo, passou a ser disseminada a cruz da Ordem Cristo sob a esfera armilar como o dístico do Brasil, aparecendo nas moedas cunhadas em [[Salvador (Bahia)|Salvador]].<ref>POLIANO, Luís Marques. ''Heráldica'', pág. 223. Ed. GRD. Rio de Janeiro, 1986.</ref>
 
{{notas}}
{{referências}}
 
==Bibliografia==
*{{citar periódico|sobrenome=CORREIA FILHO|nome=Virgílio|título=Ata da Terceira Sessão Ordinária em 20 de junho de 1938 (Sessão 1646)|periódico=[https://ihgb.org.br/publicacoes/revista-ihgb/item/107866-revista-ihgb-volume-173.html Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro]|volume=173|local=Rio de Janeiro|editora=Imprensa Nacional|ano=1940|páginas=737-746|ref=harv}}
* {{citar livro|sobrenome=Varnhagen|nome=Francisco Adolpho de|titulo=Historia geral do Brazil|volume=Tomo 2|url=https://books.google.com/books?id=Gl0OAAAAQAAJ&pg=PA447|editora=Casa de E. e H. Laemmert|ano=1857|local=Rio de Janeiro|ref=harv}}
 
{{notas}}
{{referências}}
 
== Ver também ==
42 431

edições