Diferenças entre edições de "Sejongue, o Grande"

Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel Edição móvel avançada
Rei Sejongue, impactou profundamente a história coreana com sua introdução de hangul, o alfabeto fonético e sistema nativo para o idioma coreano.<ref>Kim Jeong Su(1990), <<한글의 역사와 미래>>(History and Future of Hangul) ISBN 8930107230</ref>
 
Antes da criação do Hangul, apenas os membros da classe mais elevada eram alfabetizados, utilizando-se o [[hanja]], que era tipicamente usado para escrever coreano usando caracteres chineses adaptados, enquanto Hanmun às vezes era usado para escrever documentos judiciais em chinês clássico. E tinham que aprender os caracteres hanja, que eram bastante complexocomplexos, a fim de ler e escrever coreano. Além disso, apesar das modificações com os caracteres chineses, poderia revelar-se complicado hanja ao transcrever o idioma coreano, devido à gramáticaàs diferenças gramaticais consideráveis e despacho de pronúncia.<ref>''[[Hunmin Jeongeum Haerye]]'', postface of [[Jeong Inji]], p. 27a, translation from [[Gari K. Ledyard]], ''The Korean Language Reform of 1446'', p. 258</ref>
 
Sejongue presidiu a introdução das 28 letras do alfabeto coreano, com o objetivo explícito de que os coreanos de todas as classes pudessem ler e escrever. Ele também tentou estabelecer uma identidade cultural de seu povo através do seu script original. Primeiro publicado em 1446, qualquer um poderia aprender Hangul em questão de dias. Pessoas não familiarizadas com Hangul geralmente podem pronunciar o script coreano exatamente depois de algumas horas de estudo. Ele criou os caracteres Hangul a partir do zero, e cada um com base em um diagrama simplificado dos padrões feitos pela boca, língua e dentes ao emitir os sons relacionados com o caractere. Os blocos de letras são, então, amarrados junto linearmente.
215

edições