Diferenças entre edições de "Angkor"

(+ ampliação)
Etiqueta: Inserção de predefinição obsoleta
 
 
== História ==
[[Ficheiro:Angkor_Thom_Porta_Sud_interior.jpg|esquerda|miniaturadaimagem| Portão para [[Angkor Thom]]]]
[[Ficheiro:Angkor_sunrise.JPG|miniaturadaimagem| Angkor Wat ao amanhecer]]
 
=== Sede do Império Khmer ===
[[Ficheiro:Angkor_Thom_Porta_Sud_interior.jpg|esquerda|miniaturadaimagem| Portão para [[Angkor Thom]]]]
O período angkoriano pode ter começado pouco depois do ano 800, quando o rei khmer [[Jayavarman II]] anunciou a independência de Kambujadesa ([[Camboja]]) de [[Java]] . De acordo com a [[Sdok Kok Thom|inscrição de Sdok Kok Thom]],<ref name="Coedes2">{{Citar livro|título=The Indianized States of Southeast Asia|ultimo=Coedès|primeiro=George|editora=University of Hawaii Press|ano=1968|editor-sobrenome=Walter F. Vella|isbn=978-0-8248-0368-1|autorlink=George Coedès}}</ref>{{Rp|97}}<ref name="Higham1">Higham, C. (2014). ''Early Mainland Southeast Asia''. Bangkok: River Books Co., Ltd., {{ISBN|978-6167339443}}.</ref> {{Rp|353–354}} volta de 781 [[Indrapura (Khmer)|Indrapura]] foi a primeira capital de [[Jayavarman II]], localizada em [[Banteay Prey Nokor|Banteay Prei Nokor]], perto do atual [[Kampong Cham|Kompong Cham]].<ref>Higham 1989, pp. 324 ff.</ref> Depois que ele finalmente voltou para sua casa, o antigo reino de [[Reino Chenla|Chenla]], ele rapidamente construiu sua influência, conquistou uma série de reis concorrentes e, em 790, tornou-se rei de um reino chamado '''Kambuja''' pelos khmers. Ele então mudou sua corte para o noroeste, para [[Mahendraparvata]], nas atuais [[montanhas Kulen]], no interior ao norte do grande lago de [[Tonle Sap]]. Ele também estabeleceu a cidade de [[Hariharalaya]] (agora conhecida como Roluos) na extremidade norte de [[Tonle Sap|Tonlé Sap]]. Por meio de um programa de campanhas militares, alianças, casamentos e concessões de terras, ele conseguiu a unificação do país que faz fronteira com a [[China]] ao norte, [[Reino de Champa|Champa]] (atual Vietnã Central) a leste, o oceano ao sul e um lugar identificado por uma pedra inscrição como "a terra dos [[Cardamomo|cardamomos]] e [[Manga (fruta)|mangas]]" a oeste. Em 802, Jayavarman articulou seu novo status ao se declarar "monarca universal" (''chakravartin'') e, em um movimento a ser imitado por seus sucessores e que o ligou ao culto de [[Xiva|Shiva]], assumindo o epíteto de "deus-rei "(''[[devaraja]]'').<ref>Higham, ''The Civilization of Angkor'', pp. 53 ff.; Chandler, ''A History of Cambodia'', pp. 34 ff.</ref> Antes de Jayavarman, o Camboja consistia em vários principados politicamente independentes conhecidos coletivamente pelos chineses pelos nomes [[Reino de Funan|Funan]] e [[Reino Chenla|Chenla]].<ref>Chandler, ''A History of Cambodia'', p. 26; Coedès, ''Pour mieux comprendre Angkor'', p.4.</ref>
 
Em 889, [[Yasovarman I|Yasovarman]] subiu ao trono.<ref>Higham, ''The Civilization of Angkor'', pp.63 ff.</ref> Um grande rei e um construtor realizado, ele foi celebrado por uma inscrição como "um homem-leão; ele rasgou o inimigo com as garras de sua grandeza; seus dentes eram sua política; seus olhos eram o Veda".<ref>Chandler, ''A History of Cambodia'', p.40.</ref> Perto da antiga capital de [[Hariharalaya]], Yasovarman construiu uma nova cidade, chamada [[Yasodharapura]]..<ref name="Higham">Higham, C., 2001, The Civilization of Angkor, London: Weidenfeld & Nicolson, {{ISBN|9781842125847}}</ref>{{Rp|350}} Seguindo a tradição de seus predecessores, ele também construiu um enorme reservatório chamado [[baray]]. O significado de tais reservatórios foi debatido por estudiosos modernos, alguns dos quais viram neles um meio de irrigar os campos de arroz e outros os consideraram como símbolos religiosamente carregados dos grandes oceanos mitológicos que cercam o [[Meru|Monte Meru]], a morada dos deuses. A montanha, por sua vez, era representada por um templo elevado, no qual o "deus-rei" era representado por um [[lingam]].<ref>Coedès, ''Pour mieux comprendre Angkor'', p.10.</ref> De acordo com esse simbolismo cósmico, Yasovarman construiu seu templo central em uma colina baixa conhecida como [[Phnom Bakheng]], cercando-o com um fosso alimentado pelo baray. Ele também construiu vários outros templos e [[Ashram|ashrams]] hindus, ou retiros para [[Ascetismo (filosofia)|ascetas]].<ref>Higham, ''The Civilization of Angkor'', p.60; Chandler, ''A History of Cambodia'', p.38 f.</ref>
[[Ficheiro:Buddhist_monks_in_front_of_the_Angkor_Wat.jpg|miniaturadaimagem|Budistas com o templo de [[Angkor Wat]]]]
 
Nos 300 anos seguintes, entre 900 e 1200, o [[Império Khmer]] produziu algumas das obras-primas arquitetônicas mais magníficas do mundo na área conhecida como Angkor. A maioria está concentrada em uma área de aproximadamente 24 km de leste a oeste e 8 km de norte a sul, embora o Parque Arqueológico de Angkor, que administra a área, inclua locais tão distantes quanto [[Kbal Spean]], cerca de 48 km ao norte. Cerca de 72 templos principais ou outros edifícios são encontrados nesta área, e os restos de várias centenas de templos locais menores adicionais estão espalhados por toda a paisagem. Por causa da baixa densidade e da natureza dispersa do padrão de assentamento dos khmers medievais, Angkor carece de uma fronteira formal e, portanto, sua extensão é difícil de determinar. No entanto, uma área específica de pelo menos mil quilômetros quadrados além dos grandes templos é definida por um complexo sistema de infraestrutura, incluindo estradas e canais que indicam um alto grau de conectividade e integração funcional com o núcleo urbano. Em termos de extensão espacial (embora não em termos de população), isso a torna a maior aglomeração urbana registrada na história antes da [[Revolução Industrial]], superando facilmente a reivindicação mais próxima, que era a cidade [[Civilização maia|maia]] de [[Tikal]].<ref name="Evans PNAS"/> Em seu auge, a cidade ocupou uma área maior do que a [[Paris]] moderna e seus prédios usam muito mais pedra do que todas as estruturas egípcias juntas.<ref>{{Citar web |url=http://video.nationalgeographic.com/video/specials/ancient-mysteries/angkor-wat-temples/ |titulo=Lost City of Angkor Wat |acessodata=28 de março de 2018 |website=National Geographic}}</ref>
O principal templo da região angkoriana, [[Angkor Wat]], foi construído entre 1113 e 1150 pelo rei [[Suryavarman II]], que ascendeu ao trono depois de vencer uma batalha com um príncipe rival. Uma inscrição diz que, durante o combate, Suryavarman saltou sobre o elefante de guerra de seu rival e o matou, assim como o mítico homem-pássaro [[Garuda]] mata uma serpente.<ref>Higham, ''The Civilization of Angkor'', pp.112 ff.; Chandler, ''A History of Cambodia'', p.49.</ref>
 
Depois de consolidar sua posição política por meio de campanhas militares, diplomacia e uma firme administração doméstica, Suryavarman iniciou a construção de [[Angkor Wat]] como seu mausoléu de templo pessoal. Rompendo com a tradição dos reis khmers e influenciado talvez pela ascensão simultânea do [[Vixenuísmo|vaisnavismo]] na [[Índia]], ele dedicou o templo a [[Vixnu]] ao invés de [[Xiva]]. Com paredes de quase meia milha de cada lado, Angkor Wat retrata grandiosamente a cosmologia hindu, com as torres centrais representando o [[Meru|Monte Meru]], o lar dos deuses; as paredes externas, as montanhas envolvendo o mundo; e o fosso, os oceanos além. O tema tradicional de identificar os reis khmer com os deuses e sua residência com a dos seres celestiais, está muito em evidência. As próprias medidas do templo e suas partes em relação umas às outras têm significado cosmológico.<ref>Chandler, ''A History of Cambodia'', p.50 f.</ref> Suryavarman teve as paredes do templo decoradas com [[Relevo (escultura)|baixos-relevos]] representando não apenas cenas da mitologia, mas também da vida de sua própria corte imperial. Em uma das cenas, o próprio rei é retratado como maior em tamanho do que seus súditos, sentado de pernas cruzadas em um trono elevado e segurando a corte, enquanto um bando de atendentes o deixa confortável com a ajuda de guarda-sóis e leques.{{Panorama|Angkor Wat reflejado en un estanque 07.jpg|1000px}}
{{Panorama|Angkor Wat reflejado en un estanque 07.jpg|700px|Panorama do templo de [[Angkor Wat]]}}
 
=== Jayavarman VII ===
169 974

edições