Diferenças entre edições de "Jan Tinbergen"

m
sem resumo de edição
(Revisão Geral)
Etiquetas: Editor Visual Inserção de predefinição obsoleta
m
 
== Trabalho ==
[[Ficheiro:Jan_Tinbergen_1975.jpg|miniaturadaimagem|269x269px|Ministro Pronk , Tinbergen e De Seynes em um simpósio de economia em Haia, 23 de maio de 1975]]
Para muitos, Jan Tinbergen tornou-se conhecido pela chamada 'Norma Tinbergen', frequentemente discutida muito depois de sua morte. Não há nenhum trabalho escrito de Tinbergen em que ele mesmo o declare formalmente.<ref>{{cite journal |url=http://www.mejudice.nl/artikelen/detail/de-tinbergennorm-bestaat-niet |title=De Tinbergennorm bestaat niet |author=Akkerboom, Broer |journal=Me Judice, 14 Mei 2015}}</ref> Em geral, acredita-se ser o princípio que, se a proporção entre a maior e a menor renda for superior a 5, torna-se desvantajoso para a unidade social envolvida. O próprio Tinbergen discutiu alguns aspectos técnicos de uma proporção de distribuição de renda de cinco para um em um artigo publicado em 1981.<ref>{{cite journal |url=http://repub.eur.nl/pub/15463/1981Economist.pdf |title=Misunderstandings concerning income distribution policies |jornal= |author=Tinbergen, Jan |year=1981 |pages=13 |citeseerx=10.1.1.1030.5758 |doi=10.1007/BF01705865 |volume=129 |journal=De Economist |issue=1 |s2cid=154797347}}</ref> Além de detalhes sobre uma proporção de cinco para um, é verdade em geral que o grande tema de Tinbergen era distribuição de renda e a busca por uma ordem social ótima.
 
Tinbergen desenvolveu o primeiro modelo macroeconômico abrangente nacional , que ele desenvolveu pela primeira vez em 1936 para a [[Holanda]], e mais tarde aplicado aos [[Estados Unidos]] e ao [[Reino Unido]].<ref>{{Cite journal |title=When it all began |last2=Barten |first2=A. P. |year=1989 |pages=203 |doi=10.1016/0264-9993(89)90005-9 |volume=6 |journal=Economic Modelling |issue=2 |last1=Dhaene |first1=G.}}</ref>
 
Em seu trabalho sobre modelagem macroeconômica e formulação de política econômica, Tinbergen classificou algumas quantidades econômicas como ''metas'' e outras como ''instrumentos'' .  Metas são aquelas variáveis ​​macroeconômicas que o formulador de políticas deseja influenciar, enquanto os instrumentos são as variáveis ​​que o formulador de políticas pode controlar diretamente. Tinbergen enfatizou que atingir os valores desejados de um certo número de metas requer que o formulador de políticas controle um número igual de instrumentos. Isso é conhecido como Regra de Tinbergen.<ref>{{cite journal |url=https://ojs.unbc.ca/index.php/design/article/download/534/470 |title=Beyond the'Tinbergen Rule'in Policy Design: Matching Tools and Goals in Policy Portfolios. |date=2013 |jornal= |last2=Howlett |first2=Michael P. |last1=Del Rio |first1=Pablo |journal=Lee Kuan Yew School of Public Policy Research Paper |issue=13–01 |access-date=21 December -12-2020}}</ref>
 
A classificação de Tinbergen permanece influente hoje, subjacente à teoria da política monetária usada pelos bancos centrais . Muitos bancos centrais hoje consideram a taxa de inflação como sua meta; o instrumento de política que usam para controlar a inflação é a taxa de juros de curto prazo.<ref>Blinder, Alan (1999), [[iarchive:centralbankingin0000blin_n3s4|''Central Banking in Theory and Practice.'']] MIT Press, {{ISBN|0262522608}}.</ref>
 
O trabalho de Tinbergen em modelos macroeconômicos foi posteriormente continuado por [[Lawrence Klein]], contribuindo para outro Prêmio Nobel de Ciências Econômicas . Por suas contribuições culturais, ele recebeu o Gouden Ganzenveer em 1985.<ref>{{cite web |url=http://www.goudenganzenveer.nl/laureaten.html |title=Laureaten De Gouden Ganzenveer vanaf 1955 |date=2009 |publisher=Stichting De Gouden Ganzenveer |archive-url=https://web.archive.org/web/20090225223755/http://www.goudenganzenveer.nl/laureaten.html |archive-date=2009-02-25 |access-date=2009-07-28 |url-status=dead}}</ref>
 
A modelagem econométrica de Tinbergen levou a um debate animado com vários participantes conhecidos, incluindo JM Keynes, [[Ragnar Frisch]] e [[Milton Friedman]]. O debate às vezes é chamado de debate Tinbergen.<ref>{{cite journal |url=http://researchrepository.murdoch.edu.au/id/eprint/5749/1/The_Ghosts.pdf |title=The Ghosts I Called I Can't Get Rid of Now: the Keynes-Tinbergen-Friedman-Phillips Critique of Keynesian Macroeconometrics |author=Leeson, R. |year=1998 |pages=51–94 |doi=10.1215/00182702-30-1-51 |volume=30 |journal=History of Political Economy |issue=1}}</ref><ref>{{cite journal |url=http://courses.umass.edu/econ804/LoucaBackgroundFiles1.pdf |title=The econometric challenge to Keynes: Arguments and contradictions in the early debates about a late issue |author=Louçã, F. |year=1999 |pages=404–438 |doi=10.1080/10427719900000074 |volume=6 |journal=The European Journal of the History of Economic Thought |issue=3}}{{dead link|date=April 2017|bot=InternetArchiveBot|fix-attempted=yes}}</ref>
 
== Referências ==
<references />
 
==Ligações externas==
*{{Link|en|2=http://nobelprize.org/nobel_prizes/economics/laureates/1969/index.html|3=Perfil no sítio oficial do Nobel de Economia 1969}}