Diferenças entre edições de "GfK"

m
Desfeita(s) uma ou mais edições de Cmalaq (Remoção de informação sem fontes além de remoção de infobox), com Reversão e avisos
(Incluir o logo)
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de Cmalaq (Remoção de informação sem fontes além de remoção de infobox), com Reversão e avisos)
Etiqueta: Reversão manual
{{Info/Empresa
[[Ficheiro:GfK (Unternehmen) 2019 logo.svg|miniaturadaimagem|Logo]]
|nome_empresa = GfK
A '''GfK''' ('''Gesellschaft für Konsumforschung''', atualmente '''Growth from Knowledge'''; ''Crescimento através do Conhecimento'', em português), é uma empresa de inteligência de mercado de origem [[Alemanha|alemã]], criada em [[1934]], com sede em [[Nuremberg]]. Ela foi fundada em 1934, por uma associação de professores universitários, dos quais se destaca [[Ludwig Erhard]], que seria, mais tarde, [[Ministro da Economia]] e [[Chanceler]] da Alemanha. Atualmente, 2021, a empresa tem presença em 60 países e conta com um time de 9.000 funcionários.
|logo_empresa = GfK.jpeg
|logo_tamanho=|tipo_empresa = Privada
|slogan_empresa =
|cotação =
|indústria = Mídia
|fundação = [[1934]]
|fundador =
|encerramento =
|sede = [[Nuremberga]] {{DEU}}
|locais =
|num_empregados =
|produtos =
|certificação =
|accionistas =
|lucro =
|LAJIR =
|faturamento =
|renda_líquida =
|sucessora =
|página = [http://www.gfk.com/ www.gfk.com]
|rodapé =
}}
A '''GfK''' ('''Gesellschaft für Konsumforschung''', atualmenteactualmente '''Growth from Knowledge'''; ''Crescimento através dopelo Conhecimento'', em português), é uma empresa de inteligênciaestudos de mercado de origem [[Alemanha|alemã]], criada em [[1934]], com sede em [[Nuremberg]]. ElaÉ foia fundadamaior emempresa 1934,do porramo umana associação de professores universitáriosAlemanha, dos quais se destaca [[Ludwig Erhard]], que seria, mais tarde, [[Ministro da Economia]] e [[Chanceler]] da Alemanha. Atualmente, 2021, a empresa tem presençaquinta em 60 países e conta com um time de 9.000termos funcionáriosmundiais.
 
Foi fundada em 1934, por uma associação de professores universitários, dos quais se destaca [[Ludwig Erhard]], que seria, mais tarde, [[Ministro da Economia]] e [[Chanceler]] da Alemanha.
Por mais de 80 anos, a GfK tem sido um parceiro de visão confiável para as maiores empresas do mundo e marcas líderes que fazem a diferença na vida de cada consumidor. A empresa conecta dados, ciência e soluções de pesquisa digital inovadoras para fornecer respostas às principais questões de negócios sobre consumidores, mercados, marcas e mídia.
 
EmA 2015,empresa oentrou grupono GfKBrasil iniciouem o2002, produtoe dedesde medição2015, demediava a audiência da televisão brasileira e formou concorrência ao Instituto[[Ibope]] Brasileiroque demedirá Opinião35% Públicaa emais Estatísticado ([[Ibope|Ibope)]]que a empresa brasileira oferece. As redes [[SBT]], [[Rede Record]], [[RedeTV!]] e [[Rede Bandeirantes]] assinaram o contrato de 100 milhões de dólares.<ref>{{citar web|url=http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/gfk-rival-do-ibope-assina-contrato-com-4-emissoras |titulo=Gfk, rival do Ibope, assina pré-contrato com 4 emissoras|obra=veja.abril.com.br|acessodata=17/12/2013}}</ref> Com essa nova medição, encerrariaencerrará um monopólio do Ibope que durou por mais de 30 anos.<ref>{{citar web|url=http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/noticias/2013/12/16/GfK-e-emissora-enfim-assinam-acordo.html|titulo=GfK e emissoras, enfim, assinam acordo|obra=meioemensagem.com.br|acessodata=17/12/2013}}</ref> Dentre as maiores emissoras, apenas a [[Rede Globo]] se recusou a assinar com a empresaGFK, mantendo acordo com o IbopeInstituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística.<ref>{{citar web|url=http://rd1.ig.com.br/televisao/fiel-ao-ibope-globo-nao-deve-assinar-contrato-com-gfk/210290|titulo=‘Fiel’ ao IBOPE, Globo não deve assinar contrato com Gfk|obra=rd1.ig.com.br|acessodata=17/12/2013}}</ref> Mais tarde, a [[Rede Bandeirantes]] deixou a parceria devidocom aoa GFK, por causa do valor alto. e, emEm [[21 de setembro]] de [[2017]], o instituto anunciou o encerramento destade suas atividadeatividades no Brasil, com a demissão de 150 funcionários. O motivo se deve a situação econômica do Brasil, além de uma disputa judicial com as emissoras que formam o grupo [[Simba Content]] ([[RecordTV]], [[RedeTV!]] e [[SBT]]).
A GfK entrou no Brasil em meados de 1996 com a aquisição da empresa Indicator e, por um período, foi chamada GfK Indicator. Nos anos seguintes realizou a aquisição de outras empresas e se tornou '''GfK Brasil.'''
 
Em Portugal, ficou a medidora oficial do país em meados de 2011, envolto em alguma polêmica com os canais TVI e RTP1, que continuaram a usar os dados da antiga medidora Marktest. Porém a partir de 2014, todos os canais generalistas adotaram a GFK como a medidora oficial, depois de ter sido feito uma auditoria.
Em 2015, o grupo GfK iniciou o produto de medição de audiência da televisão brasileira e formou concorrência ao Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística ([[Ibope|Ibope)]]. As redes [[SBT]], [[Rede Record]], [[RedeTV!]] e [[Rede Bandeirantes]] assinaram o contrato de 100 milhões de dólares.<ref>{{citar web|url=http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/gfk-rival-do-ibope-assina-contrato-com-4-emissoras |titulo=Gfk, rival do Ibope, assina pré-contrato com 4 emissoras|obra=veja.abril.com.br|acessodata=17/12/2013}}</ref> Com essa nova medição, encerraria um monopólio do Ibope que durou por mais de 30 anos.<ref>{{citar web|url=http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/noticias/2013/12/16/GfK-e-emissora-enfim-assinam-acordo.html|titulo=GfK e emissoras, enfim, assinam acordo|obra=meioemensagem.com.br|acessodata=17/12/2013}}</ref> Dentre as maiores emissoras, apenas a [[Rede Globo]] se recusou a assinar com a empresa, mantendo acordo com o Ibope.<ref>{{citar web|url=http://rd1.ig.com.br/televisao/fiel-ao-ibope-globo-nao-deve-assinar-contrato-com-gfk/210290|titulo=‘Fiel’ ao IBOPE, Globo não deve assinar contrato com Gfk|obra=rd1.ig.com.br|acessodata=17/12/2013}}</ref> Mais tarde, a [[Rede Bandeirantes]] deixou a parceria devido ao valor alto e, em [[21 de setembro]] de [[2017]], o instituto anunciou o encerramento desta atividade no Brasil, com a demissão de 150 funcionários. O motivo se deve a situação econômica do Brasil, além de uma disputa judicial com as emissoras que formam o grupo [[Simba Content]] ([[RecordTV]], [[RedeTV!]] e [[SBT]]).
 
A GfK se orgulha de sua herança e de seu futuro: atualmente, está nos últimos estágios de uma jornada de transformação para se tornar uma provedora confiável de análise de dados prescritiva movida por tecnologia inovadora. Para os funcionários, bem como para os seus clientes, a GfK busca atingir o seu objetivo: Crescimento através do Conhecimento!
 
{{referências|Notas e Referências}}