Diferenças entre edições de "Usuário:Gabriel bier/Testes/3"

 
 
=== Personagens ===
Gross sentiu que a decisão de Ellie de rastrear Abby foi motivada por seu desejo de superar seu PTSD mais do que seu desejo de matar Abby. [47] Gross, que sofreu duas vezes de PTSD, considerou sua responsabilidade descrever com precisão o assunto; [7] ela queria que os jogadores que pudessem ter sofrido com traumas entendessem que não estão sozinhos. [72] Os escritores queriam desconstruir a percepção de violência em Joel e Ellie: enquanto Joel é indiferente e prático, Ellie mata para manter uma "cultura de honra" ao anexar violência a seu ego. [47] Alguns membros da equipe consideraram a obsessão de Ellie por Abby semelhante a um vício em drogas, e que Dina foi embora porque sentiu que a obsessão nunca teria fim. [73] Gross considerou a chance final do jogo, em que Ellie deixa para trás a guitarra que Joel deu a ela, representando Ellie passando de sua morte para um novo capítulo. Druckmann sentiu que ilustrava Ellie finalmente superando seu ego, embora preferisse que o jogador criasse sua própria interpretação. [47]
 
Druckmann sentiu que o arco do personagem de Joel estava completo após o primeiro jogo. [2] A morte de Joel foi uma parte central da estrutura narrativa do jogo desde o início do desenvolvimento; [51] Druckmann considerou-a uma das mais difíceis de escrever, ensaiar e filmar. [74] Embora inicialmente tenha causado alguma resistência interna, a equipe se sentiu compelida quando mais da narrativa foi desenvolvida. [51] Uma versão inicial da cena da morte de Joel o fazia pronunciar "Sarah", o nome de sua filha, até que Baker sugeriu que ele deveria permanecer em silêncio. [47] Enquanto a morte de Sarah no primeiro jogo pretendia evocar tristeza, a morte de Joel visa despertar raiva. [75] Ellie estava originalmente ausente durante a cena, e deveria ser informada pelo irmão de Joel, Tommy, [76] mas Druckmann sentiu que testemunhar a morte através da perspectiva de Ellie enfatizou a raiva do jogador. [77] Ele queria que fosse retratado como "nojento, sem cerimônias e humilhante" em vez de heróico; [41] [71] era originalmente mais horrível, mas depois atenuado porque o sangue não era crucial para a cena. [78] Ele previu que isso poderia levar a reações negativas, mas sentiu que era necessário contar a história; ele particularmente sentiu que a notabilidade da Naughty Dog na indústria lhe deu a oportunidade de assumir riscos que outros desenvolvedores não podiam. [79] Em uma versão anterior da cena, Abby esfaqueou Joel nas costas e torceu a faca para paralisá-lo; no entanto, como as facas estão mais associadas a Ellie, a equipe as substituiu por um taco de golfe para demonstrar os ataques de força contundentes de Abby. [80]
 
Ao fazer o teste de atores para Abby, Druckmann queria especificamente evitar a escalação de Laura Bailey devido à sua proliferação de papéis; ele havia inicialmente considerado Bailey para interpretar Dina. Ao revisar sua fita de audição, no entanto, Druckmann ficou impressionado com a forma como Bailey interpretou a vulnerabilidade de Abby, enquanto outros atores enfatizaram sua raiva. [81] Bailey considera o jogo importante para ela pessoalmente, já que deu à luz seu primeiro filho durante a produção. [82] Antes de sua gravidez, Bailey estava se preparando para o papel. [83] Ela também se preparou pesquisando pessoas envolvidas em guerras e seus mecanismos de enfrentamento. [84] Uma das primeiras iterações da história tinha uma jovem Abby testemunhando um ataque a seu grupo por Joel e Tommy, que eram caçadores na época (nos 20 anos invisíveis do primeiro jogo), e jurando vingança. À medida que a história e seu tema de violência se desenvolviam, os escritores acharam mais interessante para o pai de Abby ter sido morto pelo jogador no primeiro jogo e diretamente ligado às ações de Joel. [85] Druckmann queria que os jogadores odiassem Abby no início do jogo, mas depois sentissem empatia por ela; ele evitou escrevê-la como uma personagem "perfeita", ao invés disso, instigou empatia por meio de suas falhas e ações redentoras. [71]
 
{{Referências|col=2}}