Diferenças entre edições de "Pierre Bouguer"

m
sem resumo de edição
m
 
Em 1729 publicou ''Essai d'optique sur la gradation de la lumière'' (''Ensaio de óptica sobre a gradação da luz''), cujo objectivo é a determinação da quantidade de luz perdida quando esta atravessa uma dada distância na [[atmosfera]] terrestre. Descobriu que a luz [[sol]]ar é cerca de 300 vezes mais intensa que a da [[Lua]]. Este ensaio é realmente inovador. Por um lado, é o primeiro registo de medidas [[Fotometria|fotométricas]] de [[luminância]], por outro, nele Bouguer demonstra o fenómeno de [[Adaptação (olho)|adaptação]] do olho à luminosidade, determinando um valor relativo (1/64) a partir do qual a distinção entre duas intensidades luminosas diferentes é impossível. Este último trabalho precede em dois séculos os trabalhos de [[psicofísica]], e um dos fundadores desta disciplina, [[Ernst Heinrich Weber]], utilizará o seu nome para designar a relação entre o limiar de detecção e intensidade: trata-se da [[relação de Bouguer-Weber]].
 
Em 1730 foi nomeado professor de [[hidrografia]] em [[Le Havre]], sucedendo a [[Pierre Louis Maupertuis]] como geómetra associado da ''[[Académie des Sciences]]''. Foi também o inventor dum [[heliómetro]], mais tarde melhorado por [[Joseph von Fraunhofer]]. É eleito para a ''[[Académie des Sciences]]'' para tomar o lugar de Maupertuis, estabelecendo-se então em Paris.
 
Em 1735 viajou pelos [[Andes]] com [[Charles Marie de La Condamine]] e [[Louis Godin]], com o propósito de medir um grau do [[meridiano]] próximo do [[Linha do Equador|equador]]. Foram necessários dez anos para completar esta tarefa, cujo relato foi publicado em 1749 em ''Détermination de la Figure de la Terre'' (''Determinação da forma da Terra''). Durante esta viagem efectuou observações [[Gravimetria|gravimétricas]] em altitude, pondo em evidência a [[Anomalia de Bouguer|anomalia]] que tem o seu nome. Em 1746 publicou sua obra-prima, ''Traité du navire'' (''Tratado do navio''), a primeira síntese de [[arquitectura naval]], onde explicou a utilização do metacentro como medida da estabilidade dos navios. Quase todos os seus escritos ulteriores são sobre a teoria de navegação e arquitectura naval.