Diferenças entre edições de "Assexualidade"

6 bytes removidos ,  18h29min de 11 de agosto de 2021
Restaurando
m (Foram revertidas as edições de CrisBan para a última revisão de Phoebesguitar, de 06h43min de 21 de julho de 2021 (UTC))
Etiquetas: Reversão Revertida
(Restaurando)
Etiqueta: Reversão manual
{{Ver desambig|este=humanos que não sentem atração sexual|outros usos|Reprodução assexuada}}
{{Orientação sexual}}
'''Assexualidade''' é a falta total, parcial ou condicional de atração sexual a qualquer pessoa, com pouco ou inexistente interesse nas [[Comportamento sexual humano|atividades sexuais humanas]].<ref name="Crooks">{{citar livro|autor1 =Robert L. Crooks |autor2 =Karla Baur|título=Our Sexuality|isbn=978-1305887428|publicado=[[Cengage Learning]]|ano=2016|página=300|acessodata=4 de janeiro de 2017|url=https://books.google.com/books?id=isIaCgAAQBAJ&pg=PT300}}</ref><ref name="Helm">{{citar livro|autor =Katherine M. Helm|título=Hooking Up: The Psychology of Sex and Dating|isbn=978-1610699518|publicado=[[ABC-CLIO]]|ano=2015|página=32|acessodata=4 de janeiro de 2017|url=https://books.google.com/books?id=O3K9CgAAQBAJ&pg=PA32}}</ref><ref name="Kelly">{{citar livro|último = Kelly|primeiro = Gary F.|título= Sexuality Today: The Human Perspective|edição=7|ano= 2004 |publicado= [[McGraw-Hill]] |isbn= 978-0-07-255835-7|página= 401|capítulo= Chapter 12 |postscript = Asexuality is a condition characterized by a low interest in sex.}}</ref> Pode ser considerada uma [[orientação sexual]] e nãoou a falta de uma.<ref name= Bogaert2004>{{Citar periódico |último= Bogaert |primeiro= Anthony F. |ano= 2004 |título= Asexuality: prevalence and associated factors in a national probability sample |periódico= [[Journal of Sex Research]] |volume= 41 |número= 3 |páginas= 279–87 |pmid=15497056 |doi= 10.1080/00224490409552235}}</ref><ref name="Sexual orientation">{{Citar periódico |último= Melby |primeiro= Todd |título= Asexuality gets more attention, but is it a sexual orientation? |periódico= Contemporary Sexuality |data= novembro de 2005 |volume= 39 |número= 11 |páginas= 1, 4–5 |issn= 1094-5725 |url= http://www.apositive.org/wordpress_backup/?page_id=222 |acessodata= 20 de novembro de 2011 |postscript= &nbsp;&nbsp;[http://journalseek.net/cgi-bin/journalseek/journalsearch.cgi?field=title&query=1094-5725 The journal currently does not have a website]}}</ref><ref name="Sex and society">{{Citar livro |editor= Marshall Cavendish |título= Sex and Society |url= https://books.google.com/books?id=aVDZchwkIMEC&pg=PA82 |acessodata= 27 de julho de 2013 |volume= 2 |ano= 2010 |publicado= Marshall Cavendish |isbn= 978-0-7614-7906-2 |páginas= 82–83 |contribuição= Asexuality}}</ref> Pode também ser categorizada [[hiperónimo|mais largamente]] para incluir um amplo espectro de [[assexualidade cinza|subidentidades assexuais]].<ref>{{citar periódico|último =Scherrer|primeiro =Kristin|título=Coming to an Asexual Identity: Negotiating Identity, Negotiating Desire|periódico=Sexualities|volume=11|número=5|páginas=621–641|doi=10.1177/1363460708094269|pmid=20593009|pmc=2893352|ano=2008}}</ref>
 
A assexualidade é distinta da [[abstinência sexual|abstenção de atividade sexual]] e do [[celibato]],<ref name="Halter">{{Citar livro |autores= Margaret Jordan Halter, Elizabeth M. Varcarolis |título= Varcarolis' Foundations of Psychiatric Mental Health Nursing |isbn= 1-4557-5358-0 |publicado= [[Elsevier Health Sciences]] |ano= 2013 |página= 382 |acessodata= 7 de maio de 2014 |url= https://books.google.com/books?id=mZ15AAAAQBAJ&pg=PA382&dq=&hl=en&sa=X&ei=ysV7Upr5FfPnsATW8IGYBw&ved=0CC0Q6AEwAA#v=onepage&q=&f=false}}</ref><ref name="DePaulo">{{Citar web |primeiro= Bella |último= DePaulo |título= ASEXUALS: Who Are They and Why Are They Important? |publicado= ''[[Psychology Today]]'' |data= 26 de setembro de 2011 |acessodata= 13 de dezembro de 2011 |url= http://www.psychologytoday.com/blog/living-single/200912/asexuals-who-are-they-and-why-are-they-important}}</ref> que são comportamentais e geralmente motivados por fatores como crenças pessoais, sociais, ou religiosas de um indivíduo.<ref>''The American Heritage Dictionary of the English Language'' (3d ed. 1992), registros de ''celibacy'' e ''abstinence''</ref> Acredita-se que a orientação sexual, ao contrário do comportamento sexual, é "duradoura".<ref name="apahelp">{{Citar web |título= Sexual orientation, homosexuality and bisexuality |publicado= [[American Psychological Association]] |acessodata= 30 de março de 2013 |url= http://www.apa.org/helpcenter/sexual-orientation.aspx}}</ref> Algumas pessoas assexuais engajam em atividades sexuais, mesmo não tendo desejo por sexo ou atração sexual, por uma variedade de razões, como a vontade de sentir ou dar prazer a alguém, ou o desejo de ter filhos.<ref name="Prause"/><ref name="Halter"/>
 
A aceitação da assexualidade como orientação sexual e o início das [[Método científico|pesquisas científicas]] em relação ao tema ainda são muito recentes,<ref name="Helm"/><ref name="Prause">{{citar periódico|último =Prause |primeiro =Nicole |autor2 =Cynthia A. Graham |data=agosto de 2004 |url=http://www.kinseyinstitute.org/publications/PDF/PrauseGrahamPDF.pdf |título=Asexuality: Classification and Characterization |periódico=[[Archives of Sexual Behavior]] |volume=36 |páginas=341–356 |acessodata=31 de agosto de 2007 |doi=10.1007/s10508-006-9142-3 |pmid=17345167 |número=3 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20070927014407/http://www.kinseyinstitute.org/publications/PDF/PrauseGrahamPDF.pdf |arquivodata=27 de setembro de 2007 |urlmorta= sim}}</ref><ref name="Sexual orientation"/> conforme um corpo crescente de perspetivas tanto sociológicas começou a desenvolver-se.<ref name="Prause"/> Enquanto alguns investigadores afirmam que a assexualidade é orientação sexual, outros investigadores discordam.<ref name="Sexual orientation"/><ref name="Sex and society"/>
 
Diversas comunidades assexuais começaram a formar-se desde o advento da Internet e das [[mídias sociais]]. A mais prolífica e conhecida delas é a Asexual Visibility and Education Network (AVEN), fundada em 2001 por [[David Jay]].<ref name="Sex and society"/><ref name="Swash">{{Citar web |primeiro= Rosie |último= Swash |título= Among the asexuals |publicado= ''[[The Guardian]]'' |data= 25 de fevereiro de 2012 |acessodata= 2 de fevereiro de 2013 |url= http://www.guardian.co.uk/lifeandstyle/2012/feb/26/among-the-asexuals}}</ref>
[[File:Kinsey Scale.svg|thumb|upright=1.3|[[Escala de Kinsey]] de respostas sexuais, que indicam graus de [[orientação sexual]]. A escala original incluía uma designação de "X", que indicava uma carência de comportamento sexual.<ref name="Lehmiller">{{citar livro|autor =Justin J. Lehmiller|título=The Psychology of Human Sexuality|publicado=[[John Wiley & Sons]]|isbn=978-1119164708|página=250|data=2017|acessodata=29 de novembro de 2017|url=https://books.google.com/books?id=ytk5DwAAQBAJ&pg=PT250}}</ref>]]
 
Assexualidade não é um novo aspecto da sexualidade humana, mas é relativamente nova ao discurso público.<ref name="Sesmith">{{citar jornal|primeiro =S.&nbsp;E. |último = Smith|título= Asexuality always existed, you just didn't notice it |jornal=[[The Guardian]]|data=21 de agosto de 2012 |acessdate= 30 de março de 2013|url= https://www.theguardian.com/commentisfree/2012/aug/21/asexuality-always-existed-asexual }}</ref> S.&nbsp;E. Smith de ''[[The Guardian]]'' não tem a certeza de que assexualidade realmente aumentou, mas tende a reditar que está simplesmente mais visível.<ref name="Sesmith" /> [[Alfred Kinsey]] avaliou indivíduos de 0 a 6 de acordo com sua orientação sexual de heterossexual a homossexual, conhecido como a [[escala de Kinsey]]. Ele também incluiu a categoria aà qual chamou de "X" para indivíduos com "nenhuns contactos ou reações afeto-sexuais."<ref name="Kinsey-male">{{citar livro|primeiro =Alfred C.|último =Kinsey|ano=1948|título=Sexual Behavior in the Human Male|publicado=W.B. Saunders|isbn=978-0-253-33412-1}}</ref><ref name="Kinsey-female">{{citar livro|primeiro =Alfred C.|último =Kinsey|ano=1953|título=Sexual Behavior in the Human Female|publicado=W.B. Saunders|isbn=978-0-253-33411-4}}</ref> Embora, em tempos modernos, isto é categorizado como a representar assexualidade,<ref name="Stange">{{citar livro|autor1 =Mary Zeiss Stange|autor2 =Carol K. Oyster|autor3 =Jane E. Sloan|título=Encyclopedia of Women in Today's World|url=https://books.google.com/books?id=bOkPjFQoBj8C&pg=PA158|access= 27 de julho de 2013|data=23 de fevereiro de 2011|publicado=SAGE Publications|isbn=978-1-4129-7685-5|página=158}}</ref> o estudioso [[Justin J. Lehmiller]] declarou, "a classificação X de Kinsey enfatizou uma carência de comportamento sexual, enquanto a definição moderna de assexualidade enfativa uma carência de atração sexual. Assim, a Escala de Kinsey pode não ser suficiente para classificação precisa de assexualidade."<ref name="Lehmiller"/> Kinsey labeled 1.5% of the adult male population as ''X''.<ref name="Kinsey-male"/><ref name="Kinsey-female"/> Em seu segundo livro, ''Sexual Behavior in the Human Female'', ele reportou sua discriminação de indivíduos que são X: mulheres não-casadas = 14–19%, mulheres casadas = 1–3%, mulheres anteriormente casadas = 5–8%, homens não-casados = 3–4%, homens casados = 0%, e homens anteriormente casados = 1–2%. Vale ressaltar que a escala Kisney atualmente não é amplamente utilizada por estudiosos, sendo abandonadas por conceitos julgados mais modernos e tampouco por populares.<ref name="Kinsey-female" />
 
== Debate ==
# Assexual tipo A: possui atração romântica por indivíduos do gênero oposto (heterorromântico).
# Assexual tipo B: possui atração romântica por indivíduos do mesmo gênero (homorromântico).
# Assexual tipo C: possui atração romântica por ambos os tipos de indivíduos (birromânticobiromântico).
# Assexual tipo D: sem atração romântica ([[arromântico]]).