Guilherme Frederico, Príncipe de Nassau-Dietz: diferenças entre revisões

m
fix, replaced: Guilherme, o taciturno → Guilherme, o Taciturno, typos fixed: republica → república
m (fix, replaced: Guilherme, o taciturno → Guilherme, o Taciturno, typos fixed: republica → república)
O facto de a sua esposa ser apenas a quinta filha de [[Frederico Henrique, príncipe de Orange|Frederico Henrique]] e de os dois se terem casado já depois da morte do seu pai, viria depois ser um facto importante durante a zanga pela herança do título de príncipe de Orange após a morte do rei [[Guilherme III de Inglaterra]] em [[1702]], visto que Frederico Henrique deixou uma cláusula no seu testamento para o caso da extinção da linha masculina (o que aconteceu com a morte de Guilherme III), onde o título seria herdado pela linha da sua filha mais velha, [[Luísa Henriqueta de Orange-Nassau]]. O caso poderia mesmo ter chegado a esta conclusão se Guilherme não tivesse deixado a sua própria cláusula em que deixava o título a um descendente de Guilherme Frederico. Assim, a herança foi disputada pelos dois Guilhermes (o seu filho e [[Guilherme IV, Príncipe de Orange|Guilherme IV de Orange]]), acabando por se decidir que ambos ficaram com o título e a herança seria divida igualmente.
 
O próprio Guilherme Frederico tinha um passado dinástico igualmente complicado. Era descendente do conde [[João VI de Nassau-Dillenburg]], irmão mais novo do antepassado da sua esposa, [[Guilherme, o taciturnoTaciturno]]. Quando João morreu em [[1606]], a sua herança foi dividida entre os seus cinco filhos, um dos quais era o pai de Guilherme, [[Ernesto Casimiro I de Nassau-Dietz|Ernesto Casimiro]], que recebeu o título de conde de Nassau-Dietz. Este título foi herdado primeiro pelo seu irmão mais velho, [[Henrique Casimiro I de Nassau-Dietz]] que morreu em batalha aos vinte e oito anos de idade.
 
== Carreira ==
 
Como segundo filho, Guilherme Frederico não parecia destinado à carreira que acabaria por seguir. Estudou na Universidade de Leiden, na Universidade de Groningen e aceitou uma comissão no exército da republicarepública holandesa, tal como os seus antepassados e o seu irmão. Como tal, era um parceiro menor do seu futuro sogro e do cunhado, o príncipe Guilherme II de Orange. Contudo, o seu irmão mais velho morreu em batalha e, sendo solteiro e sem filhos, Guilherme Frederico herdou os seus títulos.
 
Contudo, como a posição de stadtholder ainda não era hereditário, Guilherme Frederico só conseguiu ser nomeado para Frísia. As posições de stadtholder de Groninga e Drente foram para Frederico Henrique, ainda que com grande protesto por parte de Guilherme.<ref>Israel, J.I. (1995), The Dutch Republic: Its Rise, Greatness and Fall, 1477-1806, Oxford University Press,ISBN 0-19-873072-1, pp. 538-539</ref> Após a morte de Frederico Henrique em [[1647]], este foi sucedido pelo seu filho [[Guilherme II dos Países Baixos|Guilherme II]] nestas províncias. Só quando Guilherme II morreu em [[1650]], uma semana antes do nascimento do seu filho [[Guilherme III dos Países Baixos|Guilherme III]], é que Guilherme Frederico voltou a recuperar as suas províncias.
221 512

edições