Eudóxia Paleóloga: diferenças entre revisões

Sem alteração do tamanho ,  16h21min de 18 de setembro de 2021
m
sem resumo de edição
m (v1.43b - Corrigido usando WP:PCW (en dash ou em dash))
m
 
 
== Vida ==
Em 1282, Eudóxia casou-se em [[Constantinopla]] com [[João II de Trebizonda|João II Megacomneno]], [[imperador de Trebizonda]], com quem teve dois filhos, [[Aleixo II de Trebizonda|Aleixo]] e [[Miguel de Trebizonda|Miguel]].<ref>William Miller, ''Trebizond: The last Greek Empire of the Byzantine Era: 1204-1461, 1926 (Chicago: Argonaut, 1969), p. 29</ref>. Em 1298, depois da morte do marido da ascensão do filho Aleixo ao trono, retornou para a corte de seu irmão em Constantinopla levando Miguel consigo.<ref>Miller, ''Trebizond'', p. 32</ref>.
 
[[Andrônico II Paleólogo]] recebeu a irmã planejando utilizá-la para selar um acordo diplomático com [[Estêvão Milutino]], [[rei da Sérvia]]: a mão de Eudóxia em troca de paz. Estêvão era favorável ao acordo, pois sua esposa havia acabado de morrer. ''"Mas nada que Andrônico pudesse fazer conseguiria influenciar a irmã dele a uma vida com um asqueroso bárbaro na Sérvia selvagem"'', escreveu Donald M. Nicol.<ref>Nicol, ''The last centuries of Byzantium, 1261-1453'', second edition (Cambridge: University Press, 1993), p. 119</ref>. Estêvão foi obrigado a se contentar com [[Simonida]], uma filha de Andrônico com sua segunda esposa, [[Irene de Monferrato]].
 
Enquanto isso, Aleixo II decidiu casar-se com [[Djiadjak Jaqeli]], uma princesa [[Reino da Geórgia|georgiana]]. Seu tio, o imperador Andrônico II, que havia sido nomeado seu guardião por João II Megacomneno, queria que o casamento fosse anulado, pois planejava casar Aleixo com a filha de [[Nicéforo Cumno]], um alto oficial da corte bizantina. Eudóxia se aproveitou do pretexto de convencer o filho a dissolver o casamento para conseguir permissão de voltar para Trebizonda em 1301. Ao chegar, porém, ela aconselhou o filho do contrário. Eudóxia morreu no ano seguinte e William Miller especula que ela teria sido enterrada na Igreja de São Gregório de Níssa.<ref>Miller, ''Trebizond'', pp. 32f</ref>.
 
Anthony Bryer propôs que uma Eudóxia, que se tornara [[freira]] com o [[nome monástico]] de "Eufêmia", mencionada numa inscrição relatada por [[Fallmerayer]] da [[Igreja Panágia Teoscepasto]], pode ter sido Eudóxia Paleóloga. Ainda não se provou satisfatoriamente, porém, que esta Eudóxia teria sido da casa dos Megacomnenos e Bryer oeferece várias objeções a qualquer identificação entre as duas. Ele lembra que há ''"uma forte tradição independente do {{séc|XIX}}"'' de que Eudóxia teria fundado a [[Igreja de São Gregório de Níssa (Trebizonda)|Igreja de São Gregório de Níssa]] antes de morrer. Finalmente, ele lembra que ''"não seria surpreendente se ela tivesse desejado colocar não apenas distância mas também um veu de freira entre ela e os calculistas e alarmantes planos maritais do irmão (que incluíam alianças com mongóis e turcos usando outras mulheres da família) antes de morrer em 1302".''<ref>Bryer, "Who was Eudokia-Euphemia?" ''Archeion Pontou'', '''33''' (1976), pp. 17-24</ref>.
 
== Ver também ==