Diferenças entre edições de "Slap Happy"

sem resumo de edição
|ava10 = 4/10<ref name="Spin review">{{citar periódico|url=https://books.google.co.uk/books?id=ygXnnzAlaNQC&pg=PT19&hl=en#v=onepage&q&f=false |título=Slap-Happy |periódico=[[Spin (magazine)|Spin]] |autor =Erik Himmelsbach |arquivodata=2015-11-10}}</ref>
}}
Após o seu lançamento, ''Slap-Happy'' recebeu críticas geralmente mistas dos [[Crítico de música|críticos de músicacontemporâneos]]. Marc Weingarten, da ''Rolling Stone'', elogiou a banda por "fazer direito seu ''punk'' metal", comentando que o ''Slap-Happy'', "é todo jogado para cima, para baixo, sem desculpas ou mudanças gratuitas".<ref name="RS review"/> A [[Revista q|revista ''Q'']] destacou o álbumprojeto por seu "distintivo ruído ''punk''", que "permanece praticamente o mesmo, mas evolui o suficiente para ser interessante.".<ref name="Q review"/> Em contraste, Craig Daniels da publicação ''[[Exclaim!]]'', criticou o somsonoridade do álbum por ser "estéril e carente de energia", em comparação com os álbunslançamentos anteriores do L7, mas considerado ''Slapelogiou-Happy'',o por ser "um disco bastante sólido".<ref name="Exclaim review"/>
 
A editora Natasha Stovall, doda revista ''[[Entertainment Weekly]]'', destacou a abordagem diferente do álbum, afirmando que, embora a "vibração dopegada neo-[[The Go-Go's|Go-Go's]]" de músicas como "Livin 'Large" e "Little One", possa seremser decepcionantesdecepcionante "para os viciados na ultra-macha-''punk,''", Aa doce harmonia ''pop'' de ''Slap-Happy'' tem "uma pegada super cativante de [[Joan Jett]] e entusiasmo de ritmo acelerado da faixa"."<ref name="EW review"/> Jason Hardy do jornal ''Daily Nebraskan'' afirmouecooy próspensamentos similaressemelhantes, observando que o novo estilo do álbum, introduziu um lado "''groovy''" ao L7 que "que provavelmente não sabíamos que existia.".<ref name="Nebraskan review"/> [[Stephen Thomas Erlewine]], do ''banco de dados [[AllMusic]]'', descreveu o álbum como "um trabalho respeitável, mas previsível", afirmando que "deixa muito pouco uma impressão duradoura", apesar de "algumas das músicas grudaremserem grudentas, e a banda soar enérgica e musculosa.".<ref name="AllMusic review"/>
 
NãoNo todosentanto, osnem comentáriostodas as críticas foram favoráveis, embora. Erik Himmelsbach doda revista ''[[Spin (magazine)|Spin]]'', criticou o álbum,disco por ser essencialmente o mesmo que todos os álbuns anteriores da banda, comentando; "O que antes era mais rápido e, solto e despojado, agora soa preguiçoso e estúpido".<ref name="Spin review"/> Raoul Hernandez do jornal ''The Austin Chronicle'', criticou duramente a segunda metade doda álbumobra por ser "muito longolonga, nasal, que vem se tornando uma auto-paródia".<ref name="AC review"/> Embora o álbumprojeto tenha recebido uma reação mista dos meios de comunicação, Sparks retrospectivamente considera o ''Slap-Happy'' comoconsiderou "um álbum bom álbum", e considerao serelegeu seu terceiro álbumdisco favorito no L7, atrás dode ''The Beauty Process'' e ''[[Smell the Magic]]''.<ref name="L7 ranking">{{citar web|url=https://noisey.vice.com/en_us/article/rank-your-records-donita-sparks-rates-l7s-six-studio-albums |título=Rank Your Records: Donita Sparks Rates L7’s Six Studio Albums |autor =Tim Scott |publicado=Noisey|data=2016-08-04 |arquivodata=2015-11-10}}</ref>
 
==Faixas==