Diferenças entre edições de "Eugène Louis Melchior Patrin"

Durante a sua estadia na Sibéria, Patrin viajou extensivamente pelos [[Urais]], pelas [[Montanhas Altai]] e por diversas regiões da Ásia Setentrional, juntando coleções de rochas e minerais que eram enviadas para [[São Petersburgo]], onde deveriam aguardar o seu retorno. Este material, no entanto, foi parcialmente confiscado por [[Pyotr Simon Pallas]], que guardou os melhores itens para seu gabinete pessoal. PAtrin ofereceu as peças restantes à coleção do [[Jardin du Roi]] em Paris, com a condição de que o grupo não fosse separado.<ref>[http://www.minrec.org/libdetail.asp?id=1094 The Mineralogical Record, Inc.] {{Webarchive|url=https://web.archive.org/web/20140903063642/http://www.minrec.org/libdetail.asp?id=1094 |date=2014-09-03 }} Histoire Naturelle des Minéraux, 1801</ref> Como a coleção de minerais siberianos representava mais de uma tonelada e meia de amostras, todas referenciadas, o Jardin du Roi, hoje [[Muséum national d'histoire naturelle]], recusou a oferta, alegando falta de espaço.
 
Entretanto ocorre a [[Revolução Francesa]] e Patrin é eleito, ao que parece para seu grande espanto, deputado por [[Lyon]]. Nas funções de deputado, que exerceu de 7 de setembeo de 1792 a 26 de outubro de 1795, recusou votar a favor da condenação de [[Luís XVI]], pedindo o simples banimento. Durante o [[Terror (Revolução Francesa)|Terror]], foi preso em julho de 1793 e depois solto. Após a queda de [[Robespierre]], em 1795 foi encarrregado pelo [[Comité de Salvação Pública]] (''[[Comité de salut public]]'') de reformar a organização das minas, sector que colocou no caminho da modernização. Porém, em abril do mesmo ano, escreveu-lhes informando que se encontrava em [[Saint-Étienne]] para estar com os trabalhadores que sofriam de [[Carestia|falta de alimentos]]. Ao final de sua missão na cidade, deixou uma equipeequipa de engenheiros competentes e uma [[Mineração de carvão|indústria de carvão]] em expansão que durararia um século.<ref name=":0">{{Citar livro|autor=Académie des sciences, belles-lettres et arts (Lyon)|título=Dictionnaire historique des académiciens de Lyon : 1700-2016|isbn=978-2-9559433-0-4|url=https://www.worldcat.org/oclc/983829759|acessodata=2021-01-03}}</ref>.
 
Após o seu retorno a Paris, em 1804 foi escolhido para o cargo de bibliotecário do ''Conseil des mines.'',<ref>[http://www.annales.org/archives/x/patrin.html Annales.org] Eugene Louis Patrin Melchior (1742-1815)</ref> From 1790 to 1815, he was a member of the {{Lang|fr|Académie des sciences, belles-lettres et arts de Lyon}}.<ref name=SS/> De 1790 a 1815,comissão foiencarregada membrode aconselhar dao [[Académiegoverno desfrancês sciences,em belles-lettresmatérias etreferentes artsà de[[indústria Lyonextrativa]].<ref name="SS1">[http://cths.fr/an/prosopo.php?id=925 Prosopo] Sociétés savantes de France.</ref>
 
Com a criação da [[Ecole Nationale Supérieure des Mines de Saint-Etienne|École des mines de Saint-Étienne]] ofereceu à nova instituição a sua coleção de minerais, sendo nomeado seu bibliotecário.<ref name="SS1">[http://cths.fr/an/prosopo.php?id=925 Prosopo] Sociétés savantes de France.</ref>
 
Publicou em 1783 um relato da sua expedição à Sibéria sob o título de ''Relation d'un voyage aux monts d'Altaïce en Sibérie, fait en 1781'' (inicialmente saída a público em São Petersburgo). Contudo, ficaria sobretudo conhecido pela sua obra ''Histoire naturelle des minéraux'', publicada em Paris em cinco volumes no ano IX da Revolução (1800-1801). Em 1779, foi eleito membro correspondente da [[Academia das Ciências de São Petersburgo]]<ref>{{Citar livro|apelido1=Larissa|nome1=Moukaeva|capítulo=16. « … S’est illustré par nombre de découvertes » : Histoire des expéditions du scientifique français Eugène Louis Melchior Patrin dans l’Altaï|título=La Sibérie comme champ de transferts culturels : De L'Altaï à la Iakoutie|editor=Demopolis|coleção=Quaero|data=2020-10-01|isbn=978-2-35457-169-6|url=http://books.openedition.org/demopolis/3078|acessodata=2021-01-03|página=351–370}}</ref>. Em 23 de março de 1790 foi eleito membro da [[Académie des sciences, belles-lettres et arts de Lyon]].<ref name=":0" />
 
No exercício das suas funções como bibliotecário conheceu [[Georges-Louis Leclerc|Georges-Louis Leclerc, conde de Buffon]], estabelecendo uma colaboração que levou Patrin a fazer importantes contribuições para a seção de mineralogia da ''[[Histoire Naturelle]]'' de [[Georges-Louis Leclerc|Buffon]], a maior obra sobre história natural até então editada.<ref>[http://www.worldcat.org/title/histoire-naturelle-de-buffon-classee-par-ordres-genres-et-especes-dapres-le-systeme-de-linne-27-31-histoire-naturelle-des-mineraux-histoire-naturelle-de-buffon-a-laquelle-en-a-joint-les-observations-et-les-decouvertes-des-plus-celebres-naturalises-modernes-sur-la-mineralogie-par-eugene-melchior-louis-patrin/oclc/799320612 OCLC WorldCat] Histoire naturelle de Buffon</ref><ref>[http://www.minrec.org/artwork.asp?artistid=50&cat=1 The Mineralogical Record] {{Webarchive|url=https://web.archive.org/web/20140903062920/http://www.minrec.org/artwork.asp?artistid=50&cat=1 |date=2014-09-03 }} Patrin, Eugène</ref> Impressiondo pelos conhecimentos de mineralogia de Patrin, Buffon encarregou-o de redigir o texto para a secção sobre mineralogia da obra, o que se traduziu em cinco volumes. Todas as gravuras produzidas para as ilustrações dos cinco volumes de mineralogia de Patrin foram pintadas pelo artista parisiense de história natural e gravador [[Jacques-Eustache Deseve]], com a ajuda dos gravadores [[Gérard-René Le Villain]] (1740-ca.1810), [[Jean-Gabriel Caquet]] (1749-1802 ), J.-A. Pierron (ca.1760-ca.1820) e P. Jourdan.