Diferenças entre edições de "Catarismo"

A origem das crenças dos cátaros não é clara, mas a maioria das teorias concorda que elas se originaram no [[Império Bizantino]] e se propagaram através da [[rota de comércio|rotas de comércio]], se espalhando desde o [[Primeiro Império Búlgaro]]<ref name=Peters>{{cite book |chapter=The Cathars |title=Heresy and Authority in Medieval Europe |editor-first=Edward |editor-last=Peters |publisher=University of Pennsylvania Press |year=1980 |page=108}}</ref> até os [[Países Baixos]]. O nome '''búlgaros''' (''Bougres'') também foi aplicado aos albigenses, e eles mantiveram associação com o movimento cristão similar dos [[Bogomilismo|bogomilos]] ("Amigos de Deus") da [[Trácia]]. "Que houve uma transmissão substancial de rituais e ideias do bogomilismo para o catarismo está além de qualquer dúvida razoável."<ref name="Lambert1998">Malcolm D. Lambert. ''[http://books.google.com/books?id=33gh_YhkjOEC The Cathars]''. Wiley; ISBN 978-0-631-20959-1. p. 31.</ref>
 
Suas doutrinas têm numerosas semelhanças com a dos bogomilos e a dos [[Paulicianismo|paulicianos]],<ref>Alphandéry, Paul Daniel (1911). "Albigenses". In Chisholm, Hugh. Encyclopædia Britannica. 1 (11th ed.). Cambridge University Press. p. 505.</ref> assim como com a dos anteriores [[Marcionismo|marcionistas]] (que estavam na mesma área dos paulicianos), dos [[maniqueísmo|maniqueístas]] e dos cristãos [[gnosticismo|gnósticos]] dos primeiros séculos depois de Cristo, embora muitos estudiosos, principalmente Mark Gregory Pegg, tenham apontado que seria errôneo extrapolar as conexões históricas diretas com base nas semelhanças teóricas percebidas pelos estudiosos modernos. [[João Damasceno]], escreveu, no {{séc|VIII}}, notas sobre uma [[seita]] anteriormente chamada de "Cátaros", em seu livro "Sobre Heresias", título tirado do resumo fornecido por [[Epifânio de Salamis]] em seu ''[[Panarion]]'', e diz: "Eles rejeitam aqueles que se [[casamento|casam]] pela segunda vez e rejeitam a possibilidade de [[penitência]],isto é, o perdão dos pecados após o [[batismo]]".<ref name="Damascus2012">Saint John of Damascus. ''[http://books.google.com/books?id=KtWAtgAACAAJ Writings: The Fount of Knowledge- The Philosophical Chapters, on Heresies, the Orthodox Faith]''. Vol. 37. CreateSpace Independent Publishing Platform; ISBN 978-1-4701-4924-6.</ref>
 
[[João Damasceno]], escreveu, no {{séc|VIII}}, notas sobre uma [[seita]] anteriormente chamada de "Cátaros", em seu livro "Sobre Heresias", título tirado do resumo fornecido por [[Epifânio de Salamis]] em seu ''[[Panarion]]'', e diz: "Eles rejeitam aqueles que se [[casamento|casam]] pela segunda vez e rejeitam a possibilidade de [[penitência]],isto é, o perdão dos pecados após o [[batismo]]".<ref name="Damascus2012">Saint John of Damascus. ''[http://books.google.com/books?id=KtWAtgAACAAJ Writings: The Fount of Knowledge- The Philosophical Chapters, on Heresies, the Orthodox Faith]''. Vol. 37. CreateSpace Independent Publishing Platform; ISBN 978-1-4701-4924-6.</ref>
 
É provável que tenhamos apenas uma visão parcial de suas crenças, porque os escritos dos cátaros foram em grande parte destruídos por causa da ameaça doutrinária percebida pelo papado;<ref name="Murphy2012">Cullen Murphy. ''[http://books.google.com/books?id=gBPiou5OsRQC God's Jury: The Inquisition and the Making of the Modern World]''. Houghton Mifflin Harcourt; ISBN 978-0-618-09156-0. p. 26–27.</ref> muito do nosso conhecimento existente dos cátaros é derivado de textos de seus adversários. As conclusões sobre a [[ideologia]] dos cátaros continuam a ser ferozmente debatidas, com comentaristas regularmente acusando seus adversários de [[Hipótese|especulação]], distorção e [[preconceito]].