Virgínia da Fonseca: diferenças entre revisões

1 214 bytes adicionados ,  22h48min de 1 de novembro de 2021
m
Pequenas correções.
m (Reestruturação do conteúdo com referências e hiperligações)
m (Pequenas correções.)
{{Info/Biografia/Wikidata|imagem=D. Virginia da Fonseca (Album Republicano, 1908).png|legenda=Retrato de Virgínia da Fonseca, publicado no periódico "''Álbum Republicano"'', em 1908.}}
'''Maria Virgínia Teixeira de Sousa Adão da Fonseca''', conhecida por '''Maria Virgínia Teixeira''' ou '''Virgínia da Fonseca''', ([[Angra do Heroísmo]], [[2214 de outubro]] de [[18821875]] &mdash; [[Lisboa]], ?[[21 de março]] de [[1962]]) foi uma [[Escritor|escritora]], [[Tradução|tradutora]] de obras da [[Literatura da Europa|literatura europeia]], [[Desenhista|ilustradora]], [[Pintura|pintora]], [[Partido Republicano Português|militante republicana]] e [[Feminismo|feminista]] portuguesa. Foi também fundadora e directora da revista "''Moda Ilustrada''", uma das primeiras publicações femininas em Portugal. Foi casada com o escritor republicano [[Faustino da Fonseca]].<ref name=":0">{{Citar web |ultimo= |primeiro= |url=http://www.culturacores.azores.gov.pt/biblioteca_digital/ALBUMACORIANO-1903/ALBUMACORIANO-1903_item1/P490.html |titulo=Álbum Açoriano (1903): Faustino da Fonseca e Virgínia da Fonseca |data= |acessodata= |website=Centro de Conhecimento dos Açores |publicado=}}</ref><ref>[http://www.culturacores.azores.gov.pt/ea/pesquisa/Default.aspx?id=6901 Nota biográfica na ''Enciclopédia Açoriana''].</ref><ref>{{Citar web |ultimo=Couto |primeiro=António |url=https://philangra.blogspot.com/2019/10/faustino-da-fonseca-1871-1918.html |titulo=História e Memória: Faustino da Fonseca (1871-1918) |data=2019 |acessodata= |website=História e Memória |publicado=}}</ref><ref name="enciclo">[http://www.culturacores.azores.gov.pt/ea/pesquisa/Default.aspx?id=6901 «Fonseca, Virgínia da» na ''Enciclopédia Açoriana''].</ref>
==Biografia==
 
=== Nascimento e Família ===
Nascida Maria Virgínia Teixeira de Sousa Adão na freguesia deda Santa[[Nossa LuziaSenhora da Conceição (Angra do Heroísmo)|Conceição]] da cidade de [[Angra do Heroísmo]], na [[ilha Terceira]] do arquipélago dos [[Açores]], a [[2214 de outubro]] de [[18821875]],<ref name="enciclo:1">{{Citar web |url=http://culturacores.azores.gov.pt/biblioteca_digital/TER-AH-CONCEICAO-B-1873-1876/TER-AH-CONCEICAO-B-1873-1876_item1/P157.html |titulo=Registos Paroquiais - Batismos (1873-1876) da paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Angra do Heroísmo |website=culturacores.azores.gov.pt |publicado=Centro de Conhecimento dos Açores |pagina=45, assento 1 de 1876}}</ref>, Virgínia era proveniente de uma família da alta [[burguesia]], sendo filha de JoaquimJosé de Sousa Adão, natural do município de [[Itaguaí]], no estado do [[Rio de Janeiro]], empresário e proprietário de lojas, que partiu quando esta era ainda jovem para os [[Estados Unidos|Estados Unidos da América]],<ref>[http://ihit.pt/codeigniter/assets/upload/pdf/b97c52da1d7174a7c91b2f3c15da9607.pdf BIHIT].</ref> e de Elvira Adelaide Teixeira, natural da mesma freguesia de nascimento da filha. Era sobrinha de António de Sousa Adão, proprietário da extinta Casa Adão em Angra do Heroísmo.<ref>{{Citar web |ultimo= |primeiro= |url=http://www.icpd.pt/arquivo/ver.php?id=283 |titulo=Arquivo: Rua da Sé {{!}} Casa Adão - Angra do Heroísmo (Terceira, Açores) |data=2018 |acessodata= |website=Instituto Cultural de Ponta Delgada |publicado= |lingua=pt}}</ref> Muito cedo revelou interesse e talento pelas [[Arte|artes]] e para as [[letras]], dominando várias línguas como o espanhol, francês e italiano. Posteriormente, fixando-se em [[Lisboa]], tornou-se discípula do pintor [[António Tomás da Conceição Silva]].<ref>{{Citar livro|url=https://books.google.pt/books?id=XBkXAQAAMAAJ&q=virginia+da+fonseca+pintora&dq=virginia+da+fonseca+pintora&hl=pt-PT&sa=X&ved=2ahUKEwiN75TC0JvtAhWQiFwKHQ16BwUQ6AEwA3oECAgQAg|título=Boletim|data=1965|editora=Instituto Histórico da Ilha Terceira|lingua=pt-BR}}</ref>
 
=== Casamento ===
NaA década[[10 de maio]] de [[18901899]], Virgínia casou-se civilmente em Lisboa com o [[escritor]] e [[jornalista]] republicano e açoriano [[Faustino da Fonseca]], natural da sua cidade natal, com o qual teve dois filhos.<ref name=":1" /><ref>[http://grandeguerra.bnportugal.pt/pdf/1918/out/1918-10-24_J-4752-G_0000.pdf B. N. de Portugal].</ref>
 
=== Carreira Artística ===
Após se casar, frequentou algumas tertúlias do antigo e ilustre [[Grupo do Leão]] e participou nas exposições do [[Grémio Artístico]] de [[1896]]<ref>{{Citar web |ultimo= |primeiro= |url=http://tribop.pt/TPd/Expo%201896%20ARG |titulo=6ª Exposição do Grémio Artístico de Lisboa (1896) |data= |acessodata= |website=Tribo dos Pincéis |publicado=}}</ref> e de [[1897]]<ref>{{Citar periódico |url=https://repositorio-tematico.up.pt/handle/10405/983 |titulo=Catalogo illustrado da 7ª exposição de arte promovida pelo Grémio Artístico |data=1897 |acessodata= |jornal=Universidade do Porto {{!}} Repositório Temático |publicado= |ultimo=Artístico |primeiro=Grémio}}</ref>, que contou com a participação de alguns dos mais ilustres pintores e escultores portugueses de então, tais como [[José Malhoa]], [[Alfredo Roque Gameiro]], [[António Teixeira Lopes|António]] e [[José Joaquim Teixeira Lopes]], [[Fanny Munró]], [[Veloso Salgado|José Veloso Salgado]], [[Carlos António Rodrigues dos Reis|Carlos Reis]], [[Maria Augusta de Prostes Bordalo Pinheiro|Maria Augusta]] e [[Columbano Bordalo Pinheiro]], [[José de Brito]], [[Emília dos Santos Braga]], [[Jorge Colaço]], [[Josefa Garcia Greno]] e [[Alfredo de Morais]], entre muitos outros.<ref>{{Citar livro|url=https://books.google.pt/books?id=83ovAQAAMAAJ&q=virginia+da+fonseca+pintora&dq=virginia+da+fonseca+pintora&hl=pt-PT&sa=X&ved=2ahUKEwiN75TC0JvtAhWQiFwKHQ16BwUQ6AEwBXoECAAQAg|título=A patria açoreana|ultimo=Lima|primeiro=Gervásio|data=1928|editora=Tip. Editora Açoreana de Manuel de Freitas Mariano|lingua=pt-BR}}</ref>
 
No campo artístico, durante os anos que se seguiram, continuou a exibir as suas obras em vários salões e galerias, tendo ainda participado em algumas exposições colectivas no [[Ateneu Comercial de Lisboa]], ou ainda colaborado no ramo da [[ilustração]] com várias revistas, periódicos e em diversos livros, sendo mais reconhecida pelas ilustrações e capas realizadas para as obras literárias do seu marido, como na capa da primeira edição do romance histórico "''Inês de Castro''" ([[1900]]).<ref>{{Citar livro|url=https://books.google.pt/books?id=rjkaAQAAIAAJ&q=%22virginia+da+fonseca%22+lisboa&dq=%22virginia+da+fonseca%22+lisboa&hl=pt-PT&sa=X&ved=2ahUKEwiOlu7O7ZvtAhVNXMAKHW_3D1U4ChDoATADegQIABAC|título=La Lectura|data=1902|lingua=es}}</ref><ref>{{Citar web |ultimo= |primeiro= |url=http://www.gutenberg.org/files/21290/21290-h/21290-h.htm |titulo=Os Bravos Do Mindello de Faustino Da Fonseca |data=2007 |acessodata= |website=The Project Gutenberg EBook |publicado=}}</ref>[http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/Seroes/1902/N009/N009_master/SeroesN9.PDF]
 
=== Republicanismo e Feminismo ===
De ideais [[Republicanismo|republicanos]] e pelos [[Direitos da mulher|direitos das mulheres]], no início do [[século XX]] tornou-se militante da [[Liga Republicana das Mulheres Portuguesas|Liga Republicana das Mulheres Portuguesas (LRMP)]], liderada pela activista e autora [[Ana de Castro Osório]], merecendo ter a sua fotografia e nota biográfica incluída no periódico de publicação trimestral "''[[Álbum Republicano]]"'' de outubro de [[1908]].<ref>{{Citar web |ultimo= |primeiro= |url=http://purl.pt/16621 |titulo=Album Republicano, Lisboa, 1908 |data= |acessodata= |website=Biblioteca Nacional Digital |publicado=}}</ref>
 
Ainda antes da [[Primeira República Portuguesa]], foi dirigente da comissão de [[propaganda]] feminista da Liga Republicana das Mulheres Portuguesas, e após a [[implantação da República Portuguesa]] participou em diversas acções e petições da liga feminista, sendo ainda subscritora da mensagem entregue a [[José Relvas]], elogiando o ministro pela admissão de mulheres em empregos do Estado,<ref name="sm">[http://silenciosememorias.blogspot.pt/2014/01/0465-virginia-da-fonseca.html Silêncios e memórias : Virgínia da Fonseca].</ref> assim como, juntamente com [[Carolina Beatriz Ângelo]], [[Adelaide da Cunha Barradas]], [[Ana de Castro Osório]] e [[Rita Dantas Machado]], entre outras militantes feministas, fez parte da representação que a [[3 de fevereiro]] de [[1911]] apresentou a [[Teófilo Braga]] as suas exigências para que o [[Sufrágio|direito ao voto]] fosse reconhecido às mulheres economicamente independentes na [[Constituição portuguesa de 1911|Constituição da República]], então em elaboração.<ref>{{Citar livro|url=https://books.google.pt/books?hl=pt-PT&id=TBxHAQAAMAAJ&dq=liga+republicana+virg%C3%ADnia+fonseca&focus=searchwithinvolume&q=virg%C3%ADnia+fonseca|título=Boletim das bibliothecas e archivos nacionaes|data=1911|lingua=pt-BR}}</ref>
 
=== Carreira Literária ===
No campo da literatura, publicou inúmeras traduções em português de obras de [[Miguel de Cervantes]], [[Charles-François de Ladoucette]], [[Charles Mérouvel]], [[Leon Tolstoi]], [[Piotr Kropotkin|Piotr Kropotkine]] e [[Alessandro Manzoni]], entre outros. Trabalhou também como repórter e crítica de arte na secção sobre eventos artísticos e culturais da revista semanal "''[[Serões (revista)|Serões]]''"<ref>{{Citar web |ultimo= |primeiro= |url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Indice/IndiceAutores/FONSECA_Virginiada.htm |titulo=Índice de autores {{!}} Fonseca, Virgínia da |data= |acessodata= |website=Hemeroteca Digital {{!}} Câmara Municipal de Lisboa |publicado=}}</ref>, e foi fundadora e directora da revista "''[[Moda Ilustrada]]"'' ([[1901]]-[[1903]]), uma das primeiras publicações periódicas portuguesas dirigida ao público feminino.<ref>{{Citar livro|url=https://books.google.pt/books?id=luwWAAAAYAAJ&q=%22virginia+da+fonseca%22+lisboa&dq=%22virginia+da+fonseca%22+lisboa&hl=pt-PT&sa=X&ved=2ahUKEwj88a-Y7ZvtAhXSTcAKHersD5QQ6AEwB3oECAAQAg|título=Almanach Bertrand|data=1902|editora=Aillaud e Bertrand|lingua=pt-BR}}</ref>
 
=== Falecimento ===
Em [[1918]], Faustino da Fonseca faleceu, deixando Virgínia viúva.<ref>{{Citar livro|url=https://books.google.pt/books?id=hT4_AQAAMAAJ&q=faustino+fonseca+falecimento&dq=faustino+fonseca+falecimento&hl=pt-PT&sa=X&ved=2ahUKEwjg9tmy0pvtAhUbilwKHaELBXsQ6AEwAXoECAcQAg|título=Illustração portugueza|data=1918|lingua=pt-BR}}</ref>
 
Virgínia faleceu a [[21 de março]] de [[1962]], aos 86 anos, no quarto andar, número 129, da [[Avenida da Liberdade (Lisboa)|Avenida da Liberdade]], freguesia de [[Coração de Jesus (Lisboa)|Coração de Jesus]], em Lisboa, vítima de [[insuficiência cardíaca]]. Encontra-se sepultada em jazigo, no [[Cemitério dos Prazeres]], em Lisboa.<ref>{{Citar web |url=https://digitarq.arquivos.pt/ViewerForm.aspx?id=7665666 |titulo=Livro de registo de óbitos da 7ª Conservatória do Registo Civil de Lisboa (31-12-1961 a 11-05-1962) |website=digitarq.arquivos.pt |publicado=Arquivo Nacional da Torre do Tombo |pagina=81 verso, assento 160}}</ref>
Desconhece-se a data da sua morte ou o local de sepultamento.
 
== Referências ==
1 317

edições