Diferenças entre edições de "Paul Wegener"

8 bytes removidos ,  00h27min de 29 de novembro de 2021
Pequenos ajustes
m (+wikidata)
(Pequenos ajustes)
 
| morte_local = [[Berlim]], Alemanha
}}
'''Paul Wegener''' (Arnoldsdorf, [[11 de dezembro]] de [[1874]] – Berlim, [[13 de setembro]] de [[1948]]) foi um ator, escritor e diretor de cinema  alemão conhecido por seu papel pioneiro no cinema  [[Expressionismo alemão|expressionista]]  alemão.
 
== Carreira no teatro e início do cinema ==
Com 20 anos de idade, Wegener decidiu terminar seus estudos de direito e concentrar-se na atuação, fazendo turnê pelas províncias, antes de ingressar na  trupe de atores de  [[Max Reinhardt]], em 1906. Em 1912, ele voltou-se para o nascente meio do cinema e apareceu na versão de 1913 de ''O Estudante de Praga''. Foi ao fazer este filme que ele ouviu pela primeira vez a velha  lenda judaica do [[Golem]] e começou a adaptar a história para filme, co-dirigindo e co-escrevendo o roteiro com Henrik Galeen. Sua primeira versão do conto '', Der Golem'' (1915, hoje perdido), foi um sucesso e firmemente estabeleceu a reputação de Wegener. Em 1917, ele fez uma paródia da história chamada  ''Der Golem und die Tänzerin'', mas foi a sua reformulação do conto, ''[[Der Golem, wie er in die Welt kam]]''  (1920), que se destacou como um dos clássicos do cinema alemão, e ajudou a cimentar o lugar de Wegener na história do cinema.
 
Outro de seus primeiros filmes foi ''Der Yoghi'' (1916), no qual ele interpretou o papel de um [[iogue]]  e jovem inventor, e que lhe proporcionou a oportunidade para acomodar três de seus interesses, truques de fotografia (ele foi um dos primeiros filmes a  apresentar invisibilidade), o sobrenatural e  [[Misticismo|misticismo oriental]].
 
== Anos finais no cinema ==
Em 1926, ele apareceu em seu único filme de Hollywood, ''[[The Magician (1926)|The Magician]],  de  [[Rex Ingram]]  '', no qual ele interpretou o mago inspirado em  [[Aleister Crowley]]  Oliver Haddo em uma adaptação do conto de  [[W. Somerset Maugham|Somerset Maugham]], seguido  por ''The Strange Case of Captain Ramper'' em 1927. Em 1928, ele estrelou ao lado de [[Brigitte Helm]]  em ''Alraune'', do conto de  [[Hanns Heinz Ewers]],dirigida por  seu antigo colaborador Henrik Galeen, interpretando o Professor  ten Brinken.
 
Em 1932 Wegener fez sua estreia em filmes falados com a  [[Humor negro|comédia de humor negro]]/[[filme de terror]] ''Unheimliche Geschichten'', de Richjard Oswald, em que ele caçoou de si mesmo, assim como de todo o [[Expressionismo alemão|género de filme expressionista]].<sup>&#x5B;</sup><sup id="cx" tabindex="0">[[Wikipédia:Livro de estilo/Cite as fontes|''carece&nbsp;de fontes'']]<span class="printfooter">?</span>&#x5D;</sup>
 
== Vida sob o regime Nazista ==
[[Imagem:Fotothek_df_pk_0000018_030_Paul_Wegener_in_der_Titelrolle,_Agathe_Poschmann_als_Recha,_Kai_Möller_als_Sulta.jpg|direita|miniaturadaimagem|Wegener, no papel de &nbsp;[[Nathan, o Sábio]], com Gerda Müller (de pé) e Agathe Poschmann em Berlim]]
Quando, em 1933, os [[Nazismo|Nacional-Socialistas]]  ganharam proeminência política, companhias de teatro foram dissolvidas e muitos atores e diretores foram presos, perseguidos e exilados. No entanto Wegener tornou-se ator de estado e apareceu em [[Propaganda nazi|filmes de propaganda nazista]] , como ''Mein Leben für Irland''  em 1941 e ''Kolberg'', um filme de propaganda épica de 1944-45 sobre as [[Guerras Napoleônicas]].<ref>[http://movies.msn.com/movies/movie/der-student-von-prag.1/]</ref> Na realidade ele tinha uma posição antinazista, doando dinheiro para grupos de resistência, ocultando pessoas vulneráveis em seu apartamento e escrevendo slogans anti-Hitler nas paredes.<sup>&#x5B;</sup><sup id="cx" tabindex="0">[[Wikipédia:Livro de estilo/Cite as fontes|''carece&nbsp;de fontes'']]<span class="printfooter">?</span>&#x5D;</sup>
 
Como fim da guerra, Wegener foi um dos primeiros a reconstruir a vida cultural de [[Berlim]]. Ele apareceu no papel-título em uma produção de Lessing: "[[Nathan, o Sábio]]" no [[Deutsches Theater]] em Berlim, em setembro de 1945.<ref name="pic">[[c:File:Fotothek_df_pk_0000018_027_Paul_Wegener_in_der_Titelrolle,_Agathe_Poschmann_als_Recha,_Kai_Möller_als_Sulta.jpg|photo]], from the Berlin production, Retrieved 27 July 2015</ref> Apesar de mal de saúde, ele se tornou presidente de uma organização para melhorar os padrões para os seus habitantes.
 
== Vida pessoal ==
Ele foi casado seis vezes, em terceiro lugar e sexto lugar, com a atriz Lyda Salmonova (sua co-estrela em várias ocasiões), que se tornou sua viúva. Sua quarta esposa foi [[Greta Schröder]] (anteriormente casada com o dançarino Ernst Matray), que interpretou a protagonista de principal de  [[Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens|Nosferatu]]  de  [[F. W. Murnau]] (1922). O [[geógrafo]] [[Alfred Wegener]] era seu primo e o [[físico]] Prof. Peter P. Wegener, seu filho.
 
== Final de carreira e morte  ==
O último filme de Wegener foi ''Der Grosse Mandarim'' (1948). Em julho de 1948, ele reprisou seu antigo papel como ''[[Nathan, o Sábio]]'' no Deutschen Theatre, mas na primeira cena ele caiu e a apresentação foi interrompida. Dois meses depois, em 13 de setembro de 1948, ele morreu durante o sono.
 
{{Referências}}
 
== Leitura complementarBibliografia ==
* Monty Jacobs: ''Der Schauspieler Paul Wegener''. Verlag Erich Reiß, Berlin [ca. 1924]
* Kai Möller, ed.: ''Paul Wegener. Sein Leben und seine Rollen''. Rowohlt, Hamburg 1954
* Heide Schönemann: ''Paul Wegener. Frühe Moderne im Film''. Menges, Stuttgart 2003 {{ISBN|3-932565-14-2}}
* Hans Günther Pflaum: 'Kinetische Lyrik. P. W.s "Rübezahls Hochzeit" 1916' in: Peter Buchka, ed.: ''Deutsche Augenblicke. Eine Bilderfolge zu einer Typologie des Films'' (Reihe: "Off-Texte" 1, des Münchener Filmmuseums) Belleville, München 1996 {{ISBN|3-923646-49-6}}
* Hans Günther Pflaum: 'Ins eigene Herz. P. W.s "Student von Prag" 1919' in: Peter Buchka, ed.: ''Deutsche Augenblicke''; pp.&nbsp; 20f.
 
== Ligações externas ==
* [http://film.virtual-history.com/person.php?personid=1009 Fotografias e literatura]
 
{{Portal3|Cinema|Biografias}}
{{controle de autoridade}}
 
[[Categoria:Nascidos em 1874]]
3 300

edições