Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais: diferenças entre revisões

m
Simplifiquei o texto da Diretora de Hidrologia e gestão Territorial e do Diretor Presidente.
Etiquetas: Revertida Editor Visual Expressão problemática Provável parcialidade
m (Simplifiquei o texto da Diretora de Hidrologia e gestão Territorial e do Diretor Presidente.)
Etiquetas: Revertida Editor Visual Hiperligações de desambiguação
 
==== DIRETOR PRESIDENTE ====
'''''[http://www.cprm.gov.br/publique/Noticias/Esteves-Pedro-Colnago-assume-presidencia-do-Servico-Geologico-do-Brasil-4779.html Esteves Pedro Colnago]''''' Esteves Pedro Colnago nasceu em Colatina,Itarana/[[Espírito noSanto dia(estado)|Espírito Santo]], em [[27 de março]] de [[1943,]]. É [[engenheiro agrônomo]] formado pela [[Universidade Federal de Viçosa|Universidade Federal de Viçosa (UFV)]], em [[Minas Gerais]], no ano de 1966. Hoje é diretor-presidente do SGB - Serviço Geológico do Brasil (SGB- CPRM), cargo que exerceocupa desde fevereirooutubro de 20182017.
 
FormadoSua emtrajetória 1966 pela Universidade Federal de Viçosa (UFV),profissional começou sua trajetória profissional em 1967, no estadocargo do Amazonas. Foide secretário executivo da Associação de Crédito e Assistência Rural do estadoEstado do [[Amazonas]], promovendono açõesperíodo de extensionismo1973 rurala 1975, culminando com suaações designaçãono paraextensionismo Secretário-Executivorural. daquele órgão entre 1973 e 1975.
 
Em seguida, ocupou a Secretaria de Produção Rural do Estado do Amazonas (Secretaria da [[Agricultura]]), dode Governo1975 doa Estado1977, na qual implantou o Conselho de Desenvolvimento Agropecuário do Amazonas (CODEAGRO). Implementou a Coordenadoria Estadual de 1975Planejamento Agrícola (CEPA/AM), formulou e obteve a 1977aprovação da nova Lei Estadual de Terras e, ondeem implantouconsequência, instaurou o ConselhoInstituto de Terras do Amazonas (ITEAM). Criou e estabeleceu a Companhia de Desenvolvimento AgropecuárioAgrário do Estado do Amazonas –CODEAGRO(CODEAGRO), com as funções de fomento, beneficiamento e armazenamento de produtos e origem rural, além de muitas outras realizações importantes para o setor agropecuário daquele estado.
 
Em 1978, ingressou na iniciativa privada, coordenando projetos dentro e fora do país para a empresa Construtora [[Grupo Andrade Gutierrez|Andrade Gutierrez S/A]], até 2003. De 2003 a 2017, constituiu e administrou empresa de consultoria institucional e de prestação de serviços, em Brasília, onde agora é residente.
Colnago foi responsável pela organização da Coordenadoria Estadual de Planejamento Agrícola – Cepa; formulou e obteve a aprovação da nova Lei de Terras e, em consequência, implantou o Instituto de Terras do Amazonas – Iteram, além de muitas outras realizações importantes para o setor agropecuário daquele estado.
 
VoltouRetornou ao [[serviço público]], assumindo a Diretoria de Relações Institucionais e Desenvolvimento do Serviço Geológico do Brasil, empresa pública ligada ao [[Ministério de Minas e Energia]], em agostomarço de 2017. Neste mesmo ano, ocomo diretor de área do SGB-CPRM, deucorroborou iníciocom àas ações de implantação da [[infraestrutura]] tecnológica de servidores e armazenamento nas 27 unidades regionais, transformadas e padronizadas com apoio da RNP.Rede Nacional de Ensino e Pesquisa ([[Rede Nacional de TambémEnsino forame inauguradosPesquisa|RNP]]). Inaugurou em Caeté, Minas Gerais,(MG) o novo Laboratório Analítico da Rede LAMIN-Caeté e a Litoteca Regional. A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Combustíveis (ANP) credenciou o SGB-CPRM como unidade de pesquisa. Neste mesmo ano, também apoiou o início do processo de gestão estratégica da empresa.
O passo seguinte ocorreu na iniciativa privada, especificamente na construtora Andrade Gutierrez S/A, onde foi responsável pela coordenação de inúmeros projetos dentro e fora do país. De 2004 a 2010, Colnago realizou atividades de consultoria técnico-profissional.  De 2011 a 2017, constituiu e administrou empresa de prestação de serviços em Brasília, onde é residente.
 
Viabilizou o credenciamento do SGB-CPRM como uma Instituição de Ciência e Tecnologia – ICT, e propôs a assinatura de Acordo de Cooperação com a [[Petrobras|Petrobrás]] e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Combustíveis ([[Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis|ANP]]) para o desenvolvimento de ações em Ciência, Tecnologia e Inovação, no ambiente da mineração e de energia. Participou afirmativamente do início do processo de gestão estratégica da empresa.
Voltou ao serviço público, assumindo a Diretoria de Relações Institucionais e Desenvolvimento do Serviço Geológico do Brasil, empresa pública ligada ao Ministério de Minas e Energia, em agosto de 2017. Neste mesmo ano, o SGB-CPRM deu início à infraestrutura tecnológica de servidores e armazenamento nas 27 unidades regionais transformadas e padronizadas com apoio da RNP. Também foram inaugurados em Caeté, Minas Gerais, o novo Laboratório Analítico da Rede LAMIN-Caeté e a Litoteca Regional. A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Combustíveis (ANP) credenciou o SGB-CPRM como unidade de pesquisa. Neste mesmo ano, também apoiou o início do processo de gestão estratégica da empresa.
 
A partir de resultados exitosos, em outubro dode mesmo ano Colnago2017, acumulou as funções de diretor e diretor-presidente, sendo efetivado diretor-presidente a partir deem fevereiro de 2018. EsteAinda foino o anoinício de lançamentosua dogestão foi lançado o periódico científico do Serviço Geológico do Brasil, o Journal of the Geological Survey of Brazil (JGSB). TambémFirmou em 2018, o SGB-CPRM assinou umaa parceria com a Agência Nacional de Mineração ([[Agência Nacional de Mineração|ANM]]) para agregar conhecimento geológico ao lote de 20 mil áreas em disponibilidade.
 
O ano de 2019 ficou marcado pela tragédia em [[Brumadinho]] (MG). Sob asua gestão de Colnago, o SGB-CPRM realizou Levantamentos Geoquímicos Ambientais, que permitiram analisar a gravidade e esclarecer inúmeras informações errôneas divulgadas pela imprensa sobre o rompimento da [[barragem]]. Assinaturas de acordos também marcaram a gestão do SGB-CPRM emneste 2019ano, quando a empresa firmouestabeleceu parceria com a Petrobras e ANP para a execução de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) de melhoria de infraestrutura laboratorial, o que possibilitou a entrada do Serviço Geológico do Brasil no setor de [[petróleo]] e gás.
 
TambémAinda em 2019, o Serviço Geológico do Brasil realizou estudos nos bairros de [[Maceió]] que sofreram com o afundamento de solos e apontou a mineração de sal-gema pela [[Braskem]] como causa do problema. No mesmo ano, juntamente com a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico ([[Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico|ANA]]), o SGB-CPRM lançou um inédito manual para padronizar a operação de estações hidrométricas da Rede Hidrometeorológica Nacional.
 
No ano de 2020, o MME instituiu o Programa [[Mineração]] e Desenvolvimento, contemplando o Serviço Geológico do Brasil no projeto Patrimônio Mineral Brasileiro. O SGB-CPRM também lançou um mapamapas on-line que permitepermitem visualizar áreas com riscos de desastres no Brasil;. aA plataforma interativa reúne informações sobre áreas com riscos alto e muito alto risco de deslizamentos de terra, inundações, enxurradas e queda de rochas, em mais de 1.600 municípios brasileiros. Além disso, foi finalizado um o novo mapa geológico do [[Ceará]], com a atualização do conhecimento geológico do estado.
 
EmDesde 2021, Colnago está direcionando o trabalho de reestruturação do SGB-CPRM. Os principais pilares da mudança na empresa serãosão a ênfase nano projetizaçãoredesenho da operação organizacional, a racionalização dos níveis hierárquicos e das posições de liderança, a integração de áreas e equipes da empresa, a orientação apara resultados pertinentesrelacionados aos seus clientes, a agilidade de ações traduzida em uma estrutura leve somada a práticas e processos otimizados,. e oO fortalecimento da pesquisa, desenvolvimento e inovação e da identidade dedo Serviço Geológico Brasileiro também estão contemplados serviçonesse geológiconovo nacionalmomento da instituição.
 
==== DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL (DHT) ====
'''''[https://www.cprm.gov.br/publique/NoticiasSobre/MulheresEstrutura-nasOrganizacional/Alice-Geociencias%3ASilva-primeira-mulher-na-Diretoria-Executiva%2C-Alicede-Castilho-quer-priorizar-parcerias-estrategicas-63256323.html Alice Silva de Castilho]''''' é uma geocientista brasileira. DiretoraA deprimeira Hidrologiamulher ea Gestãoocupar Territorialcargo na Diretoria Executiva do Serviço Geológico do Brasil. Engenheira Civil e Mestre formada pela Universidade Federal de Minas Gerais (SGB-CPRMUFMG) direciona a área de Hidrologia e Gestão Territorial, cargo que ocupa desde 2020. Informações complementares no [http://lattes.cnpq.br/1131392799443646 Currículo Lattes.]
 
Alice é formada em Engenharia Civil, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) onde também fez mestrado em Recursos Hídricos. Especialista em Saneamento pela PUC/MG, e Especialista em Instrumentos Jurídicos, Econômicos e Institucionais para o Gerenciamento de Recursos Hídricos pela UFPB. É Pesquisadora em Geociências do SGB-CPRM em dois períodos distintos: 1994 a 2005 e 2013 até atualmente.
 
Iniciou sua carreira em 1994 como engenheira hidróloga no SGB-CPRM em 1994;  de 2003 a 2005 foi gerente de Hidrologia e Gestão Territorial da Superintendência Regional de Belo Horizonte. Atuou nas áreas de planejamento e operação da Rede Hidrometeorológica Nacional; projetos de avaliação de disponibilidade hídrica; concepção, implantação e operação do Sistema de Alerta de Enchentes da Bacia do Rio Doce; definição da planície de inundação da cidade de Governador Valadares. Em 2002, foi agraciada com a Medalha de Honra da Defesa Civil de Minas Gerais por sua atuação frente ao sistema de alerta da bacia do rio Doce.
 
Em novembro de 2005, Alice desligou-se do SGB-CPRM para atuar como engenheira em projetos e estudos ambientais principalmente voltados para a área de mineração na Golder Associates, onde foi gerente de vários projetos e líder da área de recursos hídricos, composta pelas equipes de Hidrologia, Hidrogeologia e Geoquímica.
 
Trabalhou no Ministério da Integração Nacional, como especialista em infraestrutura, no acompanhamento da implantação de projetos de irrigação no Brasil. Também atuou na Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA), no cargo de analista de recursos hídricos, na operação de redes hidrológicas e identificação de mananciais de abastecimento no estado de Minas Gerais.
 
Em dezembro de 2013, retornou ao SGB-CPRM, onde tem trabalhado no Departamento de Hidrologia (DEHID), com sistemas de alerta de eventos críticos; em especial, da estiagem na região Sudeste; estudos hidrogeológicos integrados (Região do Aquífero Urucuia, Região Metropolitana de São Luís e bacia do rio Carinhanha); registro dos impactos da ruptura de barragem de rejeitos (Fundão e Córrego do Feijão); definição e implantação da Rede Hidrometeorológica Nacional de Referência – RHNR. Em 2016, foi nomeada coordenadora executiva do DEHID, atuando como substituta do chefe do Departamento.
 
==== DIRETORIA DE GEOLOGIA E RECURSOS MINERAIS (DGM) ====
 
Atualmente, lidera o projeto de elaboração do Plano de Rearranjo Estrutural do SGB-CPRM, com o objetivo de torná-la mais dinâmica e moderna, preparando a instituição para fazer frente aos acordos e projetos em parceria com a Petrobras e ANP, além de buscar o aumento da eficiência, a racionalização dos gastos e a otimização dos processos de trabalho.
 
 
{{Referências}}
6

edições