Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais: diferenças entre revisões

m
Foram revertidas as edições de Carla CM Moss para a última revisão de Fgnievinski, de 2021-08-19T00:00:09 (UTC)
m (Simplifiquei o texto da Diretora de Hidrologia e gestão Territorial e do Diretor Presidente.)
Etiquetas: Revertida Editor Visual Hiperligações de desambiguação
m (Foram revertidas as edições de Carla CM Moss para a última revisão de Fgnievinski, de 2021-08-19T00:00:09 (UTC))
Etiqueta: Reversão
{{Info/Empresa
|nome_empresa = SGBCPRM - Serviço Geológico do Brasil - CPRM
|razao_social = Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais
|logo = [[File:NovalogosgbCPRM_(2015).png|thumb|Novalogosgb]]jpg
|logo_tamanho =
|tipo_empresa = [[Empresa pública|Pública]]
|fundação = [[15 de agosto]] de [[1969]] (CPRM)
[[28 de dezembro]] de [[1994]] (SGB)
|sede = [[Brasília]], [[Brasil]]
|presidente = Esteves Pedro Colnago
|num_empregados = 1555<ref>[http://transparencia.gov.br{{Ligação inativa|1={{subst:DATA}} }}]</ref>
|produtos = Mapas geológicos, hidrogeológicos e de risco; avaliação de recursos minerais; análises químicas; levantamentos aerogeofísicos e terrestres
|página = [http://www.cprm.gov.br www.cprm.gov.br]
}}
A '''Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais''' ('''CPRM''') é uma empresa governamental [[brasil]]eira, vinculada ao [[Ministério de Minas e Energia]], que tem as atribuições de Serviço [[Geologia|Geológico]] do Brasil. Sua missão básica é "Gerar e disseminar conhecimento geocientífico com excelência, contribuindo para melhoria da qualidade de vida e desenvolvimento sustentável do Brasil".
 
== Histórico ==
A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais foi instituída através do decreto-lei nº 764, de 15 de agosto de 1969, como empresa de [[economia mista]] vinculada ao Ministério de Minas e Energia com a missão estratégica de organizar e sistematizar o conhecimento geológico do Brasil. A empresa executava os programas do Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM, do Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica - DNAEE e ainda vendia no mercado serviços de sondagens para água e pesquisa mineral.
 
ACircunstâncias estagnaçãoconjunturais econômicadifíceis, sofridaespecialmente pelaa Américapartir Latinada nasegunda décadametade dedos anos 80, levoulevaram a mudanças institucionais profundas. Emna vida da CPRM, culminando, em 1994, com a [http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1989_1994/l8970.htm Lei 8.970], a CPRMque alterou o regime jurídico vigente para [[empresa pública]]. ODo focoponto institucionalde voltou-sevista parade parceriasatuação, comessa outrosdata órgãosencerra dao administraçãociclo públicada nasempresa esferasprestadora federal,de estadualserviços e municipal.inicia Asa atividadesera dedo sondagemServiço deGeológico solopropriamente edito. perfuraçãoO defoco poçosinstitucional sãovolta-se, substituídasdrasticamente, porpara pesquisas ema geologia e a hidrologia básicas, com o desenvolvimento simultâneoconcomitante das áreas de aplicação:aplicações, como geologia ambiental, [http://www.cprm.gov.br/publique/Hidrologia/Estudos-Hidrologicos-e-Hidrogeologicos-369 hidrogeologia] e [http://www.cprm.govriscos geológicos.br/publique/Gestao-Territorial/Prevencao Sai a atuação empresarial e fortalece-de-Desastres-38se riscosa geológicos]atuação em parcerias institucionais com objetivosoutros deórgãos usoda administração federal, estados e socialmunicípios.
 
== Atribuições ==
A partir dos anos 2000, o SGB passou por uma nova reestruturação com o planejamento estratégico focado em governança corporativa. Retomou importantes mapeamentos como os levantamentos [http://www.cprm.gov.br/publique/Geologia/Sensoriamento-Remoto-e-Geofisica-29 aerogeofísicos] e [http://www.cprm.gov.br/publique/Geologia/Geologia-Basica-26 geológico básicos].  O uso de novas tecnologias e inovações foi incentivado para uso na coleta e divulgação de dados geocientíficos.
* Subsidiar a formulação da política mineral e geológica, participar do planejamento, da coordenação e executar os serviços de geologia e hidrologia de responsabilidade da União em todo o território nacional;
 
* Estimular o descobrimento e o aproveitamento dos recursos minerais e hídricos do País;
Em 09 de fevereiro de 2022, a empresa lança a nova identidade visual consolidando a evolução de CPRM para SGB - Serviço Geológico do Brasil. A marca demonstra o reposicionamento da empresa como Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT) e reafirma o compromisso de transformar a sociedade por intermédio das [[Geociência|geociências]] e da conexão de pesquisa, gestão pública e sociedade civil.
* Orientar, incentivar e cooperar com entidades públicas ou privadas na realização de pesquisas e estudos destinados ao aproveitamento dos recursos minerais e hídricos do País;
 
= Atribuições =
As atribuições do SGB - Serviço Geológico do Brasil - CPRM abrangem todo território nacional e consistem em:
* Subsidiar com dados de pesquisas científicas e tecnológicas a formulação da política mineral e geológica;
* Participar do planejamento, da coordenação e execução dos serviços de geologia e hidrologia;
* Estimular o descobrimento e o aproveitamento dos recursos minerais e hídricos;
* Orientar, incentivar e cooperar com entidades públicas ou privadas na realização de pesquisas e estudos destinados ao aproveitamento dos recursos minerais e hídricos;
* Elaborar sistemas de informações, cartas e mapas que traduzam o conhecimento geológico e hidrológico nacional, tornando-o acessível aos interessados;
* Colaborar em projetos de preservação do meio ambiente, em ação complementar à dos órgãos competentes da administração publicas das esferas federal, estadual e municipal;
* Realizar pesquisas e estudos relacionados com os fenômenos naturais ligados à terra, tais como terremotos, deslizamentos, enchentes, secas, desertificação e outros, bem como os relacionados à Paleontologia e à Geologia Marinha;
* Ampliar o conhecimento geofísico de todo o território nacional através de aquisições aéreas (executadas desde 1953,<ref>{{citar web|URL = http://www.cprm.gov.br/aero/aero.htm|título = CPRM, Divisão de Geofísica. Catálogo de Projetos Aerogeofísicos|data = |acessadoem = |autor = |publicado = }}</ref> ), em parceria com demais instituições públicas, e realizar levantamentos terrestres, comos oquais objetivotem depor objetivos atender às diretrizes dos projetos desenvolvidos institucionalmente. Com isso o papel da geofísica é sugerir, integrar e melhorar informações geológicas, seja para o mapeamento e análise de áreas de risco, como na avaliação de recursos minerais.
 
== Unidades RegionaisEstrutura ==
[[Imagem:Cprm.jpg|direita|thumb|300px|Entrada da '''CPRM''' na cidade do [[Rio de Janeiro (cidade)|Rio de Janeiro]].]]
Por se tratar de uma empresa pública federal, a CPRM conta com infraestrutura operacional instalada em todo o país, conforme listadas abaixo:
*'''Litotecas:''' Caçapava do Sul (RS), Feira de Santana (BA), Mossoró (RN).
*'''Subsidiárias:''' Centro de Controle da Poluição na Mineração (Cecopomin).
 
== Estrutura Organizacional ==
O Serviço Geológico do Brasil - CPRM está vinculado ao Ministério de Minas e Energia – MME, através da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral – SGM.
 
* Ministro de Estado de Minas e Energia: Bento Albuquerque
* Secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral: Pedro Paulo Dias Mesquita
 
Versão em PDF da estrutura organizacional do SGB - Serviço Geológico do Brasil - CPRM.
 
'''[http://www.cprm.gov.br/publique/media/sobre/organograma_2019.pdf Organograma]'''
 
=== DIRETORIA EXECUTIVA ===
 
==== DIRETOR PRESIDENTE ====
'''''[http://www.cprm.gov.br/publique/Noticias/Esteves-Pedro-Colnago-assume-presidencia-do-Servico-Geologico-do-Brasil-4779.html Esteves Pedro Colnago]''''' Esteves Pedro Colnago nasceu em Itarana/[[Espírito Santo (estado)|Espírito Santo]], em [[27 de março]] de [[1943]]. É [[engenheiro agrônomo]] formado pela [[Universidade Federal de Viçosa|Universidade Federal de Viçosa (UFV)]], em [[Minas Gerais]], no ano de 1966. Hoje é diretor-presidente do SGB - Serviço Geológico do Brasil - CPRM, cargo que ocupa desde outubro de 2017.
 
Sua trajetória profissional começou em 1967, no cargo de secretário executivo da Associação de Crédito e Assistência Rural do Estado do [[Amazonas]], no período de 1973 a 1975, com ações no extensionismo rural.
 
Em seguida, ocupou a Secretaria de Produção Rural do Estado do Amazonas (Secretaria da [[Agricultura]]), de 1975 a 1977, na qual implantou o Conselho de Desenvolvimento Agropecuário do Amazonas (CODEAGRO). Implementou a Coordenadoria Estadual de Planejamento Agrícola (CEPA/AM), formulou e obteve a aprovação da nova Lei Estadual de Terras e, em consequência, instaurou o Instituto de Terras do Amazonas (ITEAM). Criou e estabeleceu a Companhia de Desenvolvimento Agrário do Estado do Amazonas (CODEAGRO), com as funções de fomento, beneficiamento e armazenamento de produtos e origem rural, além de muitas outras realizações importantes para o setor agropecuário daquele estado.
 
Em 1978, ingressou na iniciativa privada, coordenando projetos dentro e fora do país para a empresa Construtora [[Grupo Andrade Gutierrez|Andrade Gutierrez S/A]], até 2003. De 2003 a 2017, constituiu e administrou empresa de consultoria institucional e de prestação de serviços, em Brasília, onde agora é residente.
 
Retornou ao [[serviço público]], assumindo a Diretoria de Relações Institucionais e Desenvolvimento do Serviço Geológico do Brasil, empresa pública ligada ao [[Ministério de Minas e Energia]], em março de 2017. Neste mesmo ano, como diretor de área do SGB, corroborou com as ações de implantação da [[infraestrutura]] tecnológica de servidores e armazenamento nas unidades regionais, transformadas e padronizadas com apoio da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa ([[Rede Nacional de Ensino e Pesquisa|RNP]]). Inaugurou em Caeté (MG) o novo Laboratório Analítico da Rede LAMIN e a Litoteca Regional.
 
Viabilizou o credenciamento do SGB-CPRM como uma Instituição de Ciência e Tecnologia – ICT, e propôs a assinatura de Acordo de Cooperação com a [[Petrobras|Petrobrás]] e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Combustíveis ([[Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis|ANP]]) para o desenvolvimento de ações em Ciência, Tecnologia e Inovação, no ambiente da mineração e de energia. Participou afirmativamente do início do processo de gestão estratégica da empresa.
 
A partir de outubro de 2017, acumulou as funções de diretor e diretor-presidente, sendo efetivado diretor-presidente em fevereiro de 2018. Ainda no início de sua gestão foi lançado o periódico científico do Serviço Geológico do Brasil, o Journal of the Geological Survey of Brazil (JGSB). Firmou a parceria com a Agência Nacional de Mineração ([[Agência Nacional de Mineração|ANM]]) para agregar conhecimento geológico ao lote de 20 mil áreas em disponibilidade.
 
O ano de 2019 ficou marcado pela tragédia em [[Brumadinho]] (MG). Sob sua gestão, o SGB-CPRM realizou Levantamentos Geoquímicos Ambientais, que permitiram analisar a gravidade e esclarecer inúmeras informações divulgadas sobre o rompimento da [[barragem]]. Assinaturas de acordos também marcaram a gestão do SGB-CPRM neste ano, quando a empresa estabeleceu parceria com a Petrobras e ANP para a execução de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) de melhoria de infraestrutura laboratorial, o que possibilitou a entrada do Serviço Geológico do Brasil no setor de [[petróleo]] e gás.
 
Ainda em 2019, o Serviço Geológico do Brasil realizou estudos nos bairros de [[Maceió]] que sofreram com o afundamento de solos e apontou a mineração de sal-gema pela [[Braskem]] como causa do problema. No mesmo ano, juntamente com a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico ([[Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico|ANA]]), o SGB-CPRM lançou um inédito manual para padronizar a operação de estações hidrométricas da Rede Hidrometeorológica Nacional.
 
No ano de 2020, o MME instituiu o Programa [[Mineração]] e Desenvolvimento, contemplando o Serviço Geológico do Brasil no projeto Patrimônio Mineral Brasileiro. O SGB-CPRM também lançou mapas on-line que permitem visualizar áreas com riscos de desastres no Brasil. A plataforma interativa reúne informações sobre áreas com riscos alto e muito alto de deslizamentos de terra, inundações, enxurradas e queda de rochas, em mais de 1.600 municípios brasileiros. Além disso, foi finalizado um novo mapa geológico do [[Ceará]], com a atualização do conhecimento geológico do estado.
 
Desde 2021, Colnago está direcionando o trabalho de reestruturação do SGB-CPRM. Os principais pilares da mudança na empresa são a ênfase no redesenho da operação organizacional, a racionalização dos níveis hierárquicos e das posições de liderança, a integração de áreas e equipes da empresa, a orientação para resultados relacionados aos seus clientes, a agilidade de ações traduzida em uma estrutura leve somada a práticas e processos otimizados. O fortalecimento da pesquisa, desenvolvimento e inovação e da identidade do Serviço Geológico Brasileiro também estão contemplados nesse novo momento da instituição.
 
==== DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL (DHT) ====
'''''[https://www.cprm.gov.br/publique/Sobre/Estrutura-Organizacional/Alice-Silva-de-Castilho-6323.html Alice Silva de Castilho]''''' é uma geocientista brasileira. A primeira mulher a ocupar cargo na Diretoria Executiva do Serviço Geológico do Brasil. Engenheira Civil e Mestre formada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) direciona a área de Hidrologia e Gestão Territorial, cargo que ocupa desde 2020. Informações complementares no [http://lattes.cnpq.br/1131392799443646 Currículo Lattes.]
 
==== DIRETORIA DE GEOLOGIA E RECURSOS MINERAIS (DGM) ====
'''''[http://www.cprm.gov.br/publique/Sobre/Estrutura-Organizacional/Marcio-Remedio-6172.html Marcio José Remédio]''''' nasceu na cidade Caieiras, São Paulo, em 28 de maio de 1980, é um geocientista brasileiro. É diretor de Geologia e Recursos Minerais do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), cargo que exerce desde 2020.
 
Graduado em Geologia pela Universidade de São Paulo (USP) no ano de 2006, concluiu o mestrado em Ciências na mesma instituição em 2017. Tem experiência nas áreas administrativa e gerencial; de negócios; caracterização tecnológica de materiais pétreos; rotina laboratorial de geologia; mapeamento geológico e pesquisa mineral.
 
Remédio é pesquisador em geociências no SGB-CPRM desde 2007. Na instituição, já foi chefe da Assessoria Parlamentar; Coordenador Executivo na Diretoria de Geologia e Recursos Minerais; Superintendente Regional de SP-PR-MS; coordenador técnico e administrativo da da Litoteca e Laboratório de preparação de amostras da LIAR- Litoteca de Araraquara; responsável técnico e integrante de equipes de projetos de Mapeamento Geológico e de Recursos Minerais.
 
Como diretor, destacam-se dentre seus trabalhos na instituição, o apoio ao desenvolvimento do Plano Nacional de Mineração, priorização dos estudos sobre potencial mineral do Brasil e de mapeamento de recursos minerais estratégicos. Remédio também está à frente do projeto de leilão dos ativos minerários do SGB-CPRM, por meio do PPI. Em conjunto com os ministérios de Minas e Energia, Agricultura e Meio Ambiente e a Embrapa, Remédio lidera estudos que contribuem com a elaboração do Plano Nacional de Fertilizantes, visando reduzir a dependência externa por minerais usados na agricultura.
 
Os estudos desenvolvidos pela Diretoria de Geologia e Recursos Minerais do SGB-CPRM, liderada por Remédio, têm o papel fundamental de promover o desenvolvimento sustentável do setor mineral brasileiro. Os trabalhos coordenados por ele ajudam a detalhar o potencial em áreas de relevante interesse mineral, ampliando conhecimento sobre minerais estratégicos como grafita, cobalto, lítio, fosfato, potássio e terras raras. Grande parte dos projetos são estratégicos voltados à demanda da indústria 4.0 e da agricultura do país.
 
==== DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA GEOCIENTÍFICA (DIG) ====
'''''[http://www.cprm.gov.br/publique/Sobre/Estrutura-Organizacional/Paulo-Afonso-Romano-6783.html Paulo Afonso Romano]''''' (Oliveira, Minas Gerais, 19/10/1942), é um engenheiro agrônomo brasileiro. É Diretor de Infraestrutura Geocientífica do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), cargo que exerce desde 2020.
 
Formado em 1966 pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), começou sua trajetória profissional como analista do Banco do Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) de 1967 a 1971. Foi Secretário Executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) de 1974 a 1979 (Gestão Alysson Paolinelli); Presidente da CAMPO - Companhia de Promoção Agrícola (empresa coordenadora do PRODECER - Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados) de 1979 a 1991; Secretário de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente (MMA) de 1995 a 1998; Deputado Federal (MG) entre 1991 e 1994; Presidente da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), em 2013; Secretário Adjunto da Agricultura do Estado de Minas Gerais (SEAPA-MG) de 2006 a 2014 e entre 1971 e 1974.  De 2015 até hoje, Romano atua também como membro do Conselho Técnico do Instituto Fórum do Futuro – entidade sem fins lucrativos.
 
A atuação profissional de Paulo Romano se destacou na implantação da EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e respectivos Centro de Pesquisa; o engenheiro agrônomo também foi responsável pela coordenação da formulação e implantação do POLOCENTRO – Programa de Desenvolvimento dos Cerrados. Romano atuou na formulação e negociação do PRODECER - Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados; participou em vários órgãos colegiados representando o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; conduziu o PNCS - Programa Nacional de Conservação de Solos; representou o MAPA e MMA em vários conselhos, como Conselho Nacional de Política Agrícola, Conselho Assessor da Embrapa Cerrados e Conselho Nacional de Recursos Hídricos.
 
Romano escreveu inúmeros artigos sobre agronegócio, desenvolvimento sustentável, gestão integrada participativa dos recursos hídricos, conservação de água e solo, mobilização social, etc. É co-autor do livro “Plantio Direto e o Desenvolvimento Sustentável da Agricultura”.
 
==== DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS (DAF) ====
'''''[http://www.cprm.gov.br/publique/Sobre/Estrutura-Organizacional/Cassiano-de-Souza-Alves-6214.html Cassiano de Souza Alves]''''' (Santo André, São Paulo, 28/01/1973) é um gestor público brasileiro. É diretor de Administração e Finanças do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), onde trabalha desde 2019.
 
Formado em Ciências Econômicas pela Associação de Ensino Unificado do Distrito Federal – AEUDF em  2001, especializou-se em Gestão Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) no ano de 2011. De 2011 a 2019, foi Chefe de Gabinete na Presidência da República. De 2009 a 2010, foi diretor do Conselho Nacional do Ministério Público.
 
Ao longo de 28 anos de carreira na Administração Pública, Cassiano atuou em gestão de projetos, modernização do Governo Federal nas áreas de modelagem organizacional, compras públicas, transformação de serviços (serviços digitais), inovação e logística governamental. Acumula experiência nas funções de Secretário de Gestão adjunto do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; subsecretário de Administração Geral da Secretaria de Educação do Distrito Federal; Diretor de Gestão Interna da Fundação Escola Nacional de Administração Pública, Chefe de Gabinete da Secretaria de Gestão da SDH da Presidência da República, Secretário de Administração e Gestão de Pessoas do Conselho Nacional do Ministério Público, Coordenador de Logística e Contratos da Procuradoria-Geral da República e Secretário Estadual da Procuradoria da República no Distrito Federal.
 
Cassiano foi condecorado pelo Governo do Distrito Federal com a medalha do mérito da Secretaria de Segurança do Distrito Federal em reconhecimento pelos projetos desenvolvidos na gestão pública brasileira. Proferiu palestras sobre inovação, modernização e compras públicas em eventos no Brasil, Argentina, Dubai, Chile, Colômbia, Costa Rica, Egito, Estados Unidos e Tunísia.
 
Representou o Brasil na Rede Interamericana de Compras Governamentais – RIGC/OEA no triênio 2016-2018, compartilhando e negociando benchmarking com os países da América Latina e Caribe. Estabeleceu projetos em parceria com organismos multilaterais como Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Banco Mundial (IBRD – IDA), Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS), Agência dos Estados Unidos para Comércio e Desenvolvimento (USTDA), União Europeia, entre outros.
 
Atualmente, lidera o projeto de elaboração do Plano de Rearranjo Estrutural do SGB-CPRM, com o objetivo de torná-la mais dinâmica e moderna, preparando a instituição para fazer frente aos acordos e projetos em parceria com a Petrobras e ANP, além de buscar o aumento da eficiência, a racionalização dos gastos e a otimização dos processos de trabalho.
 
{{Referências}}
137 777

edições