Referendo sobre a independência da Geórgia em 1991: diferenças entre revisões

m
sem resumo de edição
(nova página: '''Referendo sobre a independência da Geórgia em 1991''' foi um referendo de independência realizado na República Socialista Soviética da Geórgia em 31 de março de 19...)
 
m
 
O '''Referendo sobre a independência da Geórgia em 1991''' foi um [[referendo de independência]] realizado na [[República Socialista Soviética da Geórgia]] em 31 de março de 1991. Foi aprovado por 99,5% dos eleitores.<ref name=N1>[[Dieter Nohlen]], Florian Grotz & Christof Hartmann (2001) ''Elections in Asia: A data handbook, Volume I'', p394 {{ISBN|0-19-924958-X}}</ref>
 
== Histórico ==
O referendo foi ratificado pelo [[Conselho Supremo da República da Geórgia]], que foi eleito nas primeiras eleições multipartidárias realizadas na Geórgia Soviética em outubro de 1990, e foi dominado por um bloco pró-independência, Mesa Redonda - Geórgia Livre, liderado pelo dissidente da era soviética [[Zviad Gamsakhurdia]]. Tendo em sua maioria boicotado o [[Referendo da União Soviética de 1991|referendo da união]] sobre a continuação da federação e as negociações sobre um [[Tratado da União dos Estados Soberanos|novo tratado de união]] em 17 de março ,<ref>Although polling were opened in parts of [[Abkhazia]] and [[South Ossetia]] where the voters opted to remain in the renewed Union. Imogen Bell (2002), ''Eastern Europe, Russia and Central Asia'', p. 171. Taylor & Francis, {{ISBN|1-85743-137-5}}.</ref>, a Geórgia tornou-se a quarta república soviética, depois dos três [[Estados bálticos]] ([[Lituânia]] em 9 de fevereiro de 1991, [[Letônia]] e [[Estônia]] em 3 de março), a organizar um referendo sobre a questão da independência.<ref name="Cornell">Cornell, Svante E., [http://www.silkroadstudies.org/new/inside/publications/0419dissertation.pdf ''Autonomy and Conflict: Ethnoterritoriality and Separatism in the South Caucasus – Case in Georgia''] {{webarchive |url=https://web.archive.org/web/20070630141309/http://www.silkroadstudies.org/new/inside/publications/0419dissertation.pdf |date=30 de junho de 2007 }}. Department of Peace and Conflict Research, Report No. 61. p. 163. University of Uppsala, {{ISBN|91-506-1600-5}}.</ref>
 
A única questão do referendo foi: "Você apóia a restauração da independência da [[Geórgia]] de acordo com o Ato de Declaração de Independência da Geórgia de 26 de maio de 1918?" Os resultados oficiais mostraram mais de 99% a favor, com uma participação de 90,6% dos eleitores. <ref name=N1/> Devido à discórdia étnica em curso, a votação foi amplamente boicotada pela população não-georgiana da [[Abcázia]] e da [[Ossétia do Sul]]. <ref name="Cornell"/><ref name="Wheatley">Jonathan Wheatley (2005), ''Georgia from National Awakening to Rose Revolution'', p. 64. Ashgate Publishing, Ltd., {{ISBN|0-7546-4503-7}}.</ref>
 
Quatro dias após os resultados finais serem anunciados, o Conselho Supremo da Geórgia aprovou por unanimidade a declaração de independência no segundo aniversário da repressão do exército soviético aos [[tragédia de 9 de abril|protestos pacíficos em Tbilisi]], em 9 de abril de 1989. <ref>''Eastern Europe, Russia and Central Asia'', p. 171.</ref><ref name="Suny">[[Ronald Grigor Suny|Suny, Ronald Grigor]] (1994), ''The Making of the Georgian Nation'', p. 326. [[Indiana University Press]], {{ISBN|0-253-20915-3}}.</ref>
 
O referendo coincidiu com uma visita privada do ex-presidente dos Estados Unidos [[Richard Nixon]], que visitou algumas assembleias de voto na capital da Geórgia, [[Tbilisi]], antes de sua partida para [[Moscou]] no mesmo dia. <ref>[http://nl.newsbank.com/nl-search/we/Archives?p_product=BG&p_theme=bg&p_action=search&p_maxdocs=200&p_topdoc=1&p_text_direct-0=0EADDF46D6950EB2&p_field_direct-0=document_id&p_perpage=10&p_sort=YMD_date:D&s_trackval=GooglePM Soviet Georgians vote on independence.] ''[[The Boston Globe]]'', April 1, 1991.</ref>