Espiritismo: diferenças entre revisões

Desfeita a edição 63992079 de Paulodegering. O trabalho aqui é colaborativo, não reinsira informações alteradas ou questionadas por outros editores sem discutir assim. Entendo sua boa intenção, mas essas informações novas que você trouxe não possuem WP:NOTORIEDADE suficiente ainda, estão desproporcional ao restante do conteúdo, e algumas ferem WP:MARGINAL.
(Citações das teorias de adulteração de O Céu e o Inferno e A Gênese.)
Etiquetas: Revertida Editor Visual Expressão problemática
(Desfeita a edição 63992079 de Paulodegering. O trabalho aqui é colaborativo, não reinsira informações alteradas ou questionadas por outros editores sem discutir assim. Entendo sua boa intenção, mas essas informações novas que você trouxe não possuem WP:NOTORIEDADE suficiente ainda, estão desproporcional ao restante do conteúdo, e algumas ferem WP:MARGINAL.)
Etiqueta: Desfazer
 
=== Espiritualismo Racional ===
Segundo Kardec, o espiritismo é o desenvolvimento do que chama de "espiritualismo racional" (uma corrente do [[espiritualismo filosófico]]), conforme escreve na ''Revista Espírita'':<ref>{{citar periódico |titulo=O espiritualismo e o ideal |data=novembro de 1868 |jornal=Revista Espírita - Jornal de Estudos Psicológicos |ultimo=KARDEC |primeiro=Allan}}</ref><blockquote>"A mais enérgica reação se opera em favor das ideias espiritualistas, e que, como dissemos, toda defesa do Espiritualismo Racional abre o caminho para o Espiritismo, do qual é o desenvolvimento".</blockquote>O estudo do espiritualismo racional, se fundamenta na compreensão das ideias propostas pelas Ciências Filosóficas na época de Kardec, que se dividiam em Ciências Psicológicas e Ciências Metafísicas:<ref>{{citar livro|título=Autonomia: a história jamais contada do Espiritismo|ultimo=FIGUEIREDO|primeiro=Paulo Henrique de|editora=FEAL|ano=2019|isbn=9788579430923}}</ref>
O Espiritismo é o desenvolvimento do Espiritismo Racional, segundo Kardec escreve na Revista Espírita:
 
* As Ciências Psicológicas (Espíritocampo Humanodo espírito humano), que se dividem no estudo da:
"A mais enérgica reação se opera em favor das ideias espiritualistas, e que, como dissemos, toda defesa do Espiritualismo Racional abre o caminho para o Espiritismo, do qual é o desenvolvimento"<ref>{{citar periódico |titulo=O espiritualismo e o ideal |data=novembro de 1868 |jornal=Revista Espírita - Jornal de Estudos Psicológicos |ultimo=KARDEC |primeiro=Allan}}</ref>.
 
O estudo do Espiritualismo Racional, se fundamenta na compreensão das ideias propostas pelas Ciências Filosóficas na época de Kardec, que se divide em Ciências Psicológicas e Ciências Metafísicas<ref>{{citar livro|título=Autonomia: a história jamais contada do Espiritismo|ultimo=FIGUEIREDO|primeiro=Paulo Henrique de|editora=FEAL|ano=2019|isbn=9788579430923}}</ref>:
 
* As Ciências Psicológicas (Espírito Humano), que se dividem no estudo da:
** Psicologia experimental - estudo dos fatos do espírito humano
** Lógica (razão) - estudo do verdadeiro
** Moral teórica e prática (vontade) - estudo do bem
** Estética (imaginação) - estudo do belo
 
* Ciências Metafísicas (campo da causa primeira)
** Psicologia racional (alma e corpo)
** Cosmologia racional (matéria e vida)
** Teodiceia - Deus, seus atributos e sua providência.
A mesma ontologia do Espiritualismoespiritualismo Racionalracional serviu de base ao Espiritismoespiritismo, como podemosse facilmente verificarverifica na estruturação de ''O Livro dos Espíritos''.<ref>{{citar livro|título=Autonomia: a história jamais contada do Espiritismo|ultimo=Figueiredo|primeiro=Paulo Henrique de|editora=FEAL|ano=2019|isbn=9788579430923}}</ref><ref>{{citar web|ultimo=Ramo|primeiro=Roberto|url=https://revelareinstituto.blogspot.com/2022/05/por-que-precisamos-conhecer-o.html|titulo=Por que precisamos estudar o Espiritualismo Racional|data=07/05/2022|acessodata=13/07/2022|website=REVELARE - Religiosidade e Espiritualidade}}</ref>. Da mesma forma, Kardec se serviu de diversos conceitos, estruturados pelo Espiritualismoespiritualismo Racionalracional, para apresentar seus pensamentos e ideias em suas obras.<ref>{{citar web|url=https://www.geolegadodeallankardec.com.br/artigos/em-destaque/punicao-e-recompensa-voce-precisa-estudar-paul-janet-para-entender-allan-kardec/|titulo=Punição e recompensa: você precisa estudar Paul Janet para entender Allan Kardec|data=19/05/2022|acessodata=13/07/2022|website=Grupo de Estudos O Legado de Allan Kardec}}</ref>.
 
=== Qualificação como ciência ===
[[Alexander Moreira de Almeida]]<ref>[[#tesealmeida|Almeida, 2004]]</ref> ainda tenta essa legitimação,{{Sfn|Almeida|2005|pp=570-95}} chegando a denominar a abordagem de Kardec como "revolucionária".<ref>{{Citar web|título = Spiritism: The Work of Allan Kardec and Its Implications for Spiritual Transformation|URL = http://www.metanexus.net/essay/spiritism-work-allan-kardec-and-its-implications-spiritual-transformation|obra = [http://www.metanexus.net/about-metanexus-institute Metanexus Institute]|acessadoem = 6 de setembro de 2015|autor = Alexander Moreira-Almeida|data = 2 de setembro de 2008|wayb = 20141129163539|língua= inglês|citação = In his revolutionary approach to spirituality}}</ref> No entanto, o [[consenso científico]] atual considera a [[parapsicologia]] uma [[pseudociência]],<ref>[https://stanford.library.sydney.edu.au/archives/fall2014/entries/pseudo-science/#DocCom Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2014]</ref> desconsiderando os supostos [[paranormalidade|fenômenos paranormais]] que fundamentam o espiritismo, como [[mediunidade]], [[reencarnação]], [[obsessão (espiritismo)|obsessão]], [[mesas girantes]], [[sessão espírita]], [[psicografia]], [[psicopictografia]], [[tiptologia]], dentre outros. Os críticos das pseudociências chegam a definir a parapsicologia como "perversão", pois os parapsicólogos alegam que a ciência não pode ser a única privilegiada que está fora das explicações que eles defendem.{{Sfn|Pigliucci|2013|pp=145-163}} O magnetismo animal (mesmerismo) também está presente nos ensinos espíritas e há constantes referências a conceitos mesméricos como, por exemplo, fluidos magnéticos.<ref>{{citar livro|título=A Gênese|ultimo=Kardec|primeiro=Allan|editora=Feb|ano=1991|local=Rio de Janeiro|página=|páginas=261-262}}</ref><ref>{{Citar web |url=https://ipeak.net/site/estudo_janela_conteudo.php?origem=694&idioma=1&f=0 |titulo=Revista Espírita 1858 » Outubro » Emprego oficial do magnetismo animal |acessodata=2020-11-12 |website=ipeak.net}}</ref><ref>{{citar livro|título=Mesmer: a ciência negada do magnetismo animal|ultimo=FIGUEIREDO|primeiro=Paulo Henrique de|editora=FEAL|ano=2021|isbn=9788579430947}}</ref> Segundo essa hipótese, algumas pessoas poderiam operar curas por meio de "fluídos". Porém, a hipótese do [[magnetismo animal]] atualmente é considerada pseudocientífica, pois desde a segunda metade do século XVIII, os cientistas sabem que as supostas curas eram apenas psicossomáticas, por meio de hipnose, sem qualquer a atuação dos "fluídos" ou magnetismo animal.<ref>{{Citar periódico |titulo=Mesmer minus magic: Hypnosis and modern medicine |url=https://doi.org/10.1080/00207140208410113 |jornal=International Journal of Clinical and Experimental Hypnosis |data=2002-10-01 |issn=0020-7144 |paginas=397–406 |pmid=12362955 |numero=4 |acessodata=2020-11-12 |doi=10.1080/00207140208410113 |primeiro=David |ultimo=Spiegel}}</ref><ref>{{Citar web |url=https://www.encyclopedia.com/medicine/psychology/psychology-and-psychiatry/hypnotism#3045000547 |titulo=Hypnotism {{!}} Encyclopedia.com |acessodata=2021-08-01 |website=www.encyclopedia.com}}</ref><ref>{{Citar web |url=https://www.britannica.com/science/hypnosis |titulo=hypnosis {{!}} Definition, History, Techniques, & Facts |acessodata=2020-11-12 |website=Encyclopædia Britannica |lingua=en}}</ref>
 
Um novo trabalho de pesquisa, porém, veio demonstrar que o Magnetismo Animal, teoria proposta por Mesmer, está bastante próxima do que define, hoje, a Física. Para Mesmer, toda a matéria derivava de uma matéria original, em estado desconhecido, e que permeava todo o Universo. Segundo seus estudos, o ser consciente poderia interagir, com a sua vontade, sobre essa matéria elementar<ref>{{citar livro|título=Mesmer: a ciência negada do magnetismo animal|ultimo=FIGUEIREDO|primeiro=Paulo Henrique de|editora=FEAL|ano=2021|isbn=9788579430947}}</ref>. Também é conveniente citar que, antes mesmo de Allan Kardec, os investigadores do Magnetismo Animal identificaram as relações dos sonâmbulos com os Espíritos<ref>{{citar livro|título=Mesmer. A ciência negada do magnetismo animal|ultimo=FIGUEIREDO|primeiro=Paulo Henrique de|editora=FEAL|ano=2021|isbn=9788579430947}}</ref>:<blockquote>Os magnetizadores comprovaram muito cedo as relações dos sonâmbulos com seres invisíveis. Deleuze, discípulo de Mesmer, em sua correspondência mantida com o doutor G. P. Billot por mais de quatro anos, de março de 1829 até agosto de 1833, inicialmente foi relutante, mas por fim afirmou: “O magnetismo demonstra a espiritualidade da alma e a sua imortalidade; ele prova a possibilidade da comunicação das inteligências separadas da matéria com as que lhes estão ainda ligadas.” (BILLOT, 1839)
 
Por sua vez, Deleuze afirmou: "Não vejo razão para negar a possibilidade da aparição de pessoas que, tendo deixado esta vida, ocupam-se daqueles que aqui amaram e a eles se venham manifestar, para lhes transmitir salutares conselhos. Acabo de ter disto um exemplo.” (Ibidem)
 
[...] Anos depois, o magnetizador Louis Alphonse Cahagnet (1809-1885), com coragem e determinação, conversou com os espíritos por meio de seus sonâmbulos em êxtase, principalmente Adèle Maginot, registrando em sua obra mais de cento e cinquenta cartas assinadas por testemunhas que reconheceram a identidade dos espíritos comunicantes. Cahagnet antecipou em mais de dez anos esse instrumento de pesquisa da ciência espírita.
 
- Paulo Henrique de Figueiredo</blockquote>Segundo [[Joseph McCabe]], citando as alegações de [[Arthur Conan Doyle]] sobre a confirmação por [[cientista]]s dos supostos fenômenos espirituais durante 30 anos, os médiuns enganaram os pesquisadores. Ele considera que tais enganos resultaram na linguagem arrogante da literatura espiritualista.<ref name=mccabe1>{{citar periódico|último=McCabe|primeiro=Joseph|título=Scientific Men and Spiritualism: A Skeptic's Analysis|jornal=The Living Age|data=12 de junho de 1920|páginas=652-657|url=http://www.unz.org/Pub/LivingAge-1920jun12-00652|acessodata=14 de abril de 2015}}</ref>
 
Um artigo publicado na revista cética britânica The Skeptic também critica o Espiritismo por estar associado à [[ufologia]], [[parapsicologia]], [[Magnetismo animal|magnetismo]] e outras pseudociências.<ref>{{Citar web |url=https://www.skeptic.org.uk/2021/01/kardecism-the-fringe-spiritualist-doctrine-which-became-the-soul-of-pseudoscience-in-brazil/ |titulo=Kardecism: the fringe spiritualist doctrine which became the soul of pseudoscience in Brazil |data=2021-01-15 |acessodata=2021-07-31 |website=The Skeptic |lingua=en-GB}}</ref><ref>{{Citar web |url=https://revistaquestaodeciencia.com.br/index.php/apocalipse-now/2021/02/13/pseudociencias-e-tradicao-espirita-no-brasil |titulo=Pseudociências e a tradição espírita no Brasil |acessodata=2021-07-31 |website=QC |lingua=pt-br}}</ref>
 
A obra ''O Céu e o Inferno'', ou ''A Justiça Divina segundo o Espiritismo'', foi publicado em 1865 e compõe-se de duas partes: na primeira, Kardec realiza um exame crítico, procurando apontar contradições [[Filosofia|filosóficas]] e incoerências com o [[Ciência|conhecimento científico]], superáveis, segundo ele, mediante o [[paradigma]] espírita da fé raciocinada.{{Sfn|Kardec|1865|pp=11-14}} Entre os assuntos estão: causas do temor da [[morte]], porque os espíritas não temem a morte, o céu, o [[inferno]], o inferno cristão imitado do pagão, os [[limbo]]s, [[purgatório]], doutrina das penas eternas, código penal da vida futura, os [[anjo]]s, a origem da crença dos demônios.{{Sfn|Kardec|1865|pp=7-8}} Na segunda, constam dezenas de diálogos que teriam sido estabelecidos entre Kardec e diversos espíritos, nos quais estes narram as impressões que trazem do [[Plano espiritual|além-túmulo]].{{Sfn|Kardec|1865|pp=166-174}}
 
Aponta o autor e pesquisador espírita, Paulo Henrique de Figueiredo, que essa obra foi '''adulterada''' após a morte de Allan Kardec, em sua quarta edição, que deu base a todas as demais edições e traduções. Embora a controvérsia ainda seja grande no Movimento Espírita, ao comparar as diversas alterações, muitas delas alterando profundamente a compreensão de certas ideias e postulados, outras omitindo trechos importantíssimos. Tudo leva a crer que a quarta edição nasceu de um conjunto de alterações, sendo preparadas por Kardec, misturadas às adulterações citadas<ref>{{citar livro|título=Nem Céu nem Inferno – As Leis da Alma Segundo o Espiritismo|ultimo=FIGUEIREDO|primeiro=Paulo Henrique de|editora=FEAL|ano=2022|isbn=978-6599046018}}</ref>.
 
O livro ''[[A Gênese]]'', ou ''Milagres e as Predições segundo o Espiritismo'', foi publicado em 1868 e aborda diversas questões de ordem filosófica e científica, como a criação do universo, a formação dos mundos, o surgimento do espírito e a natureza dos ditos milagres, segundo o [[paradigma]] espírita de compreensão da realidade.{{Sfn|Kardec|1868|p=190}}
 
O livro A Gênese também teria sido adulterado, em sua quinta edição, após a morte de Kardec, conforme aponta a extensa pesquisa realizada por Simoni Privato<ref>{{citar livro|título=O Legado de Allan Kardec|ultimo=Goidanich|primeiro=Simoni Privato|editora=USE|ano=2019|isbn=978-8585700201}}</ref>. Nessa obra, é possível notar, além de alterações, algumas omissões textuais bastante importantes. Além das evidências e dos indícios levantados por Privato, manuscritos de Allan Kardec, recém-descobertos<ref>{{citar web|ultimo=FIGUEIREDO|primeiro=Paulo Henrique de|url=https://espirito.org.br/autonomia/ncni-conselhos-sobre-a-genese/|titulo=Nem Céu, Nem Inferno – Conselhos sobre A Gênese|data=29/10/2020|acessodata=13/07/2022|website=Portal do Espírito}}</ref>, demonstram que ele não realizaria nenhum tipo de omissão no texto, o que é mais um fato a corroborar a teoria de que, com essa obra, aconteceu o mesmo que com a obra precedente, O Céu e o Inferno.
 
==== Complementares ====