Genolino Amado: diferenças entre revisões

134 bytes adicionados ,  26 de julho de 2007
+categorias +ajustes
(São Paulo (São Paulo) > São Paulo (cidade), Replaced: São Paulo (São Paulo) → São Paulo (cidade) utilizando AWB)
(+categorias +ajustes)
'''Genolino Amado''' ([[Itaporanga d'Ajuda|Itaporanga]],[[3 de agosto]] de [[1902]] — [[Rio de Janeiro (Rio de Janeirocidade)|Rio de Janeiro]], [[4 de março]] de[[1989]]), foi um [[escritor]], [[teatrólogo]], [[professor]] e [[jornalista]] [[brasil]]eiro, Imortalimortal da [[Academia Brasileira de Letras]].
 
==Biografia==
Em [[1919]] ingressou na [[Faculdade de Direito da Bahia]], sendo colega de futuros escritores e juristas, tais como [[Nestor Duarte|Nestor Duarte Guimarães]], [[Pedro Calmon]], Adalício Nogueira e Hermes Lima, que no futuro far-lhe-ia a saudação de ingresso no Silogeu Brasileiro. Entretanto, veio a concluir o curso no Rio de Janeiro, em [[1924]].
 
Mudando-se para [[São Paulo (cidade)|São Paulo]], abandona paulatinamente a [[advocacia]], iniciando-se no [[jornalismo]], no jornal "''Correio Paulistano''", em substituição a [[Menotti del Picchia]] e por indicação deste. Usava, então, o [[pseudônimo]] "''Geno''". Suas crônicas surpreenderam por haverem agradado até mesmo ao acerbo crítico [[Agripino Grieco]].
 
Em [[1928]] ocupou a função de Chefe da Censura em São Paulo, interrompendo a produção das suas crônicas, até quando perdeu o cargo em função da [[Revolução de 1930]]. Junto ao jornalismo nos [[Diários Associados]], trabalhou como radialista nas principais emissoras da capital paulista, como a [[Rádio Record]], levado por César Ladeira. Ladeira foi, ainda, o responsável por sua mudança para o Rio de Janeiro, em [[1933]], onde alcançou grande sucesso como radialista, desta feita em nível nacional.
No Rio, Genolino também exerce o magistério, quando da reforma geral do ensino promovida na então capital do país pelo educador [[Anísio Teixeira]], sendo mais tarde um dos mestres que participaram da criação do primeiro curso de jornalismo, na então Faculdade Nacional de Filosofia e Letras. Nesta época escrevia para o amigo Ladeira as chamadas "''Crônicas da Cidade Maravilhosa''", cujo título inspirou o compositor [[André Filho]] a compor a [[marcha]] [[carnaval]]esca [[Cidade Maravilhosa]], e que iam ao ar pela [[Rádio Mayrink Veiga]].
 
Apresentou, ainda, o "Biblioteca no Ar", que foi duas vezes premiado como o melhor programa cultural das emissoras brasileiras. Liderou a audiência, também, quando se transferiu para a [[Rádio Nacional]], apresentando o programa "''Crônica da Cidade''".
 
Foi em [[1954]], no último governo de [[Getúlio Vargas]], Diretordiretor da [[Agência Nacional]] - órgão oficial de imprensa do governo federal brasileiro.
 
Ocupou, ainda, o cargo de ''Procuradorprocurador do Estado'', pelo então estado da [[Guanabara]]. Seus pareceres foram muitos deles publicados na revista especializada do órgão.
 
==Literatura==
As funções públicas, bem como o trabalho de radialista, fizeram com que sua produção literária fosse esparsa, tendo começado apenas em [[1937]]. Apesar disto, seus poucos livros alcançaram relativo sucesso, como a [[comédia]] "''Avatar''" que, traduzida, chegou a ser adotada na [[Academia Militar de West Point]], nos [[Estados Unidos da América]]. Sua [[Peça de teatro|peça]] "''Dona do Mundo''" foi premiada com Medalhamedalha de Ouroouro pela [[Associação Brasileira de Críticos Teatrais]].
 
Além das obras de cunho próprio, realizou algumas traduções, como a obra autobiográfica "''Minha Vida''", de [[Charles Chaplin]]. Seu livro "''O Reino Perdido''", de [[1971]], onde narra sua experiência no magistério, fê-lo receber o convite para concorrer a uma vaga na Academia Brasileira.
 
===Bibliografia===
*''O Reino Perdido'', memórias (1971);
*''Um Menino sergipano'', memórias (1977).
 
==[[Imagem:Lorbeerkranz.png|30px]] Academia Brasileira de Letras==
{{portal-academia}}
 
==[[Imagem:Lorbeerkranz.png|30px]] Academia Brasileira de Letras==
Foi eleito a [[9 de agosto]] de [[1973]] para ocupar a Cadeira 32 da [[Academia Brasileira de Letras|Academia]], cujo membro-fundador foi [[Carlos de Laet]] e que tem por Patrono [[Manuel de Araújo Porto-alegre]], como seu quinto ocupante, sendo recebido em [[14 de novembro]] deste mesmo ano por [[Hermes Lima]], seu ex-colega de Faculdade.
 
=={{Ligações externas}}==
*[http://www.unicamp.br/iel/memoria/projetos/ensaios/ensaio4.html Ensaio sobre a correspondência do escritor]
 
 
{{biografias}}
 
[[Categoria:Academia Brasileira de Letras]]
[[Categoria:escritoresAcadêmicos do Brasil]]
[[Categoria:Memorialistas do Brasil]]
[[Categoria:Dramaturgos do Brasil]]
[[Categoria:Cronistas do Brasil]]
[[Categoria:Ensaístas do Brasil]]
[[Categoria:Professores do Brasil]]
[[Categoria:Radialistas do Brasil]]
[[Categoria:Universidade Federal da Bahia]]
[[Categoria:Sergipanos]]
 
{{semiw}}
286 030

edições