Abrir menu principal

Alterações

6 bytes removidos ,  19h38min de 30 de agosto de 2005
sem resumo de edição
[[Image:The plague of ashdod 1630.jpg|direita |thumb|''A peste em Ashdod'', quadro de [[Nicolas Poussin]], 1630. (na verdade a epidemia bíblica de [[Ashdod]] dos filisteus poderá não ter sido a peste)]]
Do ponto de vista médico, é improvável que a doença bíblica tenha sido peste. Não há referências claras a bubos, nem a nenhum sintoma característico, e na altura havia muitas doenças capazes de matar muitas pessoas em pouco tempo. Se tivesse sido peste, teria de vir de algum reservatório animal, e nesse caso teria continuado a aparecer com alguma frequência na região. No entanto, os antigos [[Hipócrates]] e [[Galeno]] não a mencionam nos seus textos e a violência extrema com que dizimou as populações durante a era de [[Justiniano]] e a [[Idade média]] fazem supor que não haveria imunidades entre as populações da [[Europa]] e [[Médio oriente]] nessa altura.
 
Joao
 
A epidemia descrita por [[Tucídides]] que atingiu [[Atenas]] no século de [[Péricles]] (século V a.C.), durante a [[Guerra do Peloponeso]] contra [[Esparta]], matando um terço da população, também foi considerada como peste. É muito mais provável, no entanto, que tenha sido outra doença como [[Sarampo]] ou [[Varíola]], na altura doenças mortíferas devido à baixa imunidade, e de qualquer forma a população da [[Grécia]] então era insuficiente para lhe permitir estabelecer-se, pelo que desapareceu sem rastro.
1 600

edições