Esquadrão N.º 36 da RAAF

Esquadrão N.º 36
36SqnRAAFCrest.png
Brasão do Esquadrão N.º 36
País  Austrália
Subordinação Asa N.º 86 (1946–53, 1955–64, 1987–presente)
Asa N.º 91 (1953–55)
Missão Transporte aéreo estratégico
Ramo Real Força Aérea Australiana
Criação 11 de Março de 1942
Período de atividade 1942 - Presente
Lema Sure ("Certo")
História
Guerras/batalhas Segunda Guerra Mundial

Guerra da Coreia
Confronto Indonésia-Malásia
Guerra do Vietname
Guerra do Afeganistão

Invasão do Iraque em 2003
Guerra contra o Estado Islâmico

Méritos em batalha Malásia 1962–1966[1]
Logística
Aeronaves Boeing C-17 Globemaster III
Comando
Comandantes
notáveis
Linda Corbould (2006–08)
Sede
Quartel-general Base Aérea de Amberley

O Esquadrão N.º 36 é um esquadrão de transporte aéreo estratégico da Real Força Aérea Australiana (RAAF). Opera aeronaves Boeing C-17 Globemaster III a partir da Base Aérea de Amberley, em Queensland. O esquadrão prestou serviço a operar aeronaves de transporte na Segunda Guerra Mundial, na Guerra da Coreia, nos confrontos entre a Indonésia e a Malásia, na Guerra do Vietname, e na guerra do Afeganistão e Iraque. Prestou também apoio às operações humanitárias de manutenção da paz australianas à volta do globo, incluindo na Somália, no Cambodja, em Timor-Leste e na Indonésia.

O esquadrão foi formado na Estação de Laverton, em Victoria, em Março de 1942, e foi equipado com aeronaves Douglas DC-2. Mais tarde, durante a guerra, começou a operar Douglas C-47 Dakotas. De 1946 a 1953 esteve hierarquicamente dependente da Asa N.º 86, que tinha sede em Nova Gales do Sul na Estação de Schofields e, mais tarde, em Richmond. Em 1953 sofreu uma reforma em Iwakuni, no Japão, como parte da Asa N.º 91. Regressou à Austrália e à Asa N.º 86 em 1955. O esquadrão começou a ser reequipado com aeronaves C-130 Hercules em Richmond em 1958, tornando-se na primeira força fora dos EUA a operar estas aeronaves. Na metade de século que se seguiu, voou duas versões do Hercules: o C-130A e o C-130H. O esquadrão foi transferido para Amberley em 2006, na mesma altura em que adquiriu o seu primeiro Globemaster.

Missão e equipamentoEditar

 
Um C-17 Globemaster do Esquadrão N.º 36 no Japão, prestando apoio humanitário após um terramoto e tsunami, em Março de 2011

O Esquadrão N.º 36 é responsável pelo transporte aéreo estratégico da Austrália, participando em operações militares e humanitárias.[2] Encontra-se instalado na Base Aérea de Amberley, em Queensland, e é subordinado à Asa N.º 86, parte do Grupo de Mobilidade Aérea.[2][3] A unidade é composta por um conjunto de sectores executivos, administrativos e operacionais. Além de pilotos, o esquadrão tem um conjunto de militares de manutenção, responsáveis pela prontidão operacional do equipamento; frequentemente, são enviados para o teatro onde o esquadrão entra em missão.[2] Contudo, uma parte complexa do serviço de manutenção é efectuado pela Boeing.[4][5] O brasão oficial da unidade, aprovado em Maio de 1966, apresenta um cavalo que pretende transmitir uma ideia de força, velocidade e mobilidade. O lema da unidade é "Sure" ("Certo").[6]

O esquadrão opera oito aeronaves Boeing C-17 Globemaster III, a primeira das quais entrou em serviço em Dezembro de 2006.[2][7] A oitava e última, foi entregue ao esquadrão em Novembro de 2015.[7] Estas aeronaves são geralmente operadas por dois pilotos e um tripulante responsável pelo carregamento, acomodação e descarregamento de carga e passageiros. O C-17 consegue transportar 70 toneladas de equipamento, sendo grande o suficiente para transportar helicópteros, tanques, e outros veículos militares. Consegue também transportar 130 passageiros, e foi desenhado para poder lançar paraquedistas ou mercadoria. O C-17 tem um alcance de 10 mil quilómetros e é capaz de operar em pistas pequenas e em más condições.[2][8] Pilotado com um joystick e comandos fly-by-wire, a aeronave apresenta uma boa manobrabilidade e velocidade tendo em conta o seu tamanho.[9] Pode ser reabastecida em pleno voo por um reabastecedor Airbus A330 MRTT operado pelo Esquadrão N.º 33.[10][11]

HistóriaEditar

Segunda Guerra MundialEditar

 
Um Dakota do esquadrão em Queensland, 1943

Durante Fevereiro e Março de 1942, a RAAF formou quatro unidades e transporte aéreo: os esquadrões 33, 34, 35 e 36. O esquadrão 36 foi criado no dia 11 de Março na Estação de Laverton, em Victoria, e ficou sob o comando da Área de Comando do Sul.[2][12] A sua força inicial consistia em 26 militares e um avião Douglas DC-2.[13] Gradualmente, o esquadrão foi crescendo até se tornar numa força com seis aviões DC-2 e várias aeronaves de Havilland, incluindo o DH.84 Dragon, o DH.86 Express, o DH.89 Dragon Rapide e Tiger Moth.[14][15] Encarregado de realizar missões de transporte aéreo entre a Austrália e Port Moresby, na Nova Guiné, o esquadrão foi transferido para Essendon no dia 17 de Julho.[15][16] No dia 14 de Setembro, um dos DC-2 sofreu um acidente em Port Moresby; todos os tripulantes faleceram. No dia 11 de Dezembro, o esquadrão foi novamente transferido, desta vez para Townsville, em Queensland.[15] Durante 1943, o esquadrão manteve destacamentos em Essendon e na Nova Guiné, e deu início ao re-equipamento com doze aeronaves Douglas C-47.[15][16]

No dia 27 de Março de 1943, um Dakota do Esquadrão N.º 36 sofreu um acidente enquanto descolava da Estação de Archerfield, matando todos os 23 ocupantes.[17] No dia 20 de Fevereiro de 1944, o esquadrão foi transferido para Garbutt. Durante a Campanha da Nova Guiné, foi responsável pelo transporte de militares, mercadoria, correio e pelo lançamento de mantimentos.[15][16] Em 1945, um destacamento composto por aviões Dakota prestou apoio às operações da Asa N.º 84 em Bougainville, realizando cerca de 800 missões entre Janeiro e Junho.[18] O esquadrão perdeu dois aviões Dakota em missões de abastecimento em Aitape durante Fevereiro de 1945.[15] Em Agosto, efectuou uma missão de lançamento de paraquedistas em Singapura, após a qual continuou a desempenhar outras missões de transporte de tropas e mercadorias, assim como repatriação de prisioneiros de guerra.[15][16] Após o cessar das hostilidades, em Março de 1946, o destacamento de seus aviões Dakota estabeleceram um serviço aéreo de correios entre Morotai e o Japão, onde estavam unidades australianas em missão, como parte da Força de Ocupação da Commonwealth Britânica.[14]

Bloqueio de Berlim e Guerra da CoreiaEditar

 
Antigos prisioneiros de guerra a entrarem num Dakota em Sul, na Coreia do Sul, em Agosto de 1953

No dia 19 de Agosto de 1946, o Esquadrão N.º 36 foi transferido para o Aeródromo de Schofields, em Nova Gales do Sul, onde ficou sob o comando da Asa N.º 86, juntamente com o Esquadrão N.º 37 e o Esquadrão N.º 38, que também operavam aviões Dakota, e o Esquadrão N.º 486; este último, um esquadrão de manutenção, realizava os serviços diários de reparação e manutenção de todos os esquadrões de voo, sendo que a manutenção mais profunda era realizada pelo Depósito de Aeronaves N.º 2, na base próxima de Richmond.[15][16] Voos de correio continuaram a ser efectuados para o Japão até Dezembro de 1947.[19][20] A 25 de Agosto de 1948, reuniu-se uma força na qual o esquadrão participou, para prestar apoio ao Bloqueio de Berlim, tendo esta missão durante quase um ano.[21][22] Os australianos transportaram mais de 7 milhões de kg de mercadoria, juntamente com mais de 7 mil passageiros.[16] Em Junho de 1949, o esquadrão foi transferido para a vizinha Base aérea de Richmond.[16][23]

Voltou a operar em Junho de 1950, com o regresso das tripulações destacadas para ajudarem no Bloqueio de Berlim. Durante esta altura, o Esquadrão N.º 38 foi actuar na Emergência Malaia.[23][24] Assim, o Esquadrão N.º 36 assumiu o controlo do transporte VIP em outubro de 1950.[25] No dia 21 de Novembro de 1952, o esquadrão foi agraciado com a Gloucester Cup pela sua proficiência.[23] O regresso do Esquadrão N.º 38 fez com que fossem retirados alguns meios ao Esquadrão N.º 36, para que ambos ficassem equilibrados. Este problema levou a que o esquadrão se fundisse com o Esquadrão N.º 38 em 9 de Março de 1953.[23] No dia seguinte, o Esquadrão N.º 36 voltou a ser formado, porém no Japão, a partir do que restava da Unidade de Transporte N.º 30 da RAAF.[26][27] Aqui, o esquadrão era subordinado da Asa N.º 91, que controlava as unidades da RAAF durante a Guerra da Coreia.[28] A sua nova frota de aeronaves era composta por oito aviões Dakota e um CAC Wirraway.[29] Em Julho e Agosto, o esquadrão evacuou mais de 900 prisioneiros de guerra. A saída do Japão realizou-se no dia 13 de Março de 1955, tendo transportado cerca de 42000 passageiros e quase 3 milhões de kg em mercadorias, sendo re-estabelecida no dia 1 de Maio em Camberra, para onde a Asa N.º 86 havia sido transferida no ano anterior.[16][23]

A era dos C-130Editar

 
Um C-130A Hercules do Esquadrão N.º 36

O Esquadrão N.º 36 entregou os seus seis aviões Dakota ao Esquadrão N.º 38 em Julho de 1958, antes de ser re-equipado com aeronaves Lockheed C-130.[23] Regressou a Richmond em Agosto, seguido pelo resto da Asa N.º 86 um mês depois.[30] Depois do treino de conversão nos Estados Unidos, o esquadrão tornou-se no primeiro operador não americano do C-130, em Dezembro de 1958, quando recebeu a primeira remessa de doze C-130A; a entrega foi completada em Março de 1959.[31][32] A história oficial da força aérea australiana do pós-guerra descreve o C-130 como "provavelmente o maior degrau alguma vez subido no que toca em capacidades aeronáuticas" que a RAAF já recebera, considerando a aeronave quatro vezes mais eficiente que o Dakota, tendo em conta a capacidade de carga, o alcance e a velocidade.[33] Em Setembro de 1960, o esquadrão começou a testar o lançamento de paraquedistas a partir da aeronave.[23] Os primeiros voos de transporte de militares até uma zona de combate foram efectuados em Dezembro de 1962, no começo dos confrontos entre a Indonésia e a Malásia; missões similares foram realizada durante os cinco anos seguintes.[34] Em 1963, o esquadrão foi novamente agraciado com a Gloucester Cup.[35]

Em Agosto de 1964, o esquadrão tornou-se numa unidade independente, dado que a Asa N.º 86 foi extinta. Ao mesmo tempo, o Esquadrão N.º 486 também foi extinto, deixando o Esquadrão N.º 36 responsável pela manutenção e reparação das suas próprias aeronaves até 1966, quando o Esquadrão N.º 486 voltou a ser formado para servir os esquadrões 36 e 37, tendo o segundo recebido doze C-130E.[36][37] Durante a Guerra do Vietname, ambos os esquadrões efectuaram missões de transporte de longo alcance e evacuações médicas entre a Austrália e o Sudeste Asiático.[23][38] No dia 1 de Abril de 1971, o Príncipe Filipe, Duque de Edinburgo, entregou ao esquadrão o seu próprio estandarte, em reconhecimento pelo serviço prestado durante um quarto de século.[23][39] Oito dos doze C-130 do esquadrão estiveram envolvidos, na época natalícia de 1974, em missões de humanitárias e de socorro, depois de um ciclone ter atingido a cidade de Darwin; as aeronaves voaram 550 horas, transportando 2864 passageiros e quase 360 mil quilogramas de mercadorias.[40] Servindo o esquadrão durante duas décadas, totalizando 147 mil horas de voo sem um único acidente, os C-130A foram substituídos por C-130H em 1978.[31][32]

 
Um C-130H Hercules em Camberra, em Agosto de 2004

Em Novembro de 1978, um dos C-130H do esquadrão tornou-se no primeiro C-130 australiano a aterrar na Antárctida, no Estreito de McMurdo. Em 1984, o esquadrão alcançou as 200 mil horas de voo sem qualquer tipo de acidente.[39] Quando a Asa N.º 86 voltou a ser formada em Richmond, no dia 2 de Fevereiro de 1987, sob o recém-criado Air Lift Group, o Esquadrão N.º 46 ficou sob a sua alçada.[3][41] Em 1989, o esquadrão foi agraciado pela terceira vez com a Gloucester Cup.[42] Neste ano, o esquadrão providenciou transporte aéreo a civis devido a um confronto entre pilotos civis, que afectou os voos de duas companhias aéreas domésticas; três aeronaves e cinco tripulações tomaram conta da missão, isto para além das suas funções normais.[23][43] O esquadrão alcançou as 100 mil horas de voo sem qualquer acidente com o C-130 H durante o ano de 1990.[39] Em Dezembro de 1990 e Janeiro de 1991, o esquadrão voou em missão até ao Dubai, em apoio à contribuição naval da Austrália na Guerra do Golfo, e em 1993 transportou militares australianos para a Somália, como parte da Operação Solace.[23][44] Quatro dos seus C-130H foram equipados com dispositivos de protecção de guerra electrónica, incluindo radar e sistema de detecção de misseis, além de outros equipamentos de defesa.[45] Mais tarde, ainda na década de 1990, um dos C-130H foi equipado com um sistema de detecção e comunicações e transmissões.[46]

Em 1997, depois do Golpe de Estado no Cambodja, seis C-130 do esquadrão evacuaram mais de 450 civis da zona de confronto.[47] O esquadrão voltou a estar responsável pela manutenção das suas próprias aeronaves em 1998, quando o Esquadrão N.º 486 voltou a ser extinto.[48] Entre Setembro de 1999 e Fevereiro de 2000, o esquadrão enviou um destacamento para prestar apoio às operações da Força Internacional para o Timor-Leste.[49] O esquadrão recebeu quatro C-130E que vieram do Esquadrão N.º 37, dado que este iria ser equipado com os novos C-130J; os modelos "E" foram retirados de serviço no ano seguinte.[32][50] Em 2001, foi agraciado pela quarta vez com a Gloucester Cup. Em outubro de 2002, participou nos esforços humanitários após os atentados em Bali.[51] Em Fevereiro de 2003, enviou um destacamento composto por dois C-130 para o Médio Oriente, como parte da contribuição australiana na invasão do Iraque. As aeronaves chegaram no dia 10 de Fevereiro, e começaram a realizar missões menos de duas semanas depois; um C-130 do Esquadrão N.º 36 tornou-se na primeira aeronave do coligação a aterrar na Base aérea de Al Asad, a oeste de Bagdade, depois de ficar segura pelas forças especiais australianas.[52] Um dos aviões foi atingido por artilharia antiaérea perto de Bagdade no dia 27 de Junho de 2004, ferindo mortalmente um dos passageiros.[53] O destacamento permaneceu no Iraque até Setembro de 2004, quando foi rendido por dois C-130J do Esquadrão N.º 37.[54] O Esquadrão N.º 36 também participou em missões humanitárias de socorro aquando do tsunami de 2004 que ocorreu no Oceano Indico e atingiu, principalmente, a costa de Sumatra.[55]

A era GlobemasterEditar

 
Um C-17 Globemaster a estacionar numa pista no Afeganistão, em Dezembro de 2010

Em Maio de 2006, o Esquadrão N.º 36 começou a receber formação nos Estados Unidos para se prepararem para o re-equipamento do esquadrão com aviões de transporte aéreo pesado Boeing C-17 Globemaster III.[56] Os seus C-130H foram transferidos para o Esquadrão N.º 37 no dia 17 de Novembro de 2006, antes do esquadrão ser transferido para Amberley. Também a 17 de Novembro, Linda Corbould tomou o comando do esquadrão, tornando-se na primeira mulher da história da RAAF a liderar um esquadrão.[57] Corbould foi responsável pela entrega do primeiro Globemaster dos Estados Unidos à Austrália no dia 4 de Dezembro.[58] O esquadrão atingiu capacidade operacional inicial com o C-17 no dia 11 de Setembro de 2007, após oito meses de treino.[59] Em Junho de 2008, o esquadrão voltou a ser agraciado com a Gloucester Cup como o esquadrão da RAAF mais proficiente de 2007.[60][61] Corbould concluiu o seu percurso como comandante do esquadrão no dia 8 de Dezembro de 2008, o dia do segundo aniversário de operação com o C-17, realizando o primeiro voo da RAAF com uma tripulação composta apenas por elementos femininos.[62]

Desde que foi re-equipado com os C-17, o Esquadrão N.º 36 tem continuado a prestar apoio na Operação Slipper, assim como em operações humanitárias por todo o globo. Em 2011, participou nos esforços de socorro depois as enchentes na Austrália, no sismo de Canterbury e no sismo e tsunami de Tohoku, no Japão.[2] As enchentes na Austrália, mais especificamente em Queensland, fizeram com que dois C-17 fossem evacuados para Richmond, dado que Amberley ficou ameaçada pelo aumento das cheias; dos outros dois C-17, um estava no Médio Oriente e o outro estava a receberem manutenção em Amberley e teve que ser transportado por meios terrestres, escapando às águas.[63] O destacamento para o Japão envolveu os três C-17 disponíveis do esquadrão, estando o quarto ainda em manutenção.[63] No dia 11 de Maio de 2012, um C-17 transportou um tanque M1 Abrams da Base aérea de Darwin até à Baía Shoalwater, para participar em exercícios militares; foi a primeira vez que um Globemaster da RAAF transportou um tanque Abrams que, pesando ele 61 toneladas, estava entre os maior itens singulares que podiam ser transportados por esta aeronave com capacidade máxima de 70 toneladas.[64] Em Novembro do mesmo ano, o esquadrão recebeu o seu sexto Globemaster.[65] Foi novamente agraciado com a Gloucester Cup em Março de 2013 pela proficiência no ano anterior.[66]

Em Setembro de 2014, um C-17 da RAAF foi usado para transportar armamento e munições para o norte do Iraque, depois de uma ofensiva do Estado Islâmico. No dia 10 de Abril de 2015, o Primeiro-ministro Tony Abbott anunciou a compra de mais dois C-17, que elevariam a frota do esquadrão para oito.[67] Sendo que a sua frota iria aumentar, as instalações do Esquadrão N.º 36 foram melhoradas, aumentando a capacidade de manutenção das suas aeronaves nos seus próprios hangares.[7] Também no dia 10 de Abril, o esquadrão voltou a receber a Gloucester Cup, num recorde de sete vezes, e o Troféu de Manutenção da RAAF, também num recorde pela quarta vez.[68] Mais tarde no mesmo mês, um Airbus A330 MRTT do Esquadrão N.º 33 efectuou o primeiro reabastecimento aéreo da RAAF a um Globemaster do Esquadrão N.º 36.[11] No dia 19 de Maio, o Governador-geral Sir Peter Cosgrove entregou ao esquadrão um novo estandarte, ficando o antigo estandarte na Capela da Santíssima Trindade na Base aérea de Williams, em Victoria.[69] Em Junho de 2016, o esquadrão foi agraciado com a Meritorious Unit Citation, pelo "serviço exemplar em operações militares pelo Médio Oriente entre Janeiro de 2002 e Junho de 2014".[70]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Stackpool, Andrew; Solomou, Bill (14 de Abril de 2011). «New battle honours unveiled». Air Force. 53 (6). pp. 4–5. Consultado em 9 de outubro de 2016 
  2. a b c d e f g «No. 36 Squadron's role, aircraft, and operations». Royal Australian Air Force. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  3. a b Hamilton, Eamon (8 de Maio de 2014). «Symbolic change is perfect timing». Air Force. 56 (8). p. 7. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  4. «RAAF signs for C-17 support, as fears grow for the production line». Australian Defence Magazine. 1 de outubro de 2006. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  5. «Boeing delivers sixth C-17». Australian Defence Magazine. 2 de Novembro de 2012. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  6. No. 36 Squadron, Operations Record Book, p. 696
  7. a b c «Fleet complete». Air Force. 57 (22). 19 de Novembro de 2015. p. 3. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  8. «C-17A Globemaster description and specifications». Royal Australian Air Force. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 9 de abril de 2013 
  9. McPhedran, Air Force, pp. 228–231
  10. Waldron, Greg (19 de Fevereiro de 2013). «Australian airlift comes of age». Flight International. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 6 de março de 2016 
  11. a b «RAAF KC-30 refuels a RAAF C-17 for the first time». Australian Aviation. 6 de Maio de 2016. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2016 
  12. Gillison, Royal Australian Air Force, p. 481 Arquivado em 21 de outubro de 2012, no Wayback Machine.
  13. No. 36 Squadron, Operations Record Book, p. 674
  14. a b Eather, Flying Squadrons, pp. 73–74
  15. a b c d e f g h RAAF Historical Section, Maritime and Transport Units, pp. 55–57
  16. a b c d e f g h Roylance, Air Base Richmond, pp. 92–93
  17. «Dakota transport crash claimed 23 lives». Air Power Development Centre. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2013 
  18. Odgers, Air War Against Japan, p. 326 Arquivado em 23 de outubro de 2012, no Wayback Machine.
  19. «86 Wing ran Japan courier service». Air Power Development Centre. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  20. Parnell; Lynch, Australian Air Force Since 1911, p. 165
  21. Stephens, Going Solo, p. 196
  22. «RAAF squadron joined Berlin Airlift». Air Power Development Centre. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  23. a b c d e f g h i j k RAAF Historical Section, Maritime and Transport Units, pp. 57–59
  24. Stephens, Going Solo, pp. 247–249
  25. RAAF Historical Section, Maritime and Transport Units, p. 184
  26. Roylance, Air Base Richmond, p. 116
  27. No. 36 Squadron, Operations Record Book, p. 41
  28. Stephens, The Royal Australian Air Force, p. 232
  29. No. 36 Squadron, Operations Record Book, p. 36
  30. Roylance, Air Base Richmond, pp. 114–118
  31. a b Roylance, Air Base Richmond, pp. 97–98
  32. a b c «Lockheed Hercules». RAAF Museum. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 8 de julho de 2017 
  33. Stephens, Going Solo, p. 417
  34. «RAAF C-130 at start of Confrontation». Air Power Development Centre. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  35. «Gloucester Cup». The Sydney Morning Herald. 4 de Abril de 1963. p. 9 
  36. Roylance, Air Base Richmond, pp. 102, 114
  37. Stephens, Going Solo, pp. 424–425
  38. Roylance, Air Base Richmond, p. 100
  39. a b c Roylance, Air Base Richmond, p. 105
  40. «Looking back: 20 years ago». RAAF News. 37 (1). Janeiro–Fevereiro de 1995. p. 7 
  41. Roylance, Air Base Richmond, pp. 107–108, 115
  42. «Recognition for 36SQN». RAAF News. 33 (2). Março de 1991. p. 1 
  43. Roylance, Air Base Richmond, pp. 110–111
  44. «Advance party headed for Somalia». Air Power Development Centre. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2013 
  45. «Hercs taking care of business». RAAF News. 36 (7). Agosto de 1994. p. 1 
  46. La Franchi, Peter (24 de Fevereiro de 2004). «Australia to upgrade intelligence gathering pair». Flight International. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2016 
  47. «Cambodian coup prompted airlift». Air Power Development Centre. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2014 
  48. «Bulletin board». Air Force News. 40 (8). Setembro de 1998. p. 12 
  49. «RAAF units in East Timor». Australian War Memorial. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 30 de maio de 2016 
  50. Hamilton, Eamon (23 de Maio de 2013). «Reunion to unite C-130E community». Air Force. p. 15. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  51. Eaton, Mark (24 de outubro de 2002). «'Full-on' efforts earn plaudits». Air Force. 44 (20). Consultado em 16 de outubro de 2016 
  52. «The War in Iraq: ADF Operations in the Middle East in 2003» (PDF). Department of Defence. pp. 21, 24–25, 29, 37. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 9 de outubro de 2016 
  53. Solomou, Bill (16 de Junho de 2016). «Citation comes as a nice surprise». Air Force. 58 (10). p. 2. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  54. «Stallions have a spell». Air Force. 46 (16). 9 de Setembro de 2004. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  55. «Relief effort after Boxing Day tsunami». Air Power Development Centre. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2014 
  56. McLaughlin, Andrew (Setembro de 2008). «Big Mover». Australian Aviation (253). pp. 40–46 
  57. Banham, Cynthia (17 de Novembro de 2006). «Breaking glass ceiling all in a day's flying for this ace». The Sydney Morning Herald. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  58. Walker, Frank (10 de Dezembro de 2006). «We have touchdown: RAAF welcomes giant transporter». The Sydney Morning Herald. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  59. Rollings, Barry (20 de Setembro de 2007). «Green light for C-17». Air Force. 49 (17). Consultado em 16 de outubro de 2016 
  60. «87th night of nights» (PDF). Air Force. 50 (6). 17 de Abril de 2008. p. 5. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  61. «Best on the night» (PDF). Air Force. 50 (11). 26 de Junho de 2008. p. 7. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  62. «Celebrating the C-17 Globemaster» (Nota de imprensa). The Hon. Warren Snowdon MP, Minister for Defence Science and Personnel. 8 de Dezembro de 2008. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 13 de Março de 2011 
  63. a b Pittaway, Nigel (Julho–Setembro de 2012). «Gentle Giant». Aero Australia (35). pp. 18–22 
  64. Hamilton, Eamon; Gardiner, Kris (24 de Maio de 2012). «61-tonne passenger». Air Force. 54 (9). p. 7. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  65. Hamilton, Eamon (6 de Dezembro de 2012). «Sixth C-17A's big impact». Air Force. 54 (23). p. 2. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  66. «Our best of 2012 awarded». Air Force. 55 (6). 11 de Abril de 2013. pp. 4–5. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  67. Greene, Andrew (11 de Abril de 2015). «RAAF to receive two more C-17 Globemaster planes in billion-dollar defence purchase». Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  68. «Double prize for 36SQN». Air Force. 57 (7). 23 de Abril de 2015. p. 7. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  69. Donnelly, Shaun (16 de Junho de 2016). «Setting the standard». Air Force. 58 (10). p. 9. Consultado em 16 de outubro de 2016 
  70. «Military – Distinguished & Conspicuous» (PDF). Queen's Birthday Honours List 2016. Governor-General of the Commonwealth of Australia. Consultado em 16 de outubro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 4 de agosto de 2016 

BibliografiaEditar