Esquadrão da Morte (Brasil)

O Esquadrão da Morte foi uma organização paramilitar surgida no final dos anos 1960 cujo objetivo era perseguir e matar pessoas tidas como perigosas para a ditadura militar.[1]

Começou no antigo estado da Guanabara comandado pelo detetive Mariel Mariscot, um dos chamados "12 Homens de Ouro da Polícia Carioca", e se disseminou por todo o Brasil. Em geral, os seus integrantes eram políticos, membros do Poder Judiciário, policiais civis e militares e era mantida, via de regra, pelo empresariado.

A mais famosa organização foi a "Scuderie Le Cocq", cujo nome homenageava o detetive Milton le Cocq, que foi perdendo importância ao longo da década de 1990 no estado do Rio de Janeiro devido a ação de membros que agiam sem controle, bem como faziam a segurança de contraventores.

Há indícios de que atue, ainda, no estado do Espírito Santo, mais precisamente na região da Grande Vitória.

BibliografiaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Sociedade, cultura e política: ensaios críticos. Ana Amélia da Silva, Miguel Wady Chaia, Carmen Junqueira - 2004 - pág. 625
  2. «Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político». Jornal USP. Consultado em 26 de abril de 2021. Cópia arquivada em 26 de abril de 2021 
  3. «Página Cinco - Livro aponta Jair Bolsonaro como capitão da "República das Milícias"». www.uol.com.br. Consultado em 26 de outubro de 2020 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre História do Brasil é um esboço relacionado ao Projeto História do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.