Estádio Regional de Cambará

O Estádio Regional Vicente de Camargo (antigo Estádio Regional de Cambará), é um estádio de futebol localizado no município de Cambará, no Estado do Paraná. Sua capacidade é para vinte mil pessoas, cuja propriedade atual é da TOM.[1]

HistóriaEditar

No início da década de 1980, empolgados com o sucesso do time da Sociedade Esportiva Matsubara (que disputava seus jogos no acanhado "campo do Operário"), a TOM (Torcida Organizada do Matsubara) resolveu mobilizar a comunidade cambaraense para construir um estádio, que trouxesse mais conforto e pudesse receber um número maior de pessoas para acompanhar o time da cidade. Através desta ideia conseguiram arrecadar fundos, doações de materiais e até mesmo mão de obra para construir o estádio.[2]

Na primeira etapa da construção deste estádio, foram erguidas as arquibancadas cobertas, cabines de rádio e TV, banheiros e espaço para dois bares em uma das laterais do gramado. Na outra lateral construíram arquibancadas descobertas, banheiros e o espaço para um bar. Foram construídos cinco vestiários, sendo dois para os jogos principais, outros dois para uso nos jogos preliminares e um para os árbitros.

No Campeonato Paranaense de 1993, o Matsubara fez uma grande campanha, classificando-se para o quadrangular final.[3] Entretanto, não podia mandar seus jogos finais em Cambará, pois o regulamento da competição previa que a capacidade os estádios da fase final tinham de ser, no mínimo, para 20 mil pessoas (na ocasião o estádio cambaraense comportava 12 mil espectadores). Desta maneira, a equipe mandou as suas partidas no Estádio Willie Davids, localizado em Maringá.[4]

Com base no ocorrido em 1993, a diretoria da TOM convocou novamente os torcedores da cidade para realizar a sua ampliação, visando os 20 mil lugares. Construíram novas arquibancadas descobertas, unindo as duas laterais através dos gols de fundo do estádio.[4]

SituaçãoEditar

Na década de 1990, o estádio recebeu importantes partidas válidas pelos campeonatos estadual (primeira divisão) e nacional (terceira divisão, a atual Série C, de 1992).[5] Alguns jogadores e treinadores famosos já estiveram nele, como o meia Alex do Fenerbahçe, Ozéias, Paulo Rink, Rafael Camarota, Abel Braga e Levir Culpi.

Devido a um impasse quanto a manutenção do estádio, entre a TOM e a Sociedade Esportiva Matsubara, o local não recebe mais jogos oficiais desde que o time de futebol mudou-se para Santo Antônio da Platina (para a disputa da terceira divisão estadual de 2009).[2] Antes disto, a equipe do Matsubara já havia mandado suas partidas na cidade de Londrina nas temporadas de 1995 e 1996, cujo retorno em 1997 obteve pouco impacto como resultado.[6] Embora tenha sido estudada a volta da equipe para este estádio (visando a disputa da terceira divisão estadual na temporada 2011), a ação acabou não se realizando.[7] Durante alguns anos, esta praça esportiva tem sido usada somente em amistosos da seleção cambaraense ou para a realização de eventos esportivos da cidade.

AtualidadeEditar

Sem receber partidas oficiais desde o licenciamento oficial do Matsubara, em 2012, o estádio tem boas condições de manutenção (em ações provenientes da TOM).[4][8] Contudo, a realização de eventos com caráter esportivo tem sido algo raro.[1]

Em meados de 2012, o palco do futebol cambaraense chegou a servir como local de pastagem.[9] No ano de 2015, este estádio passou por uma remodelação.[10]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Mendes Júnior, Leonardo (2 de fevereiro de 2013). «"Fábrica de revelações", Matsubara agoniza no abandono | Norte Pioneiro o Futebol em agonia». Gazeta do Povo | Esportes (salvo em Wayback Machine). Consultado em 7 de março de 2019 
  2. a b Hamilko, Gabriel (8 de outubro de 2013). «Brasil Afora: a história de uma torcida que tem estádio, mas não tem time». globoesporte.com. Consultado em 18 de fevereiro de 2018 
  3. Rodrigues, Gerson (15 de fevereiro de 2013). «Campeonato Paranaense 1993 | futebolnacional.com.br». futebolnacional.com.br. Consultado em 18 de fevereiro de 2018 
  4. a b c Casari, Yuri (5 de novembro de 2016). «A torcida do Matsubara construiu um estádio e hoje não tem clube para torcer - Trivela». Trivela. Consultado em 18 de fevereiro de 2018 
  5. «Campeonato Brasileiro Série C 1992 - Tabela». www.bolanaarea.com. Bola na Área (salvo em Wayback Machine). 5 de setembro de 2009. Consultado em 18 de fevereiro de 2018 
  6. Maschio, José (5 de junho de 1997). «Matsubara volta para casa mas público nem liga 05/06/97 16h39». www1.folha.uol.com.br. UOL - Folha Online. Consultado em 7 de março de 2019 
  7. Schwartz, Widson (24 de abril de 2011). «Cambaraense e Operário antes do incerto Matsubara». Folha de Londrina. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  8. Cruz, Lucio Flávio (19 de junho de 2016). «Estádios agonizam no Norte Pioneiro». Folha de Londrina. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  9. Valenciano, Tiago (2 de janeiro de 2016). «A rota dos estádios perdidos no interior do Paraná». Redação em Campo. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  10. Valenciano, Tiago (5 de abril de 2018). «A torcida que tem estádio, mas não tem time». Redação em Campo. Consultado em 7 de março de 2019 

Ligação externaEditar