Abrir menu principal
Cardeal Arcoverde
Interior da estação.
Uso atual Estação de Metrô Estação de Metrô
Administração Metrorioicon.png Metrô Rio
Linha Icon 1 (set orange).png Linha 1
Sigla CAV
Posição Subterrânea
Plataformas 2 (Laterais)
Capacidade 60 mil passageiros hora/pico
Serviços Escada rolante
Conexões Terminal rodoviário
Informações históricas
Inauguração 02 de julho de 1998 (21 anos)
Localização
Cardeal Arcoverde está localizado em: Rio de Janeiro (cidade)
Cardeal Arcoverde
Localização da Estação Cardeal Arcoverde
22° 57' 53" S 43° 10' 50" O
Endereço Praça Cardeal Arcoverde
Município Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Rio de Janeiro - RJ
País  Brasil
Próxima estação
Sentido Uruguai Icon 1 (set orange).png Sentido General Osório
Botafogo Siqueira Campos
Cardeal Arcoverde

A Estação Cardeal Arcoverde fica entre a Botafogo e a Siqueira Campos. Foi inaugurada em 02 de julho de 1998 e cerca de 60 mil pessoas por dia transitam nela diariamente. Localiza-se na praça Cardeal Arcoverde, em Copacabana, entre as ruas Tonelero e Barata Ribeiro.

HistóriaEditar

As obras da estação Cardeal Arcoverde[1] foram iniciadas em fevereiro de 1988[2], sendo parte do projeto da gestão Moreira Franco de ampliar a Linha 1 do Metrô até Copacabana. Durante a fase de projeto, moradores do baiiro Peixoto se posicionaram radicalmente contra as obras da estação e tentaram , sem sucesso cancelar a mesma[3][4] No entanto, por falta de recursos, as obras foram paralisadas em janeiro de 1990[5] Houve uma tentativa de retomada em 1994, quando o metrô do Rio quase foi municipalizado, mas a obra não saiu do papel.[6] Apenas em 4 de maio de 1995, na gestão de Marcelo Alencar, as obras foram retomadas. A previsão de inauguração era de outubro de 1997.[7][8][9]

Atrasos, porém fizeram com que a estação fosse entregue apenas em 2 de julho de 1998, a um custo de 190 milhões de reais.[10][11][12]

ToponímiaEditar

A praça Sacopenapã foi aberta em 26 de julho de 1894. Com a morte do Cardeal Arcoverde em 1930, foi rebatizada homenageando o mesmo. Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti (1850-1930) foi o primeiro cardeal católico romano da América Latina. A estação do metrô foi construída em parte sob a praça, recebendo o seu nome como referência geográfica.[13][10]

CaracterísticasEditar

A estação Cardeal Arcoverde possui profundidade máxima de 53 m (em relação à superfície da Praça Arcoverde). Para a sua construção foram escavados 327 mil m3 de material rochoso em sua maioria, transportados por 30 mil caminhões. O solo rochoso foi parcialmente escavado com 308 toneladas de explosivos. Para a a construção da estrutura da estação foram empregados 5 mil toneladas de aço e 62,5 mil m3 de concreto. A distância entre o acesso da estação, a área de mezaninos (bilheterias, catracas e escadas) e as plataformas é de 180 m, vencidos por 3 esteiras rolantes de 86 m. A estação possui 8 escadas rolantes e elevadores em seus quatro níveis. Para o revestimento dos pisos foram utilizados 135 tipos de granito enquanto que as paredes receberam 68 cores diferentes.[10]

Possui dois acessos: Barata Ribeiro (pela praça Cardeal Arcoverde) e Tonelero.

TabelasEditar

Sigla Estação Inauguração Capacidade Integração Plataformas Posição Notas
CAV Cardeal Arcoverde 1998 60 mil passageiros hora/pico Integração expressa para o bairro do Leme Laterais Subterrânea

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Metrô promete estender Linha 1 a Ipanema até 1990». Jornal do Brasil, Ano XCVII, edição 94, 1º Caderno - Cidade, página 3/ republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 11 de julho de 1987. Consultado em 11 de maio de 2019 
  2. «Metrô cerca três praças e inicia a obra da Linha 1». Jornal do Brasil, Ano XCVII, edição 298, 2º Caderno - Cidade, página 2/ republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 2 de fevereiro de 1988. Consultado em 11 de maio de 2019 
  3. Luiz Fernando Gomes (20 de agosto de 1987). «Polêmica atravanca futuro do metrô em Copacabana». Jornal do Brasil, Ano XCVII, edição 165, 1º Caderno - Cidade, página 14/ republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de maio de 2019 
  4. «Metrô não vai interditar a Rua Toneleiro». Jornal do Brasil, Ano XCVIII, edição 137, Caderno - Cidade, página 2/ republicado pela Biblioteca Nacional/Hemeroteca Digital Brasileira. 23 de agosto de 1988. Consultado em 11 de maio de 2019 
  5. «Problemas nos transportes-Metrô». Jornal do Brasil, Ano XCVIX, edição 295, Caderno - Cidade, página 3/ republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 30 de janeiro de 1990. Consultado em 11 de maio de 2019 
  6. «Maia quer investir US$ 62 milhões no metrô». Jornal do Brasil, Ano CIV, edição 236, Seção Cidade, página 20/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 30 de novembro de 1994. Consultado em 11 de maio de 2019 
  7. «Marcello promete inaugurar o Rabicho do metrô em 18 meses». Jornal do Brasil, Ano CV, edição 20, Seção Cidade, página 18/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 28 de abril de 1995. Consultado em 11 de maio de 2019 
  8. «Marcello acena com R$ 4 bilhões». Jornal do Brasil, Ano CV, edição 267, Seção Cidade, página 32/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 31 de dezembro de 1995. Consultado em 11 de maio de 2019 
  9. «Marcello quer metrô no coração de Copacabana». Jornal do Brasil, Ano CV, edição 322, Seção Cidade, página 15/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 24 de fevereiro de 1996. Consultado em 11 de maio de 2019 
  10. a b c Dagoberto Souto Maior (28 de junho de 1998). «Metrô valoriza Copacabana». Jornal do Brasil, Ano CVIII, edição 81, Seção Cidade, página 29/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de maio de 2019 
  11. Dagoberto Souto Maior (2 de julho de 1998). «Copacabana nos trilhos». Jornal do Brasil, Ano CVIII, edição 81, Seção Cidade, página 23/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de maio de 2019 
  12. Dagoberto Souto Maior (3 de julho de 1998). «Parada em Copacabana». Jornal do Brasil, Ano CVIII, edição 86, Seção Cidade, página 23/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de maio de 2019 
  13. saudadesdoriodoluizd.blogspot.com/2017/08/praca-cardeal-arcoverde.html

Ligações externasEditar