Estação Ferroviária de Coina

estação ferroviária em Portugal
Coina
BSicon BAHN.svg
Estação de Coina.png
Identificação[1] 17236 CIN (Coina)
Classificação ES (estação)
Denominação Estação de Coina
Linha(s) Linha do Sul (PK 22,935)
Coordenadas
38° 35′ 05,1″ N, 9° 03′ 05,6″ O
Concelho bandeiraSesimbra
Serviços
Estação anterior Fertagus Fertagus Estação seguinte
Terminal   010   Fogueteiro
Roma-Areeiro
Penalva
Setúbal
  020  
Conexões 060 090  16   1N   2N 
Equipamentos Zona Comercial Estação sem barreiras arquitectónicas Parque de estacionamento Serviço de táxis
Inauguração 6 de Outubro de 2004 (há 15 anos)
Website
Dois aspetos da estação: telheiro e via, em 2005.

A Estação Ferroviária de Coina é uma gare da Linha do Sul, em Portugal, que serve a área suburbana esparsa do vale da Ribeira de Coina, nomeadamente a freguesia de Coina, no concelho do Barreiro, a de Azeitão, concelho de Setúbal, a de Fernão Ferro, concelho do Seixal, e a de Quinta do Conde, concelho de Sesimbra. Apesar da denominação oficial, a estação está localizada nesta última freguesia.

DescriçãoEditar

 
Comboio de mercadorias circulando no Ramal da Siderurgia Nacional, em 2011. Estas composições passam sem paragem em Coina em direção a sul ou invertem para seguir para norte.

ServiçosEditar

Esta estação é utilizada exclusivamente pelos serviços da operadora Fertagus (passageiros)[2] e por ela gerida.[3] É o terminal sul do serviço curto da Fertagus,[2] assim prolongado em 2004 do anterior terminal no Fogueteiro.[4]

Vias e plataformasEditar

Em Janeiro de 2011, apresentava quatro vias de circulação, duas com 280 m de comprimento, e as restantes com 397 e 375 m, respetivamente; as plataformas tinham todas 90 cm de altura e 251 m de extensão.[5] Da via V, da direção de Campolide A, lado norte, deriva o Ramal da Siderurgia Nacional, ao mesmo PK 22,935.[1]

Localização e acessosEditar

Esta interface tem acesso pelo epónimo Largo da Estação Ferroviária de Coina, na povoação de Pinhal do General, Quinta do Conde (mun. Sesimbra),[6] junto à superfície comercial B Planet.

Transportes UrbanosEditar

Os serviços SulFertagus que operam com dístico próprio são identificados por um número simples e uma letra mnemónica da estação onde a carreira tem término e, desde 2019, com uma cor distintiva:  N  (lilás), no caso de Coina.[7]

HistóriaEditar

 
Pormenor da via, em 2005.
CP-USGL + CP-Reg + Soflusa + Fertagus
(Serviços ferroviários suburbanos de passageiros na Grande Lisboa)
Serviços:   Cascais (CP)  Sintra (CP)  Azambuja (CP)
  Sado (CP+Soflusa)  CP Regional (R+IR)  Fertagus
 
             
 
**(n) Azambuja 
               
 Praias do Sado-A (u)
(n) Espadanal da Azambuja 
             
 Praça do Quebedo (u)
(n) Vila Nova da Rainha 
           
 Setúbal (u)
(n) Carregado 
     
 
 
   
 Palmela (u)
(n) Castanheira do Ribatejo 
           
 Venda do Alcaide (u)
(n) Vila Franca de Xira 
       
 
 
 Pinhal Novo (u)(a)
(n) Alhandra 
           
 Penteado (a)
(n) Alverca 
               
 Moita (a)
(n) Póvoa 
               
 Alhos Vedros (a)
(n) Santa Iria 
               
 Baixa da Banheira (a)
(n) Bobadela 
               
 Lavradio (a)
(n) Sacavém 
               
 Barreiro-A (a)
(n) Moscavide 
               
 Barreiro (a)
(n) Oriente 
           
 (Soflusa)
(n)(z) Braço de Prata 
         
 
 
 Terreiro do Paço (a)
 
 
 
 
 
 
 
 
 Penalva (u)
(n)(ẍ) Santa Apolónia 
 
 
 
 
 
       
 Coina (u)
(z) Marvila 
 
         
 Fogueteiro (u)
(z) Roma-Areeiro 
           
 Foros de Amora (u)
(z) Entrecampos 
           
 Corroios (u)
(z)(7) Sete Rios 
           
 Pragal (u)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Campolide (z)(s)(u)*
(s) Benfica 
             
 Rossio (s)
(s) Santa Cruz-Damaia 
             
 Cais do Sodré (c)
(s) Reboleira 
             
 Santos (c)
(z) Alcântara-Terra 
 
 
 
 
   
 Alcântara-Mar (c)
(s) Amadora 
               
 Belém (c)
(s) Queluz-Belas 
               
 Algés (c)
(s) Monte Abraão 
               
 Cruz Quebrada (c)
(s) Massamá-Barcarena 
               
 Caxias (c)
(s)(o) Agualva-Cacém 
               
 Paço de Arcos (c)
 
 
 
         
 Santo Amaro (c)
(o) Mira Sintra-Meleças 
               
 Rio de Mouro (s)
(s) Mercês 
             
 Oeiras (c)
(s) Algueirão - Mem Martins 
             
 Carcavelos (c)
(s) Portela de Sintra 
             
 Parede (c)
(s) Sintra 
             
 São Pedro Estoril (c)
(o) Telhal 
           
 São João Estoril (c)
(o) Sabugo 
           
 Estoril (c)
(o) Pedra Furada 
           
 Monte Estoril (c)
(o) Mafra 
           
 Cascais (c)
(o) Malveira 
   
 
   
 Jerumelo (o)**

2015-2019 []

Linhas: a L.ª Alentejoc L.ª Cascaiss L.ª Sintra C.ª X.
n L.ª Norteo L.ª Oestez L.ª Cinturau L.ª Sul7 C.ª 7 R.
(*) vd. Campolide-A   (**)   continua além z. tarif. Lisboa

Fonte: Página oficial, 2020.06

O troço da Linha do Sul (ou, melhor, do que mais tarde[quando?] se viria a reclassificar como Linha do Sul) entre o Fogueteiro e Coina foi construído em 1998, no âmbito do projecto do Eixo Ferroviário Norte-Sul.[8][9] No ano seguinte, foi inaugurado o caminho de ferro pela Ponte 25 de Abril.[9] Embora a linha estivesse construída até à Coina, os serviços suburbanos que vinham de Lisboa, explorados pela empresa Fertagus, terminavam no Fogueteiro, sendo o lanço até à Coina utilizado apenas como acesso às oficinas da Fertagus.[8][4]

Em 20 de Janeiro de 2003, o Ministro das Obras Públicas, Valente de Oliveira, fez uma viagem experimental entre Coina e Pinhal Novo, para visitar as obras da Linha do Sul naquele troço.[8] Estas obras, cuja conclusão estava prevista para Abril de 2004, permitiram a ligação directa entre o Pinhal Novo e a linha vinda de Lisboa pela Ponte 25 de Abril, permitindo a realização de serviços directos entre a capital e as regiões do Alentejo e Algarve, e o prolongamento dos comboios suburbanos da Fertagus até Setúbal.[8] Os estudos apuraram que os comboios daquela empresa podia iniciar serviços desde Roma-Areeiro até Coina, Pinhal Novo e Setúbal.[8] Nessa altura, previa-se que a Estação de Coina fosse ter 1000 lugares de estacionamento na primeira fase, e que iria receber mais 2000 lugares na segunda fase.[8]

Em 20 de Junho de 2003, foi organizado um comboio especial entre Lisboa e Faro para o transporte do Ministro das Obras Públicas, já Carmona Rodrigues, e outros convidados, igualmente para inspeccionar as obras de modernização da Linha do Sul; a comitiva parou em Coina, onde foi feita uma visita às obras da nova estação.[10]

Esta interface foi inaugurada no dia 6 de Outubro de 2004.[2]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b (I.E.T. 50/56) 56 º Aditamento à Instrução de Exploração Técnica N.º 50 : Rede Ferroviária Nacional. IMTT, 2011.10.20
  2. a b c «Estação de Coina». Fertagus. Consultado em 15 de Julho de 2019 
  3. Ecossistema Ferroviário Português 2012-2016 AMT – Autoridade da Mobilidade e dos Transportes: Lisboa, 2018: p.21
  4. a b «Estação de Fogueteiro». Fertagus. Consultado em 16 de Julho de 2019 
  5. «Directório da Rede 2012». Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. p. 82-83 
  6. «Coina - Linha do Sul». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 23 de Novembro de 2017 
  7. 1N : Coina - Quinta do Condefertagus.pt (2020.02.06)
  8. a b c d e f CIPRIANO, Carlos (21 de Janeiro de 2003). «Viajar de Entrecampos para Faro em comboio directo vai ser possível já no próximo Verão». Público. 13 (4687). Público, Comunicação Social, S. A. p. 46 
  9. a b REIS et al, 2006:202
  10. CIPRIANO, Carlos (21 de Junho de 2003). «Ministro garante comboios directos para o Algarve em Julho». Público. 14 (4839). Lisboa: Público, Comunicação Social, S. A. p. 50 

BibliografiaEditar

  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Estação de Coina

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.