Estação Ferroviária de Entrecampos

estação ferroviária em Portugal

A estação ferroviária de Entrecampos, originalmente conhecida como de Entre-Campos,[4] é uma gare ferroviária de passageiros em Lisboa, gerida pela Infraestruturas de Portugal, S.A. e servida por comboios da C.P. e da Fertagus, com ligação mecânica subterrânea ao Metropolitano de Lisboa, na Linha Amarela (Estação Entre Campos), e uma dezena de carreiras da Carris. Anexa a esta estação, encontra-se o terminal de Entrecampos Poente, sem serviço comercial.

Entrecampos
Estação Ferroviária de Entrecampos
a estação de Entrecampos em 2012
Identificação: 66050 ETC (Entrecampos)[1]
Denominação: Estação Satélite de Entrecampos
Administração: Infraestruturas de Portugal (até 2020: centro;[2] após 2020: sul)[3]
Classificação: ES (estação satélite)[1]
Tipologia: A [3]
Linha(s): Linha de Cintura (PK 5+930)
Altitude: 90 m (a.n.m)
Coordenadas: 38°44′40.44″N × 9°8′55.2″W

(=+38.74457;−9.14867)

Mapa

(mais mapas: 38° 44′ 40,44″ N, 9° 08′ 55,2″ O; IGeoE)
Município: border link=LisboaLisboa
Serviços:
Estação anterior Comboios de Portugal Comboios de Portugal Estação seguinte
Sete Rios
Évora
Faro
  IC   Lis-Oriente
terminal
Sete Rios
Cald.Rainha
  IR   Lis-Apolónia
terminal
Sete Rios
Cald.Rainha
  R   Lis-Apolónia
terminal
Sete Rios
Sintra
  S   Roma-Areeiro
Lis-Oriente
Alverca
Sete Rios
Alcântara-T.
  AZ   Roma-Areeiro
Cast.Ribat.
Azambuja
Fertagus Fertagus
Sete Rios
Coina
  1   Roma-Areeiro
terminal
Sete Rios
Setúbal
  2  

Coroa: Coroa L Navegante
Conexões:
Ligação a autocarros
Ligação a autocarros
207 727 736 738 744 749 754 783
Ligação ao metro
Ligação ao metro
Entre Campos
Serviço de táxis
Serviço de táxis
LSB
Equipamentos: Bilheteiras e/ou máquinas de venda de bilhetes Lavabos Telefones públicos Caixas Multibanco Acesso para pessoas de mobilidade reduzida Informações - Gabinete de Apoio ao Cliente Guarda de bagagem
Website:
 Nota: Para a estação ferroviária contígua, em desuso nominal, veja Estação Ferroviária de Entrecampos Poente. Para a estação de metropolitano com o mesmo nome, veja Estação Entre Campos.
Vista aérea, de sudoeste.

Descrição

editar
 
Aspeto das plataformas, em 2006.
 
Entrada norte, em 2011.
 
Motivos plásticos na entrada sul, em 2022.

Localização e acessos

editar

A estação de Entrecampos está construída num viaduto sobre as avenidas da República e Cinco de Outubro, e a entrada principal faz-se pelas Rua Dr. Eduardo Neves (a sul) e Rua Cordeiro de Sousa (a norte), ruas paralelas entre si e transversais entre àquelas duas avenidas de Lisboa; é um local central da cidade, sendo esta a estação ferroviária mais próxima do centro geográfico do município.[5]

Infraestrutura

editar

Desde[quando?] pelo menos Janeiro de 2017, esta interface apresenta quatro vias de circulação, com 320 a 325 m de comprimento útil, 310 m de plataformas com uma altura de 90 cm.[6][3]

Situa-se junto a esta interface, ao PK 6+200, a zona neutra de Entrecampos que isola os troços da rede alimentados respetivamente pelas subestações de tração de Vila Franca de Xira e de Amadora.[3]

Arquitetura

editar

A gare intermodal de Entrecampos é um projeto arquitetónico de Carlos Roxo com intervenções plásticas de José Santa-Bárbara e de Luís Ralha.[7] A sua concepção foi condicionada pelo facto do edifício se situar num viaduto sobre uma das mais importantes artérias da cidade de Lisboa, o que lhe aumentava a visibilidade e a importância no contexto urbano.[8] Assim, decidiu-se que a estação deveria ser construída como um objecto urbano, que serviria de exemplo da integração de várias artes plásticas.[8] O interior do edifício está dividido em três partes, a primeira situada ao nível do solo e que serve de acesso, a segunda em mezanino, que é utilizada para distribuição, e a terceira, onde se situa a gare ferroviária, com as plataformas.[8] O piso térreo e o mezanino, devido à sua importância como os locais de acesso entre a estação e o resto da cidade, foram construídos com paredes de vidro, de forma a se poder ver o movimento das pessoas, que constitui também parte da composição arquitectural.[8] Quanto ao nível da gare, este foi concebido de forma a dar um ambiente industrial, através do uso predominante do aço como material.[8]

Serviços

editar

Em 2012 Entrecampos era a mais movimentada de todas as estações ferroviárias portuguesas, com 405 circulações (no total dos dois sentidos) em cada dia útil, apenas com mais quatro circulações diárias que Sete Rios, a estação seguinte da Linha de Cintura no sentido poente. O grosso deste movimento é constituido pelos comboios suburbanos da região de Lisboa, mas a estação é igualmente servida por alguns comboios nacionais, incluindo todos os que ligam Lisboa ao sul de Portugal. Em 2012 paravam na Estação de Entrecampos as seguintes circulações:[carece de fontes?]

História

editar
 Ver artigo principal: Linha de Cintura § História
 
 
 
Cruzamento da Linha de Cintura com a Av. República, em mapa de 1908, entre os apeadeiros de Entre-Campos (d.ta) e de Campo Pequeno (esq.).
 Ver artigo principal: Linha de Cintura § História

A estação de Entrecampos situa-se no troço da Linha de Cintura entre Benfica e Santa Apolónia, que entrou ao serviço no dia 20 de Maio de 1888, pela Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses.[9]

 
Edifício da gare em 1917 (exílio de Bernardino Machado).

Em 1 de Janeiro de 1925, noticiou-se que já tinham sido concluídas as obras no (então ainda) apeadeiro[4] de Entrecampos, melhorando as suas condições de serviço.[10]

Em 1932, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses estava a planear a construção de uma estação em Entrecampos, perto do apeadeiro, de forma a substituir a Gare do Rossio,[11] projeto que não chegaria a concretizar-se.[carece de fontes?]

Na primeira metade do século XX, havia sido instalada uma marquise sobre a gare dos passageiros.[12]

Em 4 de Outubro de 1948, foi organizada uma viagem experimental entre as estações de Entrecampos e Vila Nova de Gaia, de forma a testar uma das novas locomotivas a gasóleo que tinham sido encomendadas pela C. P..[13] O comboio era formado pela locomotiva 101 e várias carruagens, e demorou cerca de quatro horas no percurso.[13]

Em 13 de Julho de 1949, a Câmara Municipal de Lisboa aprovou o projecto para o Viaduto de Entrecampos, contíguo à estação, a poente, que atravessaria a Avenida da República;[14] até então interrompida no seu traçado pelo atravessamento da a via férrea em aterro elevado, transponível por aberturas tipo túnel e com o cimo acessível por rampas,[15] procedendo-se ao desmonte do aterro e finalmente ao establecimento da avenida e à reposição das linhas do elétrico (até ao Lumiar via Campo Grande).[16]

Em 25 de Outubro de 1949, foi organizado um comboio especial de Queluz ao Luso, para transportar o General Franco numa visita a Portugal; na viagem de regresso a Lisboa, os ministros do Interior e das Comunicações desceram no apeadeiro de Entrecampos.[17] Em 15 de Janeiro de 1953, chegou a Entrecampos uma nova automotora a gasóleo para a C.P., que se deslocou já pelos próprios meios desde a fronteira.[18]

Em 1958 foi inaugurado o túnel do Metropolitano de Lisboa entre Campo Pequeno e Entre Campos, cuja escavação havia sido realizada sob o viaduto da Linha de Cintura, contígua a Entrecampos, ficando a localização destas duas estações de metropolitano sensivelmente equidistante à interface ferroviária.[19]

Nominalmente adstrito a esta estação, existiu[quando?] até meados do século XX o ramal particular Entrecampos-Estrela, inserido no troço da via que a liga ao Areeiro, no enfiamento do sentido descendente (lado sul da via), ao PK 6+062;[20] em 2011 estava já encerrado.[1]

Em 1971 o novo Viaduto de Entrecampos foi inaugurado, contendo o seu tabuleiro as plataformas da renovada estação; foi construído ligeiramente a norte do viaduto que iria substituír, igualmente entre a passagem de nível da Rua de Entrecampos e o Hospital do Rego, permitindo que se mentivesse a ferroviária circulação durante as obras.[carece de fontes?] O primeiro viaduto foi finalmente demolido em 1973, mantendo-se, em desuso, a sua amarração poente, junto à Avenida 5 de Outubro — reutilizado na década de 1990 para a efémera estação terminal da 5 de Outubro.[carece de fontes?]

Até ao final do século XX, o apeadeiro de Entrecampos era visto como uma interface menor no âmbito da rede ferroviária da Grande Lisboa,[21][22] com muitas das funções que adquiriria mais tarde então ainda concentradas na estação do Rego.[23]

 
Composição Fertagus circulando em Entrecampos, em 2009.
 
Composições USGL circulando em Entrecampos, em 2006.

Em finais de 1992, iniciou-se o concurso público de pré-qualificação para o Eixo Ferroviário Norte-Sul, projecto que tinha como objectivo desenvolver e ligar as redes de caminhos de ferro suburbanas de Lisboa nas duas margens do Tejo, de forma a permitir a circulação dos comboios de longo curso e suburbanos entre as duas margens.[24] Este projecto incluiu a construção e modernização de vários troços, edificação e ampliação de estações, e a instalação das vias férreas na Ponte 25 de Abril.[24] No caso da Linha de Cintura, devia ser quadruplicada a via férrea já existente, e construídos novos edifícios em várias estações, incluindo Entrecampos, que ficaria ligada ao Metropolitano de Lisboa.[24] Em 1993, entrou ao serviço a interface entre os comboios da CP e o Metropolitano de Lisboa em Entrecampos,[25] construída pelo Gabinete do Nó Ferroviário de Lisboa e pela Rede Ferroviária Nacional, para servir os comboios da C.P. e da Fertagus.[26] Em Julho de 1999, a estação de Entrecampos passou a ser servida pelos comboios da Fertagus.[27]

CP-USGL + CP-Reg + Soflusa + Fertagus
 
             
 
(n) Azambuja 
               
 Praias do Sado-A (u)
(n) Espadanal da Azambuja 
               
 Praça do Quebedo (u)
(n) Vila Nova da Rainha 
             
 Setúbal (u)
**(n) Carregado 
     
 
 
     
 Palmela (u)
(n) Castanheira do Ribatejo 
             
 Venda do Alcaide (u)
(n) Vila Franca de Xira 
       
 
 
 Pinhal Novo (u)(a)
(n) Alhandra 
             
 Penteado (a)
(n) Alverca   Moita (a)
(n) Póvoa   Alhos Vedros (a)
(n) Santa Iria   Baixa da Banheira (a)
(n) Bobadela   Lavradio (a)
(n) Sacavém   Barreiro-A (a)
(n) Moscavide   Barreiro (a)
(n) Oriente   (Soflusa)
(n)(z) Braço de Prata 
         
 
 
 Terreiro do Paço (a)
 
 
 
 
 
 
 
 
 Penalva (u)
(n)(ẍ) Santa Apolónia 
 
 
 
 
 
       
 Coina (u)
(z) Marvila 
 
         
 Fogueteiro (u)
(z) Roma-Areeiro 
           
 Foros de Amora (u)
(z) Entrecampos 
           
 Corroios (u)
(z)(7) Sete Rios 
           
 Pragal (u)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Campolide (z)(s)(u)*
(s) Benfica   Rossio (s)
(s) Santa Cruz-Damaia   Cais do Sodré (c)
(s) Reboleira   Santos (c)
(z) Alcântara-Terra 
 
 
 
 
   
 Alcântara-Mar (c)
(s) Amadora   Belém (c)
(s) Queluz-Belas   Algés (c)
(s) Monte Abraão   Cruz Quebrada (c)
(s) Massamá-Barcarena   Caxias (c)
(s)(o) Agualva-Cacém   Paço de Arcos (c)
 
 
 
         
 Santo Amaro (c)
(o) Mira Sintra-Meleças   Rio de Mouro (s)
(s) Mercês   Oeiras (c)
(s) Algueirão - Mem Martins   Carcavelos (c)
(s) Portela de Sintra   Parede (c)
(s) Sintra   São Pedro Estoril (c)
(o) Sabugo 
           
 São João Estoril (c)
(o) Pedra Furada 
           
 Estoril (c)
(o) Mafra 
           
 Monte Estoril (c)
(o) Malveira 
           
 Cascais (c)
**(o) Jerumelo 
 
 
     
 

2019-2021 []

Linhas: a L.ª Alentejoc L.ª Cascaiss L.ª Sintra C.ª X.
n L.ª Norteo L.ª Oestez L.ª Cinturau L.ª Sul7 C.ª 7 R.
(*) vd. Campolide-A   (**)   continua além z. tarif. Lisboa

(***) Na Linha do Norte (n): há diariamente dois comboios regionais nocturnos que param excepcionalmente em todas as estações e apeadeiros.
Fonte: Página oficial, 2020.06

Ver também

editar

Referências

  1. a b c (I.E.T. 50/56) 56.º Aditamento à Instrução de Exploração Técnica N.º 50 : Rede Ferroviária Nacional. IMTT, 2011.10.20
  2. Diretório da Rede 2021. IP: 2019.12.09
  3. a b c Diretório da Rede 2024. I.P.: 2022.12.09
  4. a b Horário de 1933 da Linha do Norte, onde esta gare surge com a categoria de apeadeiro, e o nome de Entre-Campos
  5. «Cálculo de distância pedonal (38,74456; −9,14854 → 38,74358; −9,15996)». OpenStreetMaps / GraphHopper. Consultado em 4 de setembro de 2023 : 1440 m: desnível acumulado de +31−11 m
  6. «Directório da Rede 2012». Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. 80 páginas 
  7. Fertagus. «Entrecampos». Consultado em 5 de julho de 2020 
  8. a b c d e LAND et al, p. 306
  9. TORRES, Carlos Manitto (16 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1682). p. 61-64. Consultado em 31 de Março de 2017 
  10. «Efemérides» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1235). 1 de Junho de 1939. p. 281-284. Consultado em 5 de Setembro de 2018 
  11. MARTINS, Rocha (1 de Novembro de 1932). «Como nasceu a Estação do Rossio» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 45 (1077). p. 513-514. Consultado em 31 de Março de 2017 
  12. NUNES, José de Sousa (16 de Junho de 1949). «A Via e Obras nos Caminhos de Ferro em Portugal» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 62 (1476). p. 418-422. Consultado em 5 de Setembro de 2018 
  13. a b «A primeira locomotiva eléctrica da C. P. já fez, com grande êxito, duas viagens experimentais» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 60 (1460). 16 de Outubro de 1948. p. 550-551. Consultado em 5 de Setembro de 2018 
  14. MARTINS et al, 1996:263
  15. Norberto de Araújo: Peregrinações em Lisboa XIV: 63-64
  16. Luís Cruz-Filipe: Do Dafundo ao Poço do Bispo. (autor): 2016
  17. «Figuras Ferroviárias: Engenheiro José de Sousa Nunes» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1639). 1 de Abril de 1956. p. 179. Consultado em 20 de Dezembro de 2016 
  18. «Novo material para a C. P.» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 65 (1562): 454. 16 de Janeiro de 1953. Consultado em 5 de Setembro de 2018 
  19. Distância loxodrómica entre +38,74483; −9,14756 e +38,74705; −9,14822 = 253 m e entre +38,74483; −9,14756 e +38,74112; −9,14681 = 422 m
  20. Sinalização do ramal particular «Entrecampos-Estrela»” («Diagrama do Fascículo Anexo n.º 163-105 à I.G. n.º 29»)
  21. (anónimo): Mapa 20 : Diagrama das Linhas Férreas Portuguesas com as estações (Edição de 1985), CP: Departamento de Transportes: Serviço de Estudos: Sala de Desenho / Fergráfica — Artes Gráficas L.da: Lisboa, 1985
  22. Diagrama das Linhas Férreas Portuguesas com as estações (Edição de 1988), C.P.: Direcção de Transportes: Serviço de Regulamentação e Segurança, 1988
  23. Sinalização da estação de Lisboa (Rego)” (diagrama anexo à I.T. n.º 28), 1975 (incluindo o apeadeiro de Entrecampos)
  24. a b c MARTINS et al, 1996:216-127
  25. REIS et al, 2006:150
  26. REIS et al, 2006:229
  27. «Estação de Entrecampos». Fertagus. Consultado em 31 de Março de 2017. Arquivado do original em 31 de março de 2017 

Bibliografia

editar
  • LAND, Carsten; HUCKING, Klaus; TRIGUEIROS, Luiz (2005). Arquitectura em Lisboa e Sul de Portugal desde 1974. Lisboa: Editorial Blau. 179 páginas. ISBN 972-8311-17-6 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 

Leitura recomendada

editar
  • ANTUNES, J. A. Aranha; et al. (2010). 1910-2010: o caminho de ferro em Portugal. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e REFER - Rede Ferroviária Nacional. 233 páginas. ISBN 978-989-97035-0-6 
  • CERVEIRA, Augusto; CASTRO, Francisco Almeida e (2006). Material e tracção: os caminhos de ferro portugueses nos anos 1940-70. Col: Para a História do Caminho de Ferro em Portugal. 5. Lisboa: CP-Comboios de Portugal. 270 páginas. ISBN 989-95182-0-4 
  • SALGUEIRO, Ângela (2008). A Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses: 1859-1891. Lisboa: Univ. Nova de Lisboa. 145 páginas 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre a Estação de Entrecampos

Ligações externas

editar