Abrir menu principal

Wikipédia β

Estação Ferroviária de Ovar

estação ferroviária em Portugal
Ovar Logos IP.png
Estação de Ovar, em 2012
Inauguração 8 de Julho de 1863
Linha(s) Linha do Norte (PK 300,776)
Coordenadas 40° 51′ N 8° 37′ W
Concelho Ovar
Serviços Ferroviários Regional
InterCidades
Urbano
Serviços Ligação a autocarros Serviço de táxis Informações - Gabinete de Apoio ao Cliente Bilheteiras e/ou máquinas de venda de bilhetes Lavabos adaptados Lavabos Sala de espera Acesso para pessoas de mobilidade reduzida Parque de estacionamento Telefones públicos

A Estação Ferroviária de Ovar é uma interface ferroviária da Linha do Norte, que serve o concelho de Ovar, no Distrito de Aveiro, em Portugal.

Índice

Comboio na estação de Ovar, em 2008.

CaracterizaçãoEditar

Localização e acessosEditar

A estação está situada junto ao Largo Serpa Pinto, na cidade de Ovar.[1]

Descrição física e serviçosEditar

Segundo o Directório da Rede 2012, publicado pela Rede Ferroviária Nacional em 6 de Janeiro de 2011, a estação ferroviária de Ovar possuía três vias de circulação, com 880, 610 e 310 m de comprimento; as plataformas apresentavam 332 e 286 m de extensão e 70 cm de altura.[2]

A estação de Ovar é utilizada por serviços Intercidades, Regionais, InterRegionais e Urbanos da operadora Comboios de Portugal.[1]

 
Estação de Ovar, nos primeiros tempos.

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História da Linha do Norte

Século XIXEditar

A Estação encontra-se no troço entre Vila Nova de Gaia e Estarreja da Linha do Norte, que foi inaugurado pela Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses em 8 de Julho de 1863.[3] A estação foi uma das abrangidas pelos serviços mistos que foram criados após a inauguração do troço entre Estarreja e Taveiro, em 10 de Abril de 1864.[4]

O jornal Povo de Ovar de 19 de Abril de 1891 relatou que quando o Regimento de Caçadores 5 passou por Ovar, no regresso do Porto, foi festivamente recebido na estação por um grupo de simpatizantes de republicanos e pela população.[5] Um dos fundadores do Partido Republicano de Ovar foi António Gaioso de Penha Garcia, subdirector das oficinas dos Caminhos de Ferro; com efeito, em Ovar, os únicos proletários do partido eram os funcionários das oficinas.[6]

 
Comboio de mercadorias a passar pela Estação de Ovar, em 2008.

Século XXEditar

Em 1903, a Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses ordenou que fossem instalados, nesta estação, novos semáforos, do sistema Nunes Barbosa.[7]

Em 6 de Outubro de 1910, realizou-se um cortejo em Ovar, para celebrar a Implantação da República; o cortejo saiu da estação de Ovar, para homenagear os operários republicanos das oficinas.[8] Estes operários estiveram sempre intimamente ligados a todas as acções de dinamização do Partido Republicano de Ovar, tendo constituído uma das influências mais dinâmicas e eficazes junto das massas populares.[9] Durante as incursões da Monarquia do Norte, os ferroviários de Ovar fizeram, em 21 e 22 de Janeiro de 1919, o levantamento e abatimento de pontões, para retardar o avanço das tropas monárquicas.[9] Também participaram directamente nos combates, devendo-se a António Gaioso de Penha Garcia, e a cerca de 400 operários das oficinas de Ovar, o facto dos revoltosos não terem avançado muito além do Rio Vouga; com efeito, a sua resistência deu tempo a que o povo, exército e marinha republicanos se concentrassem e se entrincheirassem nos arredores da cidade de Aveiro, considerando-se a actuação dos ferroviários de Ovar como o principal ponto de viragem no conflito.[9]

Em 1933, as oficinas da estação foram ampliadas pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses.[10] Em 1934, foi ampliada a oficina de obras metálicas[11][12], tendo as modificações continuado no ano seguinte.[13] Estas obras inseriram-se num programa de desenvolvimento do complexo oficinal de Ovar, levado a cabo nos anos 30, e que tinha como objectivo melhorar a economia nos processos que aí se realizavam; este projecto contemplou, igualmente, a construção de duas oficinas, uma para elementos metálicos como porcas, parafusos e rebites, e outra para instalações eléctricas.[11]

Movimento de mercadoriasEditar

Esta estação recebeu cal de Oliveira do Bairro.[14]

Referências literáriasEditar

O romance A Capital, de Eça de Queirós, começa na estação de Ovar:

Ver tambémEditar

Unidade de Suburbanos do Grande Porto

(Serviços ferroviários suburbanos de passageiros no Grande Porto)
Serviços:   Aveiro  Braga
  Caíde/Marco  Guimarães


(g) Covas 
         
 Guimarães (g)
(g) Nespereira 
         
 
(g) Vizela 
         
 Caíde (d)
(b) Braga 
         
 Pereirinhas (g)
(b) Ferreiros 
         
 Meinedo (d)
(b) Mazagão 
         
 Cuca (g)
(b) Aveleda 
         
 Bustelo (d)
(b) Tadim 
         
 Lordelo (g)
(b) Ruilhe 
         
 Penafiel (d)
(b) Arentim 
         
 Giesteira (g)
(b) Couto de Cambeses 
         
 Paredes (d)
(m)(b) Nine 
         
 Vila das Aves (g)
(m) Louro 
         
 Oleiros (d)
(m) Mouquim 
         
 Caniços (g)
(m) Famalicão 
         
 Irivo (d)
(m) Barrimau 
         
 Santo Tirso (g)
(m) Esmeriz 
         
 Cête (d)
(m)(g) Lousado 
         
 Parada (d)
(m) Trofa 
         
 Recarei-Sobreira (d)
(m) Portela 
         
 Trancoso (d)
(m) São Romão 
         
 Terronhas (d)
(m) São Frutuoso 
         
 S. Martinho do Campo (d)
(m) Leandro 
         
 Valongo (d)
(m) Travagem 
         
 Suzão (d)
(m)(d) Ermesinde 
         
 Cabeda (d)
(m) Ág. Santas / Palm.ª 
         
 
(m) Rio Tinto 
         
 
(m) Contumil 
         
 General Torres (n)
(n)(m) Porto (Campanhã) 
         
 Vila Nova de Gaia (n)
(m) Porto (São Bento) 
         
 Coimbrões (n)
(n) Aveiro 
         
 Madalena (n)
(n) Cacia 
         
 Valadares (n)
(n) Canelas 
         
 Francelos (n)
(n) Salreu 
         
 Miramar (n)
(n) Estarreja 
         
 Aguda (n)
(n) Avanca 
         
 Granja (n)
(n) Válega 
         
 Espinho (n)
(n) Ovar 
         
 Silvalde (n)
(n) Carvalheira-Maceda 
         
 Paramos (n)
(n) Cortegaça 
             
 Esmoriz (n)

Linhas: d Linha do Dourog Linha de Guimarães
b Ramal de Bragam Linha do Minhon Linha do Norte
Fonte: Página oficial, 2010.04

Referências

  1. a b «Estação de Ovar». Comboios de Portugal. Consultado em 24 de Novembro de 2014. 
  2. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2012. Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. p. 71-85 
  3. TORRES, Carlos Manitto (1 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1681). p. 9-12. Consultado em 14 de Abril de 2014. 
  4. «Escada Rolante: Há 104 anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 81 (1931). 16 de Novembro de 1968. p. 152. Consultado em 14 de Abril de 2014. 
  5. SARDO e BRANDÃO, 2010:90
  6. SARDO e BRANDÃO, 2010:91
  7. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (363). 1 de Fevereiro de 1903. p. 43-44. Consultado em 14 de Abril de 2014. 
  8. SARDO e BRANDÃO, 2010: 97
  9. a b c SARDO e BRANDÃO, 2010:99
  10. «O que se fez nos Caminhos de Ferro em Portugal no Ano de 1933» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1106). 16 de Janeiro de 1934. p. 49-52. Consultado em 14 de Abril de 2014. 
  11. a b CORRÊA, António de Vasconcelos (16 de Fevereiro de 1939). «A vida da C. P. desde o convénio de 1894» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1228). p. 126-131. Consultado em 14 de Abril de 2014. 
  12. «O que se fez nos Caminhos de Ferro Portugueses, durante o ano de 1934» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1130). 16 de Janeiro de 1935. p. 50-51. Consultado em 14 de Abril de 2014. 
  13. «Os Nossos Caminhos de Ferro em 1935» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 48 (1154). 16 de Janeiro de 1936. p. 52-55. Consultado em 14 de Abril de 2014. 
  14. MOTA, 2002:309

BibliografiaEditar

  • MOTA, Armor (2002). Oliveira do Bairro: Alma e Memória. Oliveira do Bairro: Câmara Municipal. 372 páginas 
  • QUEIRÓS, Eça de (1993) [1925]. A Capital. Col: Romances completos de Eça de Queirós. [S.l.]: Círculo de Leitores. 396 páginas. ISBN 972-42-0673-4 
  • SARDO, Flávio; BRANDÃO, António (2010). Aveiro: Roteiros Republicanos 1.ª ed. Matosinhos: Quidnovi, Edição e Conteúdos, Lda., e Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República. 126 páginas. ISBN 978-989-554-719-7 

Ligações externasEditar