Estação Ferroviária de Vila das Aves

estação ferroviária em Portugal

Logos IP.png
BSicon CONTfa grey.svg
BSicon HST grey.svgGiesteira (Sentido Guimarães)
BSicon BHF grey.svgVila das Aves
BSicon BHF grey.svgCaniços (Sentido Lousado)
BSicon CONTf grey.svg

Vila das Aves IPcomboio2.jpg
Comboio a chegar à estação de Vila das Aves, em 2017
Coordenadas: 41° 21′ 27,12″ N, 8° 24′ 22,06″ O
Concelho: bandeiraSTS
Linha(s): Linha de Guimarães (PK 37,954)
Serviços: Logo CP 2.svgBSicon LSTR yellow.svgU
Equipamentos: Serviço de táxis Bilheteiras e/ou máquinas de venda de bilhetes
Sala de espera
Parque de estacionamento Acesso para pessoas de mobilidade reduzida Lavabos
Ticket vending icon.svgNYCS-bull-trans-Z-Std.svgSTR5
Website:

A Estação Ferroviária de Vila das Aves, também conhecida como Vila das Aves - Negrelos, e originalmente como Negrellos, é uma interface da Linha de Guimarães, que serve a freguesia de Vila das Aves, no Distrito do Porto, em Portugal.

DescriçãoEditar

 
Horários da Linha de Guimarães em 1913, onde esta gare surge com o nome original, Negrellos

Situa-se junto à Rua do Centenário, na localidade de Vila das Aves.[1]

Em Janeiro de 2011, contava com duas vias de circulação, com 221 e 219 m de comprimento, cujas plataformas tinham ambas 150 m de extensão, e 90 cm de altura.[2]

HistóriaEditar

A estação de Vila das Aves situa-se no lanço da Linha de Guimarães entre Trofa e Vizela, que entrou ao serviço em 31 de Dezembro de 1883, tendo sido construído pela Companhia do Caminho de Ferro de Guimarães.[3][4][5]

Em 2015, um artigo do jornal Público criticou o estado de funcionamento das estações suburbanas do Grande Porto, incluindo a de Vila das Aves, que não possuía bar, sala de espera nem instalações sanitárias para os utentes.[6]

Referências literáriasEditar

Num artigo publicado em 1938 na revista Ilustração, o jornalista Lopes de Oliveira descreveu a chegada de comboio à estação de Vila das Aves, então ainda conhecida como Negrelos:[7]

Ver tambémEditar

CP Urbanos do Porto

(Serv. ferr. suburb. de passageiros no Grande Porto)
Serviços:   Aveiro  Braga
  Marco de Canaveses  Guimarães


(b) Ferreiros 
 
 
   
 Braga (b)
(b) Mazagão 
     
 Guimarães (g)
(b) Aveleda 
     
 Covas (g)
(b) Tadim 
     
 Nespereira (g)
(b) Ruilhe 
     
 Vizela
(b) Arentim 
     
 Pereirinhas (g)
(b) Cou.Cambeses 
     
 Cuca (g)
(m)(b) Nine 
     
 Lordelo (g)
(m) Louro 
     
 Giesteira (g)
(m) Mouquim 
     
 Vila das Aves (g)
(m) Famalicão 
     
 Caniços (g)
(m) Barrimau 
     
 Santo Tirso (g)
(m) Esmeriz 
 
 
 
   
 Cabeda (d)
(m)(g) Lousado   Suzão (d)
(m) Trofa   Valongo (d)
(m) Portela   S. Mart. Campo (d)
(m) São Romão   Terronhas (d)
(m) São Frutuoso   Trancoso (d)
(m) Leandro   Rec.-Sobreira (d)
(m) Travagem   Parada (d)
(m)(d) Ermesinde   Cête (d)
(m) Palmilheira 
 
 
 
     
 Irivo (d)
(m) Águas Santas 
 
 
 
     
 Oleiros (d)
(m) Rio Tinto   Paredes (d)
(m) Contumil 
       
 
 
 Penafiel (d)
(n)(m) P.-Campanhã   
(m) P.-São Bento 
     
 
       
 
(n) General Torres 
     
 
 
 Bustelo (d)
(n) Gaia 
 
 
     
 Meinedo (d)
(n) Coimbrões 
         
 Caíde (d)
(n) Madalena 
         
 Oliveira (d)
(n) Valadares 
         
 Vila Meã (d)
(n) Francelos 
         
 Livração (d)
(n) Miramar 
         
 Recesinhos (d)
(n) Aguda 
         
 M.Canaveses (d)
(n) Granja 
         
 Aveiro (n)
(n) Espinho 
         
 Cacia (n)
(n) Silvalde 
         
 Canelas (n)
(n) Paramos 
         
 Salreu (n)
(n) Esmoriz 
         
 Estarreja (n)
(n) Cortegaça 
         
 Avanca (n)
(n) Carv.-Maceda 
         
 Válega (n)
(n) Ovar 
         
 

Referências

  1. «Vila das Aves - Linha de Guimarães». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 13 de Novembro de 2017 
  2. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2012. Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. p. 71-85 
  3. TORRES, Carlos Manitto (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 71 (1686). p. 133-140. Consultado em 8 de Agosto de 2013 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  4. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 8 de Agosto de 2013 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  5. REIS et al, 2006:12
  6. SILVA, Samuel; CIPRIANO, Carlos (5 de Janeiro de 2015). «Um terço das estações de comboios a Norte do Porto estão fechadas». Público. Consultado em 16 de Outubro de 2020 
  7. «OLIVEIRA, Lopes de» (PDF). Ilustração. Ano 13 (302). Lisboa: Livraria Bertrand. 16 de Julho de 1938. p. 13. Consultado em 16 de Outubro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 

BibliografiaEditar

  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 

Ligações externasEditar