Estação Franklin D. Roosevelt

estação do Metropolitano de Paris

Franklin D. Roosevelt é uma estação das linhas 1 e 9 do Metrô de Paris, localizada no 8.º arrondissement de Paris.

Franklin D. Roosevelt
O mastro particular de um acesso à estação.
Uso atual Estação de metropolitano
Administração RATP Metropolitano de Paris
Linhas Linhas 1, 9
Código 1807
Tipo de estação Subterrânea
Plataforma 4
Informações históricas
Inauguração Paris transit icons - Métro 1.svg 19 de julho de 1900
Paris transit icons - Métro 9.svg 27 de maio de 1923
Localização
Localização 27, Avenue des Champs-Élysées x 35, Avenue des Champs-Élysées x 40, Avenue des Champs-Élysées x 44, Avenue des Champs-Élysées x 3, Rond-point des Champs-Élysées x 7, Rond-point des Champs-Élysées x 60, Avenida Montaigne
Próxima estação
Sentido La Défense
Paris transit icons - Métro 1.svg
Sentido Château de Vincennes
Franklin D. Roosevelt
Sentido Pont de Saint-Cloud
Paris transit icons - Métro 9.svg
Sentido Mairie de Montreuil
Franklin D. Roosevelt

LocalizaçãoEditar

A estação está estabelecida no subterrâneo, no limite do quartier des Champs-Élysées e do quartier du Faubourg-du-Roule, no rond-point des Champs-Élysées. As plataformas das duas linhas estão distantes cerca de 200 metros umas das outras:

HistóriaEditar

Antes da Segunda Guerra Mundial, as plataformas das duas linhas eram independentes. Na linha 1, a estação inaugurada em 19 de julho de 1900 levava então o nome de Marbeuf, devido a sua proximidade com a rue Marbeuf. Na linha 9, a estação levava o nome de Rond-Point des Champs-Elysées desde a sua abertura em 27 de maio de 1923. Em seu uso, se contentava em dizer Rond-Point para distingui-la da estação Champs-Élysées - Clemenceau da linha 1.

Um corredor de correspondência foi construído e inaugurado em 6 de outubro de 1942; a nova estação, em seguida, tomou o nome de Marbeuf - Rond-Point des Champs-Elysées (mais comumente Champs-Élysées - Marbeuf).

Em seguida a estação foi renomeada Franklin D. Roosevelt em 30 de outubro de 1946, após a mudança de nome da avenue Victor-Emmanuel III tornada avenue Franklin-D.-Roosevelt, em homenagem a Franklin Delano Roosevelt, chefe de Estado de um país aliado durante a Segunda Guerra Mundial, substituindo a de um país inimigo (Itália), embora aliada durante a Primeira Guerra Mundial.

Na década de 1950, uma nova decoração da estação, nas plataformas das linhas 1 e 9, foi muito notável, porque introduziu uma nova técnica artística, o gemmail, que é uma espécie de vitral modernizado, e fala da época da "estação-museu". A inauguração ocorreu com grande pompa, na noite de 1 a 2 de março de 1957: dois trens compostos de plataformas equipadas com mesas trazendo comida para os convidados.[1] Estes gemmaux, retirados das plataformas na década de 2000, se situam agora na sala de bilhetes.

No âmbito da automação da linha 1, as plataformas desta linha foram totalmente remodeladas.

 
Gemmaux na sala de bilhetes.

Em 2004, ela foi a décima terceira estação mais movimentada na rede, com 12,19 milhões de entradas diretas.[2] Em 2012, 12 582 337 passageiros entraram nesta estação.[3] Ela viu entrar 11 890 240 passageiros em 2013 o que a classifica na 14ª posição das estações de metrô por sua frequência.[4]

Serviços aos passageirosEditar

AcessosEditar

 
Um acesso à estação é o rond-point des Champs-Élysées.

A estação tem sete acessos, sendo os dois primeiros acessíveis apenas a partir das plataformas da linha 1, visto que o seu ponto de parada era independente da linha 9 originalmente.

PlataformasEditar

abóbada das plataformas da linha 1 é completada por um piso em telhas biselado preto, assim como as luminárias de teto cilíndrica com padrões de bolhas. Os pés-direitos têm uma curvatura dourada. As plataformas são quadriculadas em cinza antracite e equipadas com portas de plataforma parcialmente pintadas em preto. O nome da estação é diretamente inscrito nas telhas em cinco línguas diferentes. Em cada plataforma, três telas táteis apresentam os mapas da rede, um mapa do bairro e uma ferramenta de pesquisa de itinerário. Cinco telas suplementares apresentam campanhas publicitárias e programas culturais. Eles transmitem quatro filmes de dois minutos, produzido pelo CNRS no âmbito do "Ano da Química", e três filmes feitos pelo artista Marko Echeverria no contexto de seu trabalho Paysages passagers.

As telhas das plataformas da linha 9 se apresentam na forma de revestimentos metálicos compreendendo um conjunto de vitrines. Um grande número delas estão agora vazios; sua obturação parcial mostra a antiga parede da estação constituída pelas telhas chanfradas das origens.

IntermodalidadeEditar

A estação é servida pelas linhas 28, 32 (em direção a Gare de l'Est unicamente), 42, 73, 80 e 93 da rede de ônibus RATP e, à noite, pelas linhas N11 e N24 da rede de ônibus Noctilien.

Pontos turísticosEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. «La station de métro insolite : Franklin D.Roosevelt». paris-insolite.curiocites.com. 6 de agosto de 2010. Consultado em 10 de dezembro de 2014 .
  2. «Page d'accueil». Île-de-France Mobilités (em francês). Consultado em 16 de abril de 2022 
  3. Entradas anuais provenientes de fora da estação (via pública, correspondências de ônibus, rede SNCF, etc.)[ligação inativa], no site data.ratp.fr, consultado em 19 de dezembro de 2013.
  4. Tráfego anual de entradas por estação (2013) Arquivado em 8 de março de 2013, no Wayback Machine., no site data.ratp.fr, consultado em 31 de agosto de 2014.

BibliografiaEditar

  • Roland Pozzo di Borgo, Les Champs-Élysées : trois siècles d'histoire, 1997
  • Gérard Roland, Stations de Métro, Paris, Bonneton éditeur, 2003, 231 páginas, nova edição revista e expandida, ISBN 2-86253-307-6
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Estação Franklin D. Roosevelt