Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para as estações homônimas, veja Estação Ipiranga (desambiguação).
CPTM icon.svg Ipiranga
Plataformas da Estação Ipiranga da CPTM, durante chuva em São Paulo.
Uso atual Bahn aus Zusatzzeichen 1024-15.svg Estação de trens metropolitanos
Proprietário Bandeira do estado de São Paulo.svg Governo do Estado de São Paulo
Administração CPTM icon.svg CPTM
Linhas 10turquoise.png Turquesa

Estrada de Ferro Santos-Jundiaí
(SPR, 1886–1946)
Estrada de Ferro Santos-Jundiaí
(RFFSA, 1946–1992)

Código SP-1056
Sigla IPG
Posição Superfície
Plataformas Laterais (2)
Vias Três
Altitude 737 m acima do nível do mar
Zona tarifária Única (R$ 4,00)
Serviços Acesso à deficiente físico Banheiro Venda de Bilhetes Achados e Perdidos Centro de Informações
Conexões Terminal rodoviário
Site CPTM icon.svg Linhas da CPTM
Informações históricas
Inauguração 1 de abril de 1886 (133 anos)
Fechamento Data desconhecida
Inauguração da
atual edificação
Meados de 1960 (59 anos)
Projeto arquitetônico Rede Ferroviária Federal
Localização
Localização Gnome-globe.png Estação Ipiranga
Endereço Av. Presidente Wilson, 3473, Ipiranga
CEP SP, 03126-000
Município Portal São Paulo
País  Brasil
Próxima estação
Sentido Brás 10turquoise.png Sentido Rio Grande da Serra
Juventus–Mooca Tamanduateí
Ipiranga
Mapa diagrama-da Linha-10.png

A Estação Ipiranga é uma estação ferroviária, pertencente à Linha 10–Turquesa da CPTM, localizada no município de São Paulo. Embora seja chamada de Ipiranga, está situada no distrito de Vila Prudente em seu lado leste.

Índice

HistóriaEditar

A Estação Ipiranga foi aberta em 1 de abril de 1886, com o intuito de servir como estrutura de apoio ao projeto de implantação do Museu do Ipiranga, construído entre 1885 e 1890. Com o passar do tempo, os arredores da estação passaram de um arrabalde alagado pelas várzeas do Rio Tamanduateí para um ponto de atendimento a dois bairros criados às margens da ferrovia na virada do século XX: Ipiranga e Vila Prudente. Depois da Segunda Guerra Mundial, os arredores da estação receberam diversas indústrias. Esse movimento industrial alcançou seu auge na década de 1950, com a chegada da fábrica da Ford Motor Co., em 1953, que implantou desvios ferroviários para atender suas instalações.[1]

A partir dos anos 1950, milhares de trabalhadores passaram a embarcar e desembarcar na Estação Ipiranga, cada vez mais acanhada e obsoleta. Dessa forma, a Estrada de Ferro Santos—Jundiaí contratou a construção de um novo edifício para a estação, aberto em meados de 1960. Com o início da desindustrialização, a estação Ipiranga foi perdendo importância, de forma que em seus arredores as velhas indústrias deram lugar a galpões vazios. Esse movimento de migração de plantas industriais para outras localidades atingiu também a fábrica da Ford, desativada em 2001 (sendo a produção transferida para Camaçari, na Bahia). Ao contrário das demais fábricas desocupadas e ainda de pé, a da Ford foi parcialmente demolida, dando lugar a um shopping center.

Desde 1 de junho de 1994, a estação é administrada pela CPTM.[1][2]

ProjetosEditar

Nova estaçãoEditar

Em 11 de maio de 2005, o consórcio de empresas Maubertec/Herjack foi contratado pela CPTM por 845 974 reais (com aditivos, o valor final do contrato foi de 888 036,85 reais) para elaborar projetos de reconstrução das estações Mooca, Ipiranga, Utinga e Prefeito Saladino. Em 29 de março de 2008, os projetos foram entregues. A CPTM inscreveu-os no PAC, sendo contemplada na fase de pré-seleção. Com a crise econômica de 2014, diversos financiamentos do PAC foram cancelados, incluindo o de reconstrução das estações.[3][4][5]

Expresso TiradentesEditar

O projeto do BRT Expresso Tiradentes prevê a integração da Estação Ipiranga com a estação de trens já existente. No entanto, apenas parte de sua estrutura foi implantada,[6] de forma que não existe prazo para a conclusão deste projeto (embora seja especulado que ele possa ser implantado em conjunto com a futura estação da Linha 15 do Metrô).[7]

Estações de metrôEditar

O Metrô de São Paulo prevê a expansão da Linha 15 entre Vila Prudente e Ipiranga, que funcionará como estação terminal da linha. Esse projeto não tem data para ser implementado.[8]

Outro projeto prevê a expansão da Linha 5 da Estação Chácara Klabin até a Estação Ipiranga, porém sem prazo para realização, por depender de dotação orçamentária.[9][10]

ToponímiaEditar

A palavra "Ipiranga" vem do tupi e significa y ("água" ou "rio") + piranga ("vermelho", em referência ao barrento Riacho do Ipiranga, em cujas margens ocorreu a declaração de independência do Brasil).[11]

Em 2010, os deputados estaduais paulistas José Bittencourt e Vaz de Lima tentaram modificar o nome da estação de Ipiranga para Ipiranga–Pastor Alfredo Reikdal, em homenagem a um obscuro líder religioso, porém a proposta acabou arquivada.[12][13] Segundo um estudo da CPTM na 22.ª Semana de Tecnologia Metroferroviária da Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP), o custo de modificação do nome de uma estação de metrô ou de trem metropolitano intermediária como a Ipiranga é de cerca de 620 mil reais, razão por que a empresa ferroviária evita renomear suas estações, salvo por força de lei.[14]

CaracterísticasEditar

Sigla Estação Inauguração Integração Plataformas Posição Notas
IPG Ipiranga 1 de abril de 1886 Bilhete Único da SPTrans Laterais Superfície Estação reconstruída pela RFFSA

Diagrama da estaçãoEditar

Diagrama da Estação Ipiranga
Sentido Brás
1

a

b

c
2
Sentido Rio Grande da Serra

Legenda

                     Linha férrea

  Plataforma


Linhas

Plataforma 1 e 2: Linha 10–Turquesa da CPTM
Via a: Sentido Brás (trem parador — embarque e desembarque)
Via b: Sentido Luz-Santo André (trem semiexpresso)
Via c: Sentido Rio Grande da Serra (trem parador — embarque e desembarque)

Funcionamento da linhaEditar

Linha Terminais Estações Principais destinos Duração das viagens (min) Intervalo entre trens (min) Funcionamento da estação
10
Turquesa
BrásRio Grande da Serra 13 São Caetano do Sul, Santo André, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra. 60 5 Diariamente, das 4 à 0 hora; aos sábados, das 4 à 1 hora de domingo

Referências

  1. a b Ralph Mennucci Giesbrecht (2001). «Ipiranga». Consultado em 6 de março de 2019 
  2. CBTU (1994). «Introdução» (PDF). Relatório de Administração, página 37. Consultado em 6 de março de 2019 
  3. CPTM (21 de maio de 2005). «EXTRATO DE CONTRATO-CN 829240201105» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo. Consultado em 6 de março de 2019 
  4. «Estações Mooca, Ipiranga, Utinga e Prefeito Saladino da Linha D Lote 6 – CPTM». Maubertec. 2008. Consultado em 6 de março de 2019 
  5. Fabio Leite (6 de março de 2017). «CPTM adia para 2020 entrega de acessibilidade em todas as estações:Companhia alega falta de repasses de verba do PAC e renova acordo com o Ministério Público prorrogando prazo em até seis anos». Estadão. Consultado em 6 de março de 2019 
  6. Google (fevereiro de 2018). «Pilares da futura estação Ipiranga CPTM». Alphabet Inc. Consultado em 6 de março de 2019 
  7. SPTrans (2006). «Mapa 3.6.2 – Expresso Tiradentes: divisão esquemática dos trechos» (PDF). Prefeitura de São Paulo, página 8. Consultado em 6 de março de 2019 
  8. Fernando Galfo (27 de agosto de 2018). «Monotrilho da Linha 15 Prata no Ipiranga e Cidade Tiradentes somente na próxima década». Ferroviando. Consultado em 6 de março de 2019 
  9. Metrô-SP. «Expansão» (PDF). Relatório de Gestão 2015-18. Consultado em 6 de março de 2019 
  10. Renato Lobo (7 de janeiro de 2019). «Metrô estuda levar Linha 5-Lilás até o Ipiranga». Via Trólebus. Consultado em 6 de março de 2019 
  11. «Ipiranga». Dicionário Ilustrado Tupi Guarani. Consultado em 6 de março de 2019 
  12. «Projeto de Lei 434». Assembleia Legislativa de São Paulo. 2010. Consultado em 6 de março de 2019 
  13. «Projeto de Lei 385». =Assembleia Legislativa de São Paulo. 2010. Consultado em 6 de março de 2019 
  14. Clercia Mara de Oliveira Nisti, Helena da Silva Andrade, Thiago dos Santos da Silva (2016). «Nomenclatura das estações da CPTM – Metodologia para escolha de nome, custos e as consequências de sua alteração» (PDF). Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô. Consultado em 6 de março de 2019 

Ligações externasEditar